O TAPETE DE DEUS


A natureza é um manto costurado pelas mãos de Deus, para enfeitar o jardim da criação.
O Homem, (também criado por Deus), seria a peça chave designado para CUIDAR e proteger com toda sua dedicação, a esse vasto tapete ornado de cores tantas em sua vegetação sublime, onde várias vidas por aqui habitada.
Fauna e flora, rios e cachoeiras abundantes riquezas minerais, vegetais e o animal do homem, nao entendeu que ele estava ali para cuidar de Tudo, e principalmente dos outros animais, estes chamados de irracionais.
Mas o homem, movido pela desobediência e ambição percebeu que desmaiando a mata e matando os animais, tornar-se-ia rico, abastado e poderoso.
Deus? NAO! Deus nao faria mais parte das suas ações, e nao seria mais necessário obedece-lo.
Assim, com o avanço do tempo, foram sumindo árvores frondosas, pássaros raros, rios e cachoeiras conheceram o mercúrio com o poder das bombas que rasgavam a terra e nos leitos dos rios procuravam pedras que brilhassem, e que muito valor tivesse no mercado.
Brancos arrogantes, faziam fortunas no mercado negro.
Negro, porque negro se eram os brancos que de forma desumana tingia de várias cores o jardim que Deus plantara e a este entregara sob recomendações de cuidados?

Araucárias, jequitibás, sucupiras, mognos, Cedros, aroeira, até onde a Lei (amparada numa justiça que se diz cega) ajudou destruir tantas madeiras de lei?
De quem é a terra? De Deus e dos bichos, mas o homem aprendeu fazer arame, cercou o quanto quis, queimou o resto, e tem por seu o que nunca lhe pertenceu.
DEUS? NÃO! No mundo quase destruido pelo homem, eles dizem que o Criador de tudo, nao é mais dono de nada.
Assim pensam eles. Deixe-mo-los que assim pensem, pois hão de prestar contas de tudo e por tudo, no momento que se fizer necessário.
Mas isso, só o dono de todo esse tapete, saberá agir no justo momento, onde nao mais cairá em vão uma árvore e nenhuma vida mais será ceifada.

Carlos Silva..
2 Carlos Silva

UMA TROPA, MUITAS SAUDADES

Justino, Ezequiel Melchiades encilhem as mulas verifiquem as ferraduras, os arreios e as caixas.

A jornada será longa até atravessarmos o rio, aproveitando que as chuvas nao vieram se não, seria impossível seguir viagem.

Assim, dizia o experiente Zaqueu Ferraz com mais de 40 anos de experiência tocando tropas nesses sertões de grandes segredos.
Os mantimentos eram conduzidos por um burro que só carregava as provisões.
Uma manta de carne do sol, toucinho defumado, rapadura, farinha, banha de porco, produtos para limpeza, querosene, um galão com aguardente pra temperar a guela e afastar a secura do pó da estrada.

O responsável pela guarda conservação e preparo das refeições, cabia ao velho Tião. SEBASTIAO HIPOLITO FERRAZ. Primo do velho Zaqueu.

O Nego Tião (como era chamado pelos companheiros) tinha os dons de ser poeta, Violeiro, cantador e bom de versos rimados, que animava os seus leais amigos de tropa.

Foi ele inclusive, quem deu um nome pro grupo: TROPEIROS DO VELHO FERRAZ.

As currutelas já conheciam o grupo, devido as cantorias do animado Tião, que fazendo uso de um berrante dos tempos que participava das comitivas la pras bandas de Miranda no Matogrosso do sul, sempre trazia como peça indispensável e muito importante nas jornadas percorridas. Ezequiel, vez em quando perguntava so pra ver o delirio melodioso da resposta: Nego Tião. -Diga Ezequié!

O que é que um grupo de tropeiros tem a ver com berrante Tiao? Ele soltava uma sonora gaitada e depois dizia com os olhos brilhando de intensa alegria como se revivendo um passado que lhe fora presenteado com tanto carinho: NADA! É só pra matar a saudade e fazer meu coração sorrir mais feliz.

Ao dizer isso, repetia a sonoridade soprante fazendo do seu choroso berrante, uma gaita pra todos ouvirem e saber que o bom Tião e o grupo TROPEIROS DO VELHO FERRAZ, estavam por ali rompendo campinas e desbravando os sertões numa lida secular, no verdadeiro ofício dos tropeiros, grandes contribuintes para o progresso do nosso brasil, mas que hoje (para a tristeza de muitos) já não existem mais.
Em cada currutela daquelas cercanias, existem placas que marcaram essa atividade comercial de esplendoroso valor, guardando em cada vereda, imortais lembrancas de um tempo feliz.

Tem uma que diz:

OS TROPEIROS DO VELHO FERRAZ, UM DIA POUSARAM AQUI.
Noutra mais adiante pode ser lido: O BERRANTE DO NEGO TIÃO, AINDA ECOA NOS SERTÕES E NOS NOSSOS CORAÇÕES.

Toca Nego Tiao, nesse vasto universo de sonhos, o teu berrante para que os anjos possam nos avisar que voce está em paz e dando suas gaitadas pra fazer do ceu, uma estrada de alegrias.
3 Carlos Silva

EMBALANDO UMA TARDE TRISTE

Toda tarde é triste. Por si só, ela (à tarde) traz um retrato diferente do que as outras fases do dia e nos força lembrar coisas tão nossas que nos sentimos meninos jogando bola, brincando de bolinha de gude, de pega pega. As peraltices na escola, a merenda, o recreio, as meninas de saias curtas de cor azul e de blusa ou camiseta branca com sapatos pretos, cabelos bem arrumados, cheirosas e convidativas ao galanteio, ao cortejo, ao interesse de namoro. Às vezes dava certo e noutras não.

Mas a infância ou a pré adolescência é algo mágico, pintado pela emoção dos momentos vividos e divididos de formas iguais, tipo assim, sem medo, sem culpa, e sem responsabilidade. A praça pequena da cidade pequena cercada de sonhos grandes, de gente grande e de passos lentos de todos em busca simplesmente do viver,

O cheiro de pão, ahh o cheiro de pão de forno a lenha se espalhava pela cidade, e quando ele invadia minhas narinas, eu já me preparava para ouvir a sonoridade tão doce (De onde estivesse) da voz da minha mãe me chamar para ir á padaria comprar o tão delicioso e sagrado pão da tarde.

Não, naquela época, eu não via à tarde triste, pois eu era jovem, corria, brincava, soltava pipa, tomava banho no tanque grande e chupava mangas no sitio de Dona Fia, que ainda dizia: Levem algumas para sua mãe.

A vida era assim, não se cobrava pelas frutas (mangas, bananas, Laranjas, goiabas) na comunidade, tudo era uma fartura. Milho, feijão, abobora batata, o povo tinha prazer em dizer: Leve para a comadre.

