381 online
Ruy Belo
Nasceu a 27 Fevereiro 1933
(Rio Maior, Portugal)

Morreu em 08 Agosto 1978
(Queluz, Portugal)

Rui de Moura Belo foi um poeta e ensaísta português.
wer54w66sf32re2
 
Poeta e ensaísta português, natural de São João da Ribeira, Rio Maior. Licenciado em Filologia Românica e em Direito pela Universidade de Lisboa, obteve o grau de doutor em Direito Canónico pela Universidade Gregoriana de Roma, com uma tese intitulada «Ficção Literária e Censura Eclesiástica». Exerceu, ainda que brevemente, um cargo de director-adjunto no então ministério da Educação Nacional, mas o seu relacionamento com opositores ao regime da época, a participação na greve académica de 1962 e a sua candidatura a deputado, em 1969, pelas listas da Comissão Eleitural de Unidade Democrática, levaram a que as suas actividades fossem vigiadas e condicionadas. Ocupou, ainda, um lugar de leitor de Português na Universidade de Madrid (1971-1977). Regressado, então, a Portugal, foi-lhe recusada a possibilidade de leccionar na Faculdade de Letras de Lisboa, dando aulas na Escola Técnica do Cacém, no ensino nocturno. Em 1991 foi condecorado, a título póstumo, com o grau de Grande Oficial da Ordem Militar de Sant'iago da Espada. Tendo sido, na sua passagem pela imprensa, director literário da Editorial Aster e chefe de redacção da revista Rumo, os seus primeiros livros de poesia foram Aquele Grande Rio Eufrates (1961) e O Problema da Habitação (1962). Às colectâneas de ensaios Poesia Nova (1961) e Na Senda da Poesia (1969), seguiram-se obras cuja temática se prende ao religioso e ao metafísico, sob a forma de interrogações acerca da existência. É o caso de Boca Bilingue (1966), Homem de Palavras(s) (1969), País Possível (1973, antologia), Transporte no Tempo (1973), A Margem da Alegria (1974), Toda a Terra (1976) e Despeço-me da Terra da Alegria (1977). O versilibrismo dos seus poemas conjuga-se com um domínio das técnicas poéticas tradicionais. A sua obra, organizada em três volumes sob o título Obra Poética de Ruy Belo, em 1981, foi, entretanto, alvo de revisitação crítica, sendo considerada uma das obras cimeiras, apesar da brevidade da vida do poeta, da poesia portuguesa contemporânea. Apesar do curto período de actividade literária, Ruy Belo tornou-se um dos maiores poetas portugueses da segunda metade deste século, tendo as suas obras sido reeditadas diversas vezes. Destacou-se ainda pela tradução de autores como Antoine de Saint-Exupéry, Montesquieu, Jorge Luís Borges e Federico García Lorca. Em 2001, publica-se Todos os Poemas



Ruy Belo foi um dos mais importantes poetas e ensaístas portugueses do pós-guerra, nascido a  27 de fevereiro de 1933 na cidade de São João da Ribeira, Rio Maior, morrendo repentina e demasiado prematuramente na cidade de Queluz, a 8 de agosto de 1978, com apenas 45 anos.
 
Estudou direito na Universidade de Coimbra, concluindo o curso em Lisboa em 1956, quando partiu para Roma, doutorando-se em direito canônico pela Universidade S. Tomás de Aquino (Angelicum), com uma tese intitulada "Ficção Literária e Censura Eclesiástica".
  
 Retornou a Portugal e em 1961 ingressou na Faculdade de Letras de Lisboa, recebendo uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian para pesquisa acadêmica, tornando-se ainda professor de Língua e Literatura Portuguesas em Madri entre 1971 e 1977.
  
 Mais tarde, ainda que tenha trabalhado no então Ministério da Educação Nacional, sua oposição ao regime de Salazar, a participação em uma greve acadêmica de 1962 e a sua candidatura a deputado, em 1969, pela Comissão Eleitoral de Unidade Democrática, tornaram-no perigoso demais para a conjuntura política do país, levando-o a ser vigiado pelo governo e à recusa de sua candidatura a lecionar na Faculdade de Letras de Lisboa.
  
 Foi diretor da Editorial Aster e chefe de redação da revistaRumo, estreando em livro com os volumesAquele Grande Rio Eufrates (1961) eO Problema da Habitação (1962), assim como a coletânea de ensaiosPoesia Nova (1961), seguida deNa Senda da Poesia (1969). Publicou aindaBoca Bilingue (1966),Homem de Palavra(s) (1969),Transporte no Tempo (1973),País Possível (1973),A Margem da Alegria (1974),Toda a Terra (1976) eDespeço-me da Terra da Alegria (1978). Traduziu  Antoine de Saint-Exupéry, Montesquieu, Jorge Luís Borges e Federico García Lorca.
 
 A reunião de seus poemas, organizada em três volumes sob o títuloObra Poética de Ruy Belo, foi lançada em 1981, três anos após sua morte, e aos poucos passou a firmar-se criticamente como uma das obras mais importantes da poesia portuguesa contemporânea.
 
 
 No Brasil, o poeta é praticamente desconhecido, publicado apenas esparsamente. Um esforço recente de divulgação foi empreendido pela revistaInimigo Rumor, dirigida à época no Brasil por Carlito Azevedo e em Portugal por Osvaldo Manuel Silvestre, dedicando seu número 15 à obra do português, com um dossiê que trazia ensaios de Manuel Gusmão, Gustavo Rubim, Vítor Mendes e Pedro Serra, além de textos de poetas brasileiros e portugueses a partir de poemas de Ruy Belo, incluindo os autores Nuno Júdice, Eucanaã Ferraz, Vasco Graça Moura, Tarso de Melo, A. M. Pires Cabral, Luís Quintais, Fernando Guerreiro, Heitor Ferraz ou Gastão Cruz, entre outros.
 
 
 Surgida em Portugal no fim da década de 50 e início dos 60, quando no Brasil vociferava o debate entre os poetas do Grupo de 45 e das neovanguardas brasileiras, com as pesquisas e reviravoltas críticas empreendidas pelo Grupo Noigandres em São Paulo, o Grupo Neoconcreto no Rio de Janeiro, além da Poesia Práxis de Mário Chamie e os trabalhos dos poetas em torno do Poema Processo, entende-se como a poesia lírica e sálmica de Ruy Belo poderia ter acolhida difícil no País naquele momento. Mas, agora que tais dicotomias em luta por hegemonia começam a arrefecer, e em vista da parca mas clara acolhida e valorização no Brasil do trabalho de poetas como Herberto Helder, Hilda Hilst ou Roberto Piva, é espantoso que o trabalho de Ruy Belo não tenha ainda se tornado referência maciça entre os poetas contemporâneos brasileiros, com algumas exceções. "A margem da alegria" parece-me um dos grandes poemas longos do pós-guerra em língua portuguesa, e seus pequenos poemas líricos são cristais de clareza estonteante. No Brasil, creio que seu trabalho poderia entrar em diálogo com textos como asCinco elegias (1943), de Vinícius de Moraes (1913 - 1980), assim como a poesia lírica de Joaquim Cardozo (1897 - 1978), Hilda Hilst (1930 - 2004) e Leonardo Fróes (n. 1943). São aproximações sem qualquer referência genética ou hierárquica.
 
Teríamos muito o que aprender com este senhor.
 
 
--- Ricardo Domeneck