Sosigenes Costa

Sosigenes Costa
Sosígenes Marinho Costa foi um poeta, jornalista e professor brasileiro. Participou da Academia dos Rebeldes, grupo literário modernista liderado pelo jornalista e escritor baiano Pinheiro Viégas (1865-1937).
Jabuti
Nasceu a 11 Novembro 1901 (Belmonte BA)
Morreu em 05 Novembro 1968 (Rio de Janeiro)
Comentários
Sosígenes Costa (Belmonte BA, 1901 - Rio de Janeiro RJ, 1968) estreou na imprensa por volta de 1928, em Ilhéus BA, onde foi colaborador do Diário da Tarde. No mesmo ano tornou-se membro da Academia dos Rebeldes, com Pinheiro Viegas, Jorge Amado, Edison Carneiro e Dias da Costa. Na época, trabalhava como professor de instrução primária. No início da década de 1950 foi secretário da Associação Comercial e telegrafista do Departamento de Correios e Telégrafos, em Ilhéus. Em 1959 ocorreu a publicação de seu livro Obra Poética, pelo qual recebeu o Prêmio Jabuti de Poesia, em 1960. Entre 1978 e 1979 foram publicadas a segunda edição, revista e aumentada, de Obra Poética e a póstuma Iararana, por iniciativa de José Paulo Paes. A poesia de Sosígenes Costa vincula-se à segunda geração do Modernismo. Segundo o crítico José Paulo Paes, "a ter como certas as datas de composição das peças enfeixadas na primeira parte da Obra Poética, quando ainda andava acesa a campanha dos modernistas contra o soneto em prol da institucionalização do verso livre, entretinha-se o poeta a escrever seus 'Sonetos Pavônicos', todos rigorosamente rimados e metrificados, nos quais são perceptíveis traços parnasianos e, sobretudo, simbolistas, ainda que tais sonetos nada tenham de passadistas, caracterizando-se antes por uma modernidade que se patenteia, como a de Quintana, na exploração criativa das possibilidades expressionais dessa forma fixa, então esclerosada pela prática mecânica e abusiva.".
Sosígenes Costa foi um poeta brasileiro, nascido em Belmonte, Bahia, a 11 de novembro de 1901. Teve  parte de seu trabalho reunido no volume Obra Poética (1959), mas foram os esforços críticos de José Paulo Paes que trouxeram maior atenção ao trabalho do poeta baiano, quando, em 1978, Paes passa a trabalhar com a obra do poeta. O longo poema Iararana, escrito em 1933, seria editado em 1979, com ilustrações de Aldemir Martins. Em 2001, a sua produção poética foi reunida num volume único, Poesia Completa, publicado pelo Conselho Estadual de Cultura da Bahia. Sosígenes Costa morreu no Rio de Janeiro, a 5 de novembro de 1968.
 
Foi contemporâneo de poetas brasileiros como Carlos Drummond de Andrade, Murilo Mendes, Henriqueta Lisboa e Cecília Meireles, trazendo algo muito seu à poesia da geração.
 
 Ainda preciso dedicar maior atenção à sua obra, mas intuo haver em Sosígenes Costa uma poesia singular, em que vários aspectos do Modernismo brasileiro parecem encontrar um luminoso ponto de equilíbrio. De passagem pela Baía de Todos-os-Santos, quis prestar esta homenagem a um poeta brasileiro por quem nutro um interesse que vem desde a leitura de textos críticos de José Paulo Paes sobre o autor e a descoberta de alguns poucos poemas disponíveis na Rede. Parece-me um poeta de um coisismo particular, numa linguagem marcada por sua localidade, como no mineiro Dantas Motta, poetas que, ao lado de outros – como o pernambucano Joaquim Cardozo, o paulista Orlando Parolini, as mineiras Henriqueta Lisboa e Maria Ângela Alvim, ou o paraense Max Martins – precisam ser re/lidos e voltar (ou passar) a circular, permitindo-nos enriquecer nossa visão sobre a poesia brasileira moderna.
 
 
 --- Ricardo Domeneck