Hoje, movido pelo balanço da rede no meu quintal, posso (na minha imaginação) montar essas imagens e outras tantas que vivi, onde ser feliz, era uma obrigação cotidiana e o preço, a pagar, era a satisfação de ser o que éramos sem precisar ser o que querem que sejamos.
As cobranças cresceram comigo e hoje sou o que meu pai foi: Um pai zeloso e preocupado se o dinheiro que tenho no bolso dará para comprar meia dúzia de pães de forno elétrico, com massa preparada com tanta química que deixa o pão inchado por fora e oco por dentro, igual cabeça de muitos Homens do poder.

Meu riso nem sempre é como um dia fora. Meus pensamentos cresceram junto comigo a ponto de sentir medo de saber de fato o que sou o que quero, ou para onde vou depois que terminar esses meus pensares no balanço dessa rede de ranger triste, com seus tornos cansados do oficio de embalar corpos. Não poderei levar a rede comigo e nem tampouco ficar a mercê das minhas lembranças que me enchem de vontade de voltar a pagina da minha historia e voltar a correr livre e solto, preso apenas nos devaneios e nas vontades de menino travesso criado numa comunidade pequena cheia de gente grande.
Eu tenho saudades do passado. Gostaria de voltar lá, e tentar mudar alguma coisa que me fez fazer algo errado no hoje que vivo. Não, isso não é possível, daqui não dá pra voltar, somente mesmo nas minhas lembranças sopradas pela nevoa desse recordar tão melancólico que chego a querer chorar como se fosse possível voltar a ouvir o grito suave da minha mãe a me chamar para comprar o pão. Não... Não... Nunca mais a ouvirei, pois a sua voz fora enterrada junto com ela em 1998. Mas ainda posso discernir de outros chamamentos, a sua sonoridade, seu riso doce de mãe protetora, de mulher que gosta do filho, de amizade que nunca o tempo poderá apagar da minha mente cada momento com ela vivido.

Meus amigos...

Onde estão meus amigos? Como eu, também cresceram e conheceram outros rumos. Alguns destes, eu não os vejo a mais de 40 ou 45 anos, outros, fiquei sabendo que já não habitam nesse plano terrestre. Mas as amizades, as amizades daqueles com quem me encontro hoje, já não tem o mesmo sabor, a mesma confiança, a mesma alegria, o mesmo riso, o mesmo companheirismo.

Muitos se tornaram fechados como se tivessem colocado cadeados nas nossas fases vividas. Outros viraram comerciantes e agem como se tudo fosse uma questão de cifras e de valores financeiros e me cobram porque não sou um HOMEM ESTABELECIDO.

Poucos destes, que comigo andavam, brincavam e dividiam sua meninice, nem me convidam para ir às suas casas tomar um café, ver uma foto antiga, sentar com seus filhos para fazer uma resenha desse nosso passado que em mim está tão presente.

Daqueles amigos, restaram poucos, pois suas mãos se distanciaram tanto, que as nossas não se tocam mais,

Por vezes insisto em voltar a vê-los, mas não há uma reciprocidade, um carinho, uma preocupação e isso vão inevitavelmente, nos afastando e eu sentindo esse afastamento como rejeição. E, se eu ainda insisto, é porque de fato eu queria ter de volta aquele amigo que AS COISAS DO TEMPO, o levaram para longe de nós. Os valores gritaram mais alto que os sorrisos e as conversas hoje, são apenas por obrigação de cumprimentos formais sem ter ao certo o que dizer tal abrupto e inaceitável afastamento que hoje nos separa feitos muros de nossa própria (e plantada por nos mesmos) ignorância.

Prefiro tê-los guardados na minha imaginação, onde podíamos sorrir e brincar achando que a vida jamais acabaria. Ela não acaba quando morrermos, mas sim quando não nos permitimos mais sermos os amigos que um dia fomos.

Subitamente a rede parou, ouço alguns passarinhos orquestrando em silvos breves o cântico do entardecer, e isso me faz despertar dessa viagem de sonhos acordado, onde posso até ver que as imagens vão sumindo e a realidade da tarde triste vem ao meu encontro. Mas, na insistência de guardar tanta lembrança com um sorriso largo, ainda trago esses mesmos sorrisos dos meus amigos, as cores da minha infância, o cheiro de pão no forno a lenha, e as mais belas formas tristes de sentir saudades de um tempo que jamais tornarei viver. Se eu morresse agora, muito triste eu morreria,





F I M










5 Carlos Silva

Minha vida virtual

Minha vida virtual
Carlos Silva

Na base do “Control C”
Eu vivo a copiar
Já não sei me expressar
Vou colar no “Control V”
Eu sou franco a você
Que isso me compromete
Mas aos outros não compete
Se estou certo ou errado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da Internet

São dois esses ou é C cedilha?
Eu não sei mais escrever
Vou ter que reaprender
Reestudar a cartilha
No Excel minha planilha
A soma me compromete
Meu PC deu um Reset
Deu erro no resultado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da internet

Cebola salsa seringa
Passeio passo passado
Maço macio amassado
Marrenta marreta moringa
Resto restinho e restinga
Tesouro testa tiete
Caniço coçar canivete
Pra escrever tenha cuidado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da internet

Açougue açude aguada
Peço no preço desconto
Tontice é coisa de tonto
Um torto torando a tourada
Apressa passando a passada
O teclado tecendo compete
O dedo passeia e remete
Tentando novo aprendizado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da internet

Com X ou com CH
Enxoval encher enxada
Desfechar porta fechada
Sendo aqui ou acolá
Pra li pra lá ou pra cá
Verbo averbado ou verbete
Paz faisão ou toilete
O tema é complicado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da internet

Exceto ou exceção
Espoleta e excremento
Esmeralda experimento
Espaço estrondo explosão
Enxada enxofre expropriação
Entorse entorta intromete
Exploração ou omelete
Cada palavra um dobrado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da internet

Eu uso abreviaturas
Para me comunicar
BLZ pra confirmar
Mudo as nomenclaturas
Desrespeito estruturas
Onde a leitura compromete
Pois a mim já não compete
Viver desinformatizado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da internet

O linguajar atual
Perdeu de vez o sentido
Eu deixei de ser sabido
Por tanto erro virtual
Mouse e teclado são um mal
Que o nosso viver acomete
Quem não souber não compete
Fica fora do mercado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da internet

Já escrevem sem acento
Não fazem pontuação
A gramaticalização
Não ensina a contento
O pobre do elemento
Tanto erro já comete
Na vida leva bufete
Torna-se ignorado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da internet

A minha memoria RAM
Virou sapo de lagoa
Pronuncia ficou atoa
Acordo pela manhã
Juízo meio tantan
Já gritei pra Risonete
Quer me deletar delete
Mas não vou ficar calado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da internet

Shift Wake Power Sleep
Page up Page down
No teclado é normal
Parece língua de hippie
Ou cabra que pega gripe
Quando a friagem acomete
E a palavra se repete
Torto e desaprumado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da internet

