Bernardo Soares (Fernando Pessoa)



Loura a face que espia
Loura a face que espia
Cose, debruçada à janela,
Se eu fosse outro pararia
E falaria com ela.

Mas seja o tempo ou o acaso
Seja a sorte interior,
Olho mas não faço caso
Ou não faz caso o amor.

Mas não me sai da memória
A janela e ela, e eu
Que se fosse outro era história
Mas o outro nunca nasceu...


18/05/1932

Clique se gosta


Coloque nos seus favoritos


Comentar