680 online
Jorge de Sena
Nasceu a 02 Novembro 1919
(Lisboa)

Morreu em 04 Junho 1978
(Santa Bárbara, Califórnia, EUA)

Jorge Cândido de Sena foi poeta, crítico, ensaísta, ficcionista, dramaturgo, tradutor e professor universitário português.
wer54w66sf32re2
 
Título Visto Gosto Favorito Coments Livro Dat
/pt/t/1601/beijoBeijo9704453039Poema
/pt/t/1599/genesisGénesis70232330112Poema
/pt/t/1600/conheco-o-salConheço o Sal7656212050Poema
/pt/t/4386/carta-a-meus-filhosCARTA A MEUS FILHOS314514000Poema
/pt/t/1602/o-corpo-nao-esperaO corpo não espera68281240158Poema
/pt/t/9963/a-diferenca-que-haA Diferença Que Há504512100Poema
/pt/t/1774/a-portugalA Portugal603711250Poema
/pt/t/8390/no-pais-dos-sacanasNo País dos Sacanas334711100Poema
/pt/t/3002/uma-pequenina-luzUma pequenina luz35628000Poema
/pt/t/9959/dizer-porque-e-para-queDizer Porquê e Para Quê38437000Poema
/pt/t/3231/camoes-dirige-se-aos-seus-contemporaneosCamões dirige-se aos seus contemporâneos34167110Poema
/pt/t/9964/de-correr-mundoDe Correr Mundo33677000Poema
/pt/t/8396/como-queiras-amorComo Queiras, Amor27637100Poema
/pt/t/9957/e-tarde-muito-tarde-da-noiteÉ Tarde, Muito Tarde da Noite46376000Poema
/pt/t/9962/quando-se-pensa-nesse-amorQuando se Pensa Nesse Amor35686100Poema
/pt/t/4387/estao-podres-as-palavrasESTÃO PODRES AS PALAVRAS26336200Poema
/pt/t/9966/na-mao-em-dedos-levesNa Mão, Em Dedos Leves33635100Poema
/pt/t/9958/quantos-na-vida-corposQuantos na Vida Corpos28295000Poema
/pt/t/3000/os-paraisos-artificiaisOs paraísos artificiais25825000Poema
/pt/t/9956/para-bellumPara Bellum27894100Poema
/pt/t/9965/a-desenhada-imagemA Desenhada Imagem32853000Poema
/pt/t/9961/como-de-subito-na-vidaComo de Súbito na Vida32623000Poema
/pt/t/8391/cantiga-de-abrilCantiga de Abril30563100Poema
/pt/t/3001/reflorir-sempreReflorir, sempre27203000Poema
/pt/t/1998/meu-corpo-que-mais-receiasMeu corpo, que mais receias?25343100Poema
/pt/t/2143/tentacoes-do-apocalipseTentações do Apocalipse24893000Poema
/pt/t/3229/glosa-a-chegada-do-outonoGlosa à chegada do outono24583000Poema
/pt/t/4389/no-comboio-de-edimburgo-a-londresNO COMBOIO DE EDIMBURGO A LONDRES23653000Poema
/pt/t/9954/quanto-de-ti-amorQuanto de Ti Amor26602100Poema
/pt/t/8392/declaracaoDeclaração25942000Poema
/pt/t/9953/gaiola-de-vidroGaiola de Vidro24452000Poema
/pt/t/3230/tendo-lido-uma-cartaTendo lido uma carta24012000Poema
/pt/t/2144/la-dame-a-la-licorneLa dame à la licorne23662000Poema
/pt/t/9960/bucolica-e-naoBucólica e Nâo27751000Poema
/pt/t/4388/nocoes-de-linguisticaNOÇÕES DE LINGUISTICA24711000Poema
/pt/t/8393/panfletoPanfleto23421000Poema
/pt/t/8395/ode-ao-surrealismo-por-conta-alheiaOde ao Surrealismo por Conta Alheia23401000Poema
/pt/t/2849/dizia-uma-vez-aquilinoDizia uma vez Aquilino23311000Poema
/pt/t/3232/escrito-em-veronaEscrito em Verona22681000Poema
/pt/t/8397/de-relance-o-alentejoDe Relance, O Alentejo22641000Poema
/pt/t/9955/em-louvor-da-promiscuidadeEm Louvor da Promiscuidade23990000Poema
/pt/t/48239/conheco-o-salConheço o sal3070000Poema
/pt/t/48241/chopin-um-inventarioChopin: um inventário2680000Poema
/pt/t/48242/glosa-a-chegada-do-outonoGlosa à chegada do outono2650000Poema
/pt/t/48240/camoes-dirige-se-aos-seus-contemporaneosCamões dirige-se aos seus contemporâneos2450000Poema