Vou encerrar o meu texto
Sem muita abreviação
Isso já nem cabe não
Fica fora do contexto
Eu invento um pretexto
Chega o juízo derrete
Invento um novo verbete
Pra não ficar isolado
Voltei a ser um desletrado
Por conta da internet.
6 Carlos Silva

O COGUMELO DA MORTE



As bombas deixaram marcas. Não só na terra que absorveram o impacto, não só na vegetação que foi toda queimada e destruída, não só nos mares que face a sua irradiação matou milhares de espécies, que em paz por ali viviam a cultuar sua liberdade nadando inocentes sem praticar mal algum.
Não só as gravidas que interrompendo seus partos, morreram com suas crias em seus ventres já prestes a dar à luz mas que assinaram uma sentença de morte sem ter direito a defesa.
Nem caberia aqui falar dos animais terrestres que sofreram a devastada agressão ferindo-os de morte e mutilações sendo pois, obrigados a serem sacrificados para aliviar as dores causadas pela explosão.
As marcas maiores, ficaram, naqueles que autorizaram que o pavio atômico fosse aceso e acionasse o artefato assassino que ceifou de 90 a 166 mil pessoas em Hiroshima e de 60 a 80 mil seres humanos em Nagasaki.
Conforme relatos históricos, cerca de metade das mortes ocorreram nos ataques do primeiro dia.
Viver com essas marcas é futucar feridas incicatrizáveis.
UM GAROTINHO e um HOMEM GORDO provocaram o cogumelo da maldade, que por mais que tentem toda uma humanidade jamais será esquecido. Um LITTLE BOY, apenas um LITTLE BOY fez tanto estrago em Hiroshima, e um FAT MAN, concluía sua brutalidade arremessando-se entre crianças, velhos bichos, plantas, plantações e animais, sem a menor piedade, e sem medir tamanha destruição que causaria a um povo que se hoje estivesse vivo, estaria como eu, estudando, plantando, colhendo, fazendo artes, criando seus filhos e netos e ensinando os aprendizados da sabedoria para um existir mais irmanado banhado (AO INVÉS DE ÓDIO) de amor, fraternidade união e igualdade entre os povos.
A primeira arma nuclear a ser detonada no mundo, foi a BOMBA TRINITY, isso aconteceu em 16 de agosto de 1945.
Desses 75 nos passados, o que somamos para o nosso viver atual?
Num oceano PACIFICO, tivemos o espetáculo de uma terrível guerra.Deveriam até(Pelo ocorrido) ter mudado o nome das águas, já que não mudariam jamais o estrago que fizeram por conta do poder.
Condenamos tanto as ações de Hitler, sendo que de alguma forma chegamos a imita-lo em gestos e fazeres destrutivos. O PROJETO MANHATTAN doerá por muitos anos nas mentes, nas lembranças e nas heranças dos seus executores, que ao receber a voz de comando, acionaram o gatilho destrutivo, com ou sem os seus consentimentos.
Mas já se passaram tanto tempo, o perdão já foi concedido, as mãos foram apertadas e o passado negro, já não existe mais. Esquecer? só esquece uma surra aquele que aplica. Quem a recebe, memoriza cada momento da execução sentida no corpo. O poeta Paulo Eiró, para definir a raça humana e os seus desmandos através do poder do mandar, disse um dia: “O HOMEM SONHA MONUMENTOS E SÓ RUINAS SEMEIA”.
Estaríamos nós SERES ditos tão HUMANOS a reconciliarmo-nos com nossos corações e apagar de vez a sangrenta página da nossa história, se desde o começo de tudo, só aprendemos a brigar?
Qual a melhor reflexo que o espelho da nossa consciência fará com que vejamos sem sentir o menor instante de remorso por algo que fizemos e que a tantos prejudicou ao longo desse nosso caminhar?
Que outras bombas se calem, e que os estampidos não mais ecoem dilacerando tantas vidas inocentes.
10 Carlos Silva

LEVITANDO JUNTO AO MAR

Feito sopro raivoso de vento no mar, cá estou eu revolto em meus pensamentos, como se a brisa densa da primavera tangesse meus sonhos e deixassem que meus pés toquem e sintam a sensibilidade dos meus passos, próximo a beira da praia.
O vento insiste em brincar comigo, e sopra mais forte, as ondas estalam por sobre a areia em busca dos meus pés.
E ao encontra-los, beija com espumas a planta desses pés carregados de estradas sopradas por tantos ventos.
Ouvir o vento, sentir a areia, deixar o mar vir ao encontro dos meus pés, é tudo cronometrado por uma orquestra invisível, mas que trás a sonoridade desse sopro tão forte.
Meus ouvidos captam esse som e eu me divirto de olhos fechados, mas de mente, ouvido, coração e braços abertos para receber esses carinhos.
Agora, sinto a calmaria, e o furor do vento, tornou-se brisa suave, harmoniosa e leve.
As ondas, cumprindo o seu trajeto no seu vai e vem, ainda brincam com os meus pés, que não fazem a menor questão de afastar-se dali.
É uma recompensa relaxante dada pela natureza. Olho pro céu, estendo um sorriso pro alto, agradecendo por estar ali sendo agraciado por aquele instante e sinto que o vento atende essa minha gratidão, pois de leve, sopra-me o rosto e eu ainda com os olhos fechados, imaginando como se (tal qual o vento) também pudesse flutuar na maciez de tão bela leveza rumo ao infinito de paz .
Vejo o horizonte e sei que não é o fim do mar, pois além desse horizonte, outros tantos horizontes existem para proteger os oceanos que nos fazem viajar em sonhos náuticos, juntando pedaços de imaginação como se fosse uma colcha de retalhos de sonhos e desejos.
A mente humana vaga, voa leve sem precisar distanciar o corpo, daquele mesmo lugar onde agora estou.
Dou asas ao meu imaginar, e por elas sou conduzido a flutuar tendo um fundo um som de piano, em notas tão doces, que fazem-me ouvir as gaivotas entoar o seu canto a plainar por sobre a beleza infinita daquele mar que agora me serve de inspiração.
Vida, vida que banha, que sopra,que trás canções imaginárias, faz-me em ti também flutuar ao som das gaivotas, do piano, de ventos, das ondas desse maravilhoso e tão sagrado mar de sonhos tantos.
Paz para o meu espirito levitando sobre o mar.

Carlos Silva.
30 de Outubro de 2020.
13 Carlos Silva

SOU MULHER, QUERO RESPEITO


--------------

I
Sou companheira e guerreira
Carrego a força no peito
Se pintar dificuldades
Eu logo dou o meu jeito
Sou importante no universo
Sou mulher, quero respeito!

II
Nasci pra seguir a vida
Pra conquistar tenho conceito
Nem pense me maltratar
Pois isso não é direito
Venho aqui pra afirmar:
Sou mulher, quero respeito!

