Jorge de Lima

Jorge de Lima
Jorge Mateus de Lima foi um político, médico, poeta, romancista, biógrafo, ensaísta, tradutor e pintor brasileiro. Inicialmente autor de versos alexandrinos, posteriormente transformou-se em um modernista.
Nasceu a 23 Abril 1893 (União dos Palmares, Alagoas, Brasil)
Morreu em 15 Novembro 1953 (Rio de Janeiro)
Comentários
Jorge de Lima iniciou, em 1911, a faculdade de Medicina, em Salvador BA, concluindo-a em 1915, no Rio de Janeiro. Elegeu-se Deputado Estadual pelo Partido Republicano de Alagoas (1926) e vereador pela UDN (1946), assumindo a Presidência da Câmara dois anos depois. Iniciou-se, de maneira autodidata, nas artes plásticas, em 1940, no Rio de Janeiro. Em 1943, publicou o álbum de fotomontagens intitulado A Pintura em Pânico, com prefácio de Murilo Mendes, no Rio de Janeiro. Em paralelo a essas atividades, dedicou-se à literatura, tendo escrito, dentre outros, os livros: O Mundo do Menino Impossível (1925), Novos Poemas (1930), Tempo e Eternidade (1935), A Túnica Inconsútil (1938), Poemas Negros (1947) e Invenção de Orfeu (1952). Foi homenageado com o Grande Prêmio de Poesia (1940), concedido pela Academia Brasileira de Letras. A poesia de Jorge de Lima vincula-se à segunda geração do Modernismo. Sobre sua obra, afirmou a crítica Nise da Silveira: "o poeta Jorge de Lima, na primeira fase de sua produção poética, fala-nos de coisas conhecidas que o leitor prontamente apreende. A forma será o soneto, o alexandrino, ou mesmo o verso livre, o pensamento, porém, é de tipo discursivo. (...) Depois que adotou o verso livre, a poesia despojou-se de procedimentos retóricos, tornou-se íntima. Os temas preferidos são cenas da infância do poeta e motivos regionais. A poesia é sempre de alta qualidade.".