III
Eu não sou um objeto
Fui feita por Deus perfeito
Para auxiliar o Homem
O jardim da vida enfeito
Mas quero lhe alertar
Sou mulher, quero respeito!

IV
Trate-me com amor e carinho
Perdoe meu erro já feito
Sou humana igual você
Tenho acerto e defeito
Mas acima de tudo eu,
Sou mulher, quero respeito!

V
Eu sou Maria Quitéria
Maria bonita com jeito
Faceira bela e amiga
Sou tua amiga do peito
Me toque, sinta, mas saiba
Sou mulher, quero respeito!

VI
Sou livre quando levanto
Sou leve quando me deito
Uma prenda um agrado
De coração eu aceito
Trate-me como se deve
Sou mulher, quero respeito!

VII
Transformo lágrima em sorriso
Da luz que brota em meu leito
Eu não faço distinção
Abomino o preconceito
Sou vida em continuidade
Sou mulher, quero respeito!

VIII
Sou muito desconfiada
E a todo instante eu espreito
Pra não ser surpreendida
E ter meu sonho desfeito
Vou logo reafirmando:
Sou mulher, quero respeito!

IX
Não venha passar a mão
Veja o seu lugar sujeito
Não sou pacote de embrulho
Não queira tirar proveito
Sou fera se precisar
Sou mulher, quero respeito!

X
A mulher é especial
Em caminho largo ou estreito
Uma estrada que reluz
Por tão belo andar refeito
Acho certo quando diz:
Sou mulher, quero respeito!

XI
Minha solidariedade
Tomo posse e não rejeito
Essa campanha é rica
Grite e exija o seu direito
Vá dizendo ao mundo inteiro:
Sou mulher, quero respeito!

XII
Ser belo e tão gracioso
Acho bom e me deleito
Dentro deste me entrego
O seu bailado eu aceito
E racionalmente diz
Sou mulher, quero respeito!

XIII
Sou a cara da labuta
Quando acordo e quando deito
Sou caprichosa e felina
Sou a rainha do leito
Mas é bom que você saiba
Sou mulher, quero respeito!

XIV
Mas se alguma prenda me der
Com carinho eu aceito
Gosto de ser bem tratada
Um agrado não rejeito
Mas afirmo a todo instante,
Sou mulher, quero respeito!

XV
Respeite meu pensamento
Respeite o meu fino jeito
Respeite também meu corpo
Meu sorriso e meu trejeito
Não avance o sinal
Sou mulher, quero respeito!

XVI
Sou aquela que amamenta
Essa missão não rejeito
Sou a escolha de Deus
E o Seu pensar é perfeito
Sou companheira ideal
Sou mulher, quero respeito!

XVII
Eu sou o fruto da vida
Num processo tão perfeito
Deus quando fez a mulher
Fez um ser belo e bem feito
Por isso entenda que eu,
Sou mulher, quero respeito!

XVII
Companheira de Adão
Num viver largo e estreito
A tal desobediência
Sei que foi um desrespeito
Mas não venha me condenar
Sou mulher, quero respeito!

XVIII
A Virgem e Santa mãe
Com São José satisfeito
Criaram o seu filho amado
O amor de Deus é perfeito
Me orgulho em esclarecer
Sou mulher, quero respeito!

XIX
Se não fosse a Mulher
O mundo não era imperfeito
O inimigo de Deus
Ficaria satisfeito
E até pra ele eu digo
Sou mulher, quero respeito!

XX
A campanha que se faz
Elaborada com jeito
É pra mostrar ao país
Que também tenho direito
Em dizer ao mundo inteiro
Sou mulher, quero respeito!

XXI
Eu não sou um objeto
Então me trate direito
Se não a MARIA DA PENHA
Vai lhe caçar, seu sujeito,
E você aprenderá que
Sou mulher, quero respeito!

XXII
Ofereça-me carinho
E um belo amor perfeito
Que darei tudo de mim
Com ternura e muito jeito
Mas não se esqueça nunca
Sou mulher, quero respeito!

XXIII
Vamos brindar nossa vida
Com paixão em nosso leito
Andar sempre de mão dada
Formando um par perfeito
Você me ouvirá dizer:
Sou mulher, quero respeito!

XXIV
Sou mãe fiel companheira
Sou sonho, causa e efeito
Sou riso na dor pra vida
Meu santo oficio não rejeito
Sou o multiplicar do viver
Sou Mulher, quero respeito!

XXV
O meu corpo não é seu
Meu par tem que ser eleito
Eu gosto de muito carinho
Pois tudo faço bem feito
Ponha-se no seu lugar
Sou Mulher quero respeito

XXVI
Por aqui eu me despeço
Num frasear escorreito
Agradecendo a todos
Com amor e a paz no peito
O nome do cordel é:
Sou mulher, quero respeito!


Carlos Silva – Poeta cantador, Mestre de Cultura Popular, pelo edital Leandro Gomes de Barros, 2017. e Selma do coco 2018.
Ex membro titular do Conselho Estadual de Cultura da Bahia, tem quatro CDs gravados, 60 livretos de cordéis lançados e mais 30, aguardando lançamentos futuros. Musico compositor é violonista e baterista. O poeta é nascido em São Paulo, e fora criado entre as cidades de Itamira, município de Aporá


(75) 99838-5777
E-mail - cscantador@gmail.com
14 Carlos Silva

QUANDO MORRE UM POETA. (Partículas de poesias)

Quando morre um poeta, apaga-se no luzeiro, ou no forro do alto infinito a luz da palavra, a frase do dizer, e o sentimento mais nobre de uma inspiração recebida e doada.
Quando morre um poeta, o céu sorri, pois sabe que ali abriu espaço para receber mais uma estrela que veio da terra para encantar a imensidão do céu.
Suas palavras estarão ligadas entre terra e firmamento, pois não serão esquecidas e sempre haverá alguém declamando ou cantando as obras que um poeta na terra deixou.
Todo artista da palavra é um anjo que unindo aos outros segmentos artísticos, formam constelações de saberes.
Palavras são sementes, versos são fertilizantes e poesias são os frutos de uma seara fecunda que jamais se acabará, pois fora ali lançada pela voz e pelo coração de um poeta.

Quando morre um poeta, a gente declama, canta em seu velório, mesmo sabendo que o seu espirito não mais está ali para ouvir tantas homenagens a este prestada.

Mas, em nossos corações, é como se ele estivesse sim, presente, pois a sua arte o trará sempre para o convívio de todos nós, mesmo que seja para lhe dar o ultimo adeus.
Quando morre um poeta, a poesia chora, os corações tremem e a saudade machuca tanto que a primeira coisa que a gente faz após passar o momento de despedida, é mais uma poesia brotada de outros tantos corações que jamais permitirá que ela morra de vez.

Por isso, é que chamam poetas de imortais, pois estes, de fato, nunca morrem.





Carlos Silva – Um Artista da palavra.

15 Carlos Silva

UMA CRÔNICA COM REQUINTES DE SAUDADES

O tempo age em nossas vidas, como um guardião, um protetor invisível, um acolhedor, um corretor de nossas atitudes, um memorizador das nossas ações que nos tornam pessoas que com o passar dos anos, começa sentir saudades de tudo aquilo que a sua mente ainda armazena e traz a tona de um recordar. Por mais distante que tenha sido o ocorrido, a mente sempre armazena, as melhores lembranças das nossas vidas.

Assim, sentado num banco da solidão e bebendo as gotas do meu passado insistente em me fazer recordar, fiz uma mente regresso e comecei viajar nessas andanças do meu cérebro que ainda guarda momentos que forçosamente tenta extrair e exteriorizar, para que eu possa transcrever cada partícula de tempo em que vou recordando.

Saudade bate, coração pulsa, alma sente, e a vida me cobra um proceder como se criança eu ainda fosse, ao ver tantas crianças ainda por mim passar, com a leveza desses infanto recordar que hoje mima o meu ser de gente grande almejando ser “minino de calças curtas” a perambular pela vila com os olhares juvenis onde era proibido não ser, não fazer e não se sentir feliz.

Talvez, você nunca em sua vida, tenha ouvido falar da Serra. Da Serra do Aporá, que fica perto de Cajueiro, (Acajutiba) de Barracão, (Rio Real), Mocambo ou Novolinda, (Olindina) da Natuba (Nova Soure) de Sobrado (Aporá) De Dendê, Bomfim, Vila Rica (Crisopolis). Não! Jamais eu poderia condena-lo por isso, afinal, nossos topônimos talvez estejam muito distantes dos teus. Mas saiba que foi por aqui, nessas imediações entre litorais e sertões que eu fui criado e tido como gente vivente para desbravar essas terras. Oriundo sou de outro local onde por lá deixei enterrado meu umbigo como uma identidade, um pertencimento e uma forma de me achar inserido nalgum canto desse imenso país. Talvez, isso nem implique mais em identificar-me lá onde meu umbigo um dia foi enterrado, pois foi daqui que comecei meu primeiro contato com o povo que passou ser meu povo, com a gente que passou a ser a minha gente, e que por este aceito fui e por isso identifico-me até com o seu modo de falar e de fazer a vida ter sentido nesse viver alucinado em busca dos sonhos que nunca se perdem pelo andar desse mundo tão complexo e cheio de descobertas, lembranças, prazeres duvidas, sonhos e até decepções. Na complexidade desse meu discurso em busca de mim mesmo, é que me apresento para que entendam que eu também tive quimeras que hoje as lembranças tangem o meu viver para esses mais remotos encantos da minha vida. Assim, passo a lhes convidar para conhecer um pouco dessa minha Serra, a Serra do Aporá que fica perto de todas as cidades acima citadas, para não ser redundante.

Por favor, queira por gentileza concentrar sua atenção em mais esta narrativa que lhes passo como uma reparação trazida nesse momento pelos deleites das minhas lembranças.

EITA, a idade chegou, o cansaço me veio e a fadiga me alcançou.

Sentado num banco de praça (perto de casa para não me afastar muito) vejo as crianças brincando numa gritaria exagerada como somente elas sabem e podem fazer. Sim, podem. Toda criança pode ter o direito de gritar, extravasar a meninice e ao seu modo ser feliz. Afinal, ser criança, é um curto tempo que passa ligeiro e em nós deixa saudades, ainda que vivamos 100 anos.

Avisto um dos meus netos correndo com seus coleguinhas, e outro que passa na minha frente e feliz grita pra chamar minha atenção: OLHA VOVÔ. Todo orgulhoso em pedalar sua bicicleta.

Meus olhos se enchem de saudades e numa fração de segundos, eu me lembro da bicicleta que papai comprou pra mim e da alegria que eu senti em poder dizer: Eu tenho a minha bicicleta que papai comprou pra mim.
Era pra ir pra escola, pra ir à venda comprar algo pra mamãe, pra dar um recado, pra chamar alguém para ajudar em casa e principalmente para fazer o que o meu neto está fazendo agora: PARA BRINCAR. Preencher o tempo de menino em meio a tantos gritos aproveitando aquela liberdade que só quem é (ou quem já foi) criança sabe o seu significado.

A vida passou, Itamira cresceu o açude que era imenso, diminuiu juntamente com o tanque grande. Quando a gente é criança tudo é grande. O pé da serra era imenso, a ladeira do João Luiz era enorme e atolava carros por lá quando chovia e os tanques transbordavam e as pessoas iam pescar e saiam carregando suas enfieiras de peixes.

Vou tentar Descrever um pouco do meu viver numa vila que me viu crescer, amparado nessa minha meninice ali vivida, mesmo sabendo que a mente, não vai obedecer alguns detalhes que o tempo apagou. Mas deixou alguns lampejos dessas lembranças onde agora passo a fazer a minha narrativa, ou o que sobrou de todo esse meu lembrar.

Existia a praça onde eu morava com minha família, seguindo reto chegávamos à casa de Manezinho e Dona Bemvina que era a mãe de Tinego. O comércio se dividia assim:
Tinha a pensão de Dona Amélia e de Dona Eduarda. A farmácia de Terezinha de Pasquinho, O bar de Manoel de Juca, o Departamento de Correios e Telégrafos (D.C.T) onde minha mãe trabalhava, tinha a loja Santos de Olímpio e o armazém de Guilherme Chaves, (ambos da cidade de Olindina). A loja de Jaldo Mendes (De Inhambupe) as padarias de Seu Zé Batista/Seu Enoque e também a de Noel, a venda de Raimundo do gás, o comércio de Zé do Ouro, a venda de tio Joel, a tenda do Sr. Timóteo, e lá na saída da rua a tenda de “Seu Lalu” (o 10º Prefeito do município) o bar de “Seu” Rozi, a venda de João da Pedra (Pai de Dezinho) a venda de “Seu” Zé da jaqueira (Eram dois irmãos do Retiro), o Bar de Cabo Mário, a cachaçaria de Durval (Pai de Herbert) de Inhambupe, que até hoje mantém o comércio. Na esquina (onde hoje é de João papa, era a venda de Clovis Mendes Vasconcelos). Por ali também tinha o bar de Antônio Vieira (TONHO DE ZÉ VIDA TORTA), a loja de tecidos do Sr. Godofredo Mendes de Souza (O quarto Prefeito), O Sobrado do Finado Mauricio e Dona Julia. No bar que era de Manoel de Juca (Que antes era de Otoniel) foi instalado o primeiro supermercado de Itamira, cujo proprietário era o Daniel (da cidade de Inhambupe).

O beco do mercado (Que por uma insanidade ou falta de conhecimento cultural de preservação de um patrimônio derrubaram para construir uma instalação da prefeitura) que dava acesso, e ainda dá a praça da igreja, onde do lado esquerdo tinha as vendas de Dedézinho do pé da serra e a marcenaria do “Seu” Zé Biita casado com D. Alice do tijuco. No fim da rua (a esquerda) existia uma casa que abrigava a cisterna.

Subindo, sentido a saída para Aporá que hoje se chama Av. Coronel José Simões de Brito (Que até hoje nem sei quem foi, mas carece de um estudo sobre a vida do Homem que empresta o seu nome para uma das principais vias da cidade).

Tinha o armazém do Seu Neném de Pequeno (irmão de Pasquinho) a venda de João de Francisquinha, depois a casa de Paraguai, o comércio do Senhor Cosmo ai vinha à farmácia de Terezinha, - onde fora ali a recepção do casamento de Milton e Esmeralda- A casa de Nezinho de prazer e D. Amélia (Os pais de Zé Renato, ou Zé Tiliba), depois a do Senhor Agenor Mendes de Oliveira 8º Prefeito, (contando com a curta Gestão de Zezito Correia). Seguindo reto iriamos encontrar a casa de Chica Dantas, Tio Lucas, quase em frente à casa de Mané de Zé Santo e Dona Ana (Mãe de Mariazinha, Tais e Louro Som) e seguindo pelo lado esquerdo, a casa de Seu Zuminho e Dona Zefa. (RAPAZINHO DIREITO) era assim que ele chamava meu irmão Raimundo e eu.

E lá adiante a casa de Pedro Bueiro e Dona Martinha, e em seguida a casa e a tenda de ”Seu” Vicente Ferreira, Sinó e toda família, que eu os tinha E TENHO como parte de minha família também, em face de aproximação que tínhamos com eles e com os meninos.

A venda de Ulisses de Cosmo. E do lado esquerdo a casa de Dona Elisa e do lado direito, Dobrava-se ali na esquina que dava acesso a casa do Senhor Pionório, na tão conhecida Rua da Delegacia. Onde vi muitas perversidades acontecer naquela época, com os presos que eram levados para lá. (Por falar nisso, vale ressaltar os nomes dos soldados: Etevaldo, - que vivia maritalmente com Dona Santinha irmã de Tio Sé, e outro por nome Antônio Soldado, que me parece que era da região de Serrinha).
Seguindo até o final, dava acesso ao Caetano (Terras do “Seu” Suta, que posteriormente passa pertencer ao “Seu” Zelito de Celi) que seguindo ia sair lá adiante já perto onde hoje é a casa dos herdeiros do nosso querido ZÉ RIACHÃO – O BRASILEIRO. Dali, seguindo para a direita na bifurcação, ia pro campo de bola (O carecão), mas antes tinha a casa de Seu Mané Felix, passava em frente da casa do “Seu” ZE LAPADA, lá adiante era a casa de “Seu” Chiquinho curador, a casa de Tonho curador, Freboni, Manelinho, Geronisso, Badinho e a esquerda descia pro açude, passava pela casa do “Seu” Marciano, mais adiante, a casa de Domingo futuro, Pedro Cambueiro, “Seu” Bispo até chegar às aguadas.

Na saída da rua (Sentido Inhambupe) primeiro tinha o acesso ao cansa bode (e ainda tem que seguindo por ali vai pra várzea, chapada e por ai afora).

Seguindo pela direita: A casa de Zé Pedro de Negune, Nezinho da Várzea, Dona Vina, (Alguns ranchos de feira) D. Zélia e Mané Dantas. A rua acabava ali.

Mais a esquerda era a saída principal onde hoje é o posto medico (Ao lado da casa de Seu Nestor e Dona Anizia, Mãe de Neuman, Neumize e Neurandi, e mais adiante era o matadouro, onde nas imediações era a casa de Dona Julia (Mãe de Zé de Mauricio, Salvador e Aurélio). Foi ali na casa de Dona Julia, que eu vi chegar o caixão do Sr, Antônio de Mariana, que era proprietário de um caminhão e muito amigo do meu pai, o Sr. Otácilio (PARAIBA).

Lá em cima na saída pelo lado direito era a casa de Chico Surdo e em seguida A malhada de Dona Agda, a casa de Zé Vida Torta e D.Salvelina, E quase em frente, era(E AINDA É) a casa de Totonho e Dona Coité, vizinho de Fraterno e Honorata. Seguindo ainda pelo lado esquerdo, a casa de Dona Mariquinha, João de Pedro a casa da avó de Tizío (Esqueci o nome dela, que era também avó de um sujeito chamado Marivaldo) e o prédio escolar.

Existiam ali quatro entradas para o carrapato: A primeira onde hoje é a casa de Boquinha, a segunda a casa do Finado Teodoro Mendes a terceira após o Prédio, (Vizinho a Zé Caiçara e Dona Moça) em frente à matança de Zé Maia (Pai de Zé Pretinho) a quarta era depois da casa de Seu Zé Pereira, que após a entrada era a casa de Seu Pedrinho e em frente à casa de Seu Do Reis. Passando dessa casa vinha a morada de Bento e Zita (Que eram os pais de Teobaldo, Miudinho, Carminha e tinha uma outra que não recordo o nome). Logo em frente - Colado com seu Pedrinho - morava a finada Caetana e depois era a casa de Zé Maia e Dona Davina, e em seguida era a casa de D.Odete (que era vizinha de Januária de Vitoriano, pai de Marão) e quase em frente morava Pedro Sergipano com a professora Nenzinha e família.

Ao lado dele a roça de Manoel Dantas que ficava em frente à casa de Seu Lucas e Dona Nita, e em frente morava Seu Juca e Dona Zulmira, e ao lado deste, Seu Luiz e Dona Maria (que eram os pais de Dadá, Zé e Alice). A frente morava Dona Nicácia seus filhos e sua filha Izilda.

Ali no sitio residiam Jeronilson, Petu, Rui que foi casado com Amália, Antônio de Apolônio, o Pai de SEU NÉ, Ricardo, D.Raquel (Mãe de Zé) Seu Olímpio, Mané Coruja, Seu Davi (e sua grande família), os pais do finado Zelão, e Seu Amando e chegava às vendas, ali entrada da chapada.

Como não guardar na mente tantas lembranças que hoje mesmo estando grande ainda sinto-me pequeno demais, como se ainda coubesse o meu corpo no afago dessa terra que um dia me teve embalando em seus braços que eram tão meus, mas que o tempo (como um guardião, um protetor invisível, um acolhedor, um corretor de nossas atitudes, um memorizador das nossas ações que nos tornam pessoas que com o passar dos anos crescem) tirou-me de lá, mas nunca me afastou de fato daquele torrão que ainda AO MEU MODO, eu amo sem saber explicar como e nem por que. E, num suspiro de saudades eu afirmo em dizer que eu, sim, que eu sou da Serra, da mesma Serra do Aporá, da então Itamira que um dia hei de ver emancipada, onde hoje pra ela, dedico essas minhas memórias.

Fim... Mas sem nunca terminar, pois amor, nunca termina, aquilo que um dia a vida começou.

Carlos Silva - poeta cantador, Mestre de culturas populares e Itamirense de todo meu coração inspirado nas saudades tão minhas que divido com todos aqueles que entendem o que quero de fato dizer.

Com gratidão e muito afeto, Muito obrigado.

Contatos (75) 99838-5777
E-mail cscantador@gmail.com Instagran; Carlos_poetizado


17 Carlos Silva

BRASIL UMA NAÇÃO POLITIZADA.


O pré candidato ao pleito que orgulhosamente disputará nessas eleições, e para mostrar ao seu eleitorado a sua (Força política), exagera nos gastos com churrascos regados a cerveja e cachaça de tudo que é tipo, com a estupidez de muitos fogos de artifícios nessas ações  organizadas pelos coordenadores de sua campanha (COMO SE FOSSEM MERCADORES ANUNCIANDO A CHEGADA DOS SEUS PRODUTOS), aliás eu não entendo onde está a alegria ou a graça de soltar esses fogos que prejudicam a audição dos seres humanos e de animais, desrespeitando até mesmo os enfermos em postos de saúde que lutam pela sua recuperação num leito de alguns hospitais.(quando acham vagas)

E tem mais gastos:
Gasolina (a vontade, nos postos dos seus aliados, é claro) para carros e muitas motos contratadas ate mesmo de outras localidades, pois o importante mesmo, é fazer número para encher os olhos dos idiotas, e provocar barulhos infernais.ppr onde passam.

Essa FARRA ELEITOREIRA, Nem o ATUANTE T.R.E. consegue impedir a sua prática, por entender que é um ato legal e cívico para uma boa e saudável campanha eleitoral.

É exatamente aqui, e por aqui, (Nessas manifestações legalizadas) que começam os conchavos a variação cambial ou mercantilismo de oportunidades, devido aos apoios, e empréstimos bem consignados venha de onde vier.
injeção de quantias para se ACERTAR DEPOIS, serão sempre bem vindas.

Se eleito, onde estaria o dinheiro que viria para a saúde, educação, transporte, cultura (ESSA É SEMPRE LEGADA AO 3° ou 4° plano) esporte, infraestrutura etc etc etc.

O FPM e outros fundos da União ou do Estado, além das suas arrecadações municipais, não são suficientes para arcar com TANTA DESPESA QUE O POVO CAUSA NUM GESTOR.

O próprio gestor lamenta e se dirige aos órgãos de imprensa dizendo em seu discurso de desabafo em auto e bom tom:

" É lamentável a situação do nosso município é lamentávelmente uma das piores de toda regiao.
Vejam Senhoras e Senhores, público presente e famílias representadas.
Eita povo miserável que gera tanto custo num município.
São gastos absurdos para cuidar dessa cidade Quando não é com esse negócio de Educação, inventaram uma tal de cultura que só presta pra gastar com festas e coisas sem futuro.
E olhem que eu me esforço tanto, mas nem com as emendas parlamentares e nem com os precatórios ou empréstimos compulsórios ou suplementação orçamentária e nem mesmo utilizando fundos de reservas, eu tenho condições de entender como um povo gasta tanto".
Até professorzinho faz greve pra ensinar o Vê a BA. Ô povo que reclama de barriga cheia é essa classe de professor!


Os seus apoiadores puxam os aplausos e empolgam uma plateia minúscula.
Eles olham para o povo presente com cara MUITO FEIA para que esse mesmo povo (sem outra alternativa), também aplaudam o competente gestor, que até chora ao se pronunciar de forma tão eloquente para os seus munícipes.

Mas o Sr. Fulano é letrado, competente, ama nosso povo, é filho dessa terra e fará a melhor administração que essa cidade já viu acontecer.

Entra dia e sai dia, (Vem a análise dos 100 dias) semanas passam, meses passam totalizando os 1460 dias da sua gestão e lá vem ele de novo com as suas respectivas e tão praticáveis e costumeiras promessas, com a farra dos churrascos, cervejas, a gasolina, os fogos, os empréstimos, os APADRINHAMENTOS quem sabe até a sua nova gestao sendo reeleito, pois o povo (Além de IMBECILICA massa de manobra) tem a memória curta gerada ainda pelo efeito do álcool e das promessas da campanha anterior.

O que? Sim! Elegeu-se de novo.
Teremos mais 1460 dias, que somados totalizarão : 2920 dias de uma administração incomparável e totalmente incontestável.
E os desvios de verbas? Pergunta o nobre diarista *Joaquim do Futuro Incerto da Conceição de Souza*

Você prova? Revate Indagando *João da Esperança da Silva*, que sempre foi um fiel Cabo eleitoral do gestor, e que nada tinha no início, mas no final da honesta gestão do seu administrador, conseguiu acumular fortuna que não a teria com sua atividade de feirante, pois foi isso que fez em toda sua existência naquele pedaço de chão.

Conversa encerrada, vida que segue.
Pra onde?
Pergunte ao povo.


Nota do autor:
Nossa narrativa, é baseada numa visão fictícia, esclarecendo que todo fato aqui apresentado não tem ligação alguma com nenhum cidadão e se por acaso tiver, será pura e mera coincidência.


Carlos Silva
20 Carlos Silva

COMO DIZER, EU SOU DA BAHIA?


Sou da Bahia, desde os tempos em que França Teixeira e Marco Aurélio erram narradores esportivos. Desde que Agnaldo, André Mario Sergio, e Osni, eram jogadores do vitória e desde que Buttice, Onça, Amorim e Baiaco eram jogadores do Bahia, e desde a fundação do ATLÉTICO DE ALAGOINHAS – O CARCARÁ – E seu artilheiro DENDÊ.

Desde os tempos em que Madame Beatriz fazia suas previsões entre passado, presente e futuro, e Omar Cardoso falava o nosso horoscopo todas as manhãs. Sou da Bahia, desde os tempos do programa esportivo NO CAMPO DO 4, e do assustador programa: EU ACREDITO NO INCRIVEL. Sou da Bahia desde os tempos do RECREIO com TIA ARILMA.

Desde a bicicleta Monark Águia de ouro e dos Gostosos deliciosos os biscoitos Tupy. (CREME CRACKER CHOCOLATE LEITE, ALEGRIA DA GAROTADA, BISCOITOS TUPY, MELHORES EU NUNCA VI, EU NUNCA VI).

Desde os tempos das PILULAS DO NORTE (PARA TER MAIS APETITE, TOME PILULAS DO NORTE). E, também, desde o comercial de xarope que dizia: CUIDADO COM A GRIPE MAL CURADA PROTEJA O SEU PULMÃO, COM O XAROPE BRANDÃO.

Desde as Lojas, TIO CORREIA, INSINUANTE SADEL, MESBLA, J.TAKESHITA, OTICAS ERNESTO (ERNESTO MEU RAPAZ) E, só por curiosidade, eu não tive o PRAZER de subir ou descer a LADEIRA DA MONTANHA. Que pena.
Sou da Bahia desde que ZÉ GRILO e DONA CECÉU, comentavam sobre o NA POLICIA E NAS RUAS. Sou da Bahia, desde que eu debruçava meus ouvidos para curtir os comunicadores TONI CESAR, ou JOTA LUNA que com o seu programa deixava as tardes muito mais baianas.

Desde os tempos da CAPEMI, da CASA FORTE (Caderneta, de poupança casa forte vou abrir, meu dinheiro vai crescendo e amanhã posso sorrir casa forte é segurança Casa forte vou abrir). Desde o BANCO ECÔNOMICO, do NACIONAL, e do nosso BANEB.

Desde a JURUBEBA LEÃO DO NORTE (TEM GOSTO BOM DE BAHIA), da AGUARDENTE JACARÉ, (SE VOCÊ É BOM DE BICO E GOSTA DE TOMAR MÉ, BEBA A MELHOR CACHAÇA, AGUARDENTE JACARÉ) da BAIUCA, do SUCO MAGUARY e do refrigerante XODÓ DA BAHIA.

Eu sou da Bahia, desde que ao sair da capital para o interior (INHAMBUPE) eu embarcava no Ônibus LUXO SALVADOR, que depois passa ser VIAZUL, depois veio a CATUENSE, SANTA MARIA.

Sim, sou da Bahia, desde que essas minhas memórias, eternizam um viver de um passado tão doce, que trazem lembranças armazenada no meu cérebro, que volta e meia faz-me lembrar de tanta coisa bonita que só na Bahia vivi.

 

Carlos Silva – poeta, cantor e compositor, escritor de livretos de cordéis, pesquisador e Mestre de Culturas populares.

21 Carlos Silva

UM QUERER EM POESIA



Eu queria... sim eu queria!
Queria fazer uma poesia que furasse o oco do mundo, rompesse as locas de pedras, mergulhasse numa lagoa e se estufasse em busca de um rio, e só parasse de furar o bucho do mundo quando chegasse lá no ultimo mar de não sei onde.
Lá, ela acalmaria o cais de vários portos, enxugaria as lágrimas daquelas que amam os Homens vestidos de branco e que em troco de alguns trocados trocam suas experiências deitando-se em vários corpos.
A minha poesia entraria nas sinagogas e ensinava aos escribas falantes o verdadeiro amor que o poder de uma palavra tem, sem crucificar em nome de Cristo, uma humanidade que anseia por uma benção de paz.
Adentraria nas mansões e expulsaria de lá os vícios da soberba, da prepotência e da arrogância, convertida em práticas de luxurias. Invadiria prisões e libertava os guardas das suas obrigações carcerárias, onde eles por um gesto de irmandade soltariam todos os encarcerados escravos de uma pena maior do que a merecida, imposta por um juiz que nem a vida dele mesmo é tão justa que não mereça também um castigo punitivo pelos seus atos falhos no escrutínio dos seus aposentos.
A minha poesia sobrevoaria as igrejas e ensinaria aos padres, bispos, pastores freiras e papas, o real significado do PAI NOSSO QUE ESTÁS NO CÉU.
Assinaria (não com a rubra tinta do sangue de inocentes em campos de batalha, mas com o branco da paz), um tratado que amenizasse do mundo tudo a culpa ou a condenação por tudo aquilo que não condiz com o bom viver de um ser humano que guarda e professa a sua fé no Deus criador.
Depois ela voltaria para mim, em forma de risos, desenhados de linhos flutuantes em cores azuis, anunciando que a paz no mundo foi consolidada e que os homens de boa vontade agora só falam e cantam munidos de muito amor e paz em vossos corações.
Eu queria... sim eu queria! Eu queria que a minha poesia fosse o balsamo benigno que furasse de amor os corações de todas criaturas da terra... (de todos e de todas as criaturas da terra), até ver de perto como uma borboleta beija seu próprio casulo anunciando a chegada de mais uma vida para enfeitar o mundo de um colorido admirável.

Eu queria... sim eu queria! era só o que eu queria. Que a vida me provasse com amor, como é bonito rico e possível vencer e eliminar o ódio dos corações que foram manchados por coisas tão banais.
Carlos Silva.
22 Carlos Silva

UMA DATA PARA NAO ESQUECER

“UMA DATA PARA NÃO ESQUECER”

ALBERTO DE JESUS DOS SANTOS segue pela rua, noite fria de uma insistente garoa. Seus passos aumentam de acordo o ritmo dos pingos que agora tornam-se mais fortes. Estava ansioso para chegar em casa, pois era aniversário da sua filha Rebeca que estaria completando naquela data, naquela noite de garoa os seus 6 aninhos de vida. Ele aumenta os passos por vários motivos que impulsionam seu caminhar.
Eis que surge na mesma rua uma viatura de policia, que ao passar por Alberto, freia bruscamente e já lhe dá a voz autoritária: ENCOSTA NA PAREDE.
Bairro de classe média, todo mundo é suspeito, principalmente sendo negro, andando em passos apressados pela noite e com o tempo chuvoso, dava o tom característico (Na visão do policial) que se travava de um suspeito.
Ele tenta falar algo mas é interrompido. O policial desse de arma na mão e diz: Mandei encostar na parede seu preto safado.
Seria pela cor o emprego da elevação do tom de voz daquele funcionário público, que ao vestir uma farda e empunhar uma arma, agora tornava-se tão arrogante?.
Alberto obedece e já começa MANTER O CONTROLE DA SITUAÇÃO, pois sabia que naquele momento, sua pele estaria em plano de condenação por parte daquele policial.
O que você tem nessa mochila crioulo? Ele responde: É um bolo que estou levando para o aniversário da minha filha Senhor.
Bolo de aniversário? Tá chique em negão. Deixa eu ver, abra essa mochila. Alberto tenta fazer com cuidado para não amassar o bolo, mas o policial puxa com força e o bolo cai na calçada.
A Ira de Alberto se inflama, mas ele tenta não transparecer isso para não piorar a situação.
Sarcasticamente, o REPRESENTANTE DA LEI DIZ: - Que pena, negão, parece que não vai ter mais aniversário. Ele pisa no bolo enquanto pergunta ao indefeso contribuinte (que inclusive paga pela farda, pela viatura, pela gasolina, mas só não paga pela truculência desse despreparado policial) Você tem passagem pela polícia? Mostra os seus documentos negrinho.
Ele pede autorização para pegar sua carteira (lentamente) pois não queria fazer nenhum movimento para que o seu interlocutor não achasse que ele estava reagindo aquela abordagem.
O POLICIAL PEGA A CARTEIRA E ABRE LENTAMENTE PARA CONFERIR A DOCUMENTAÇÃO.
Usa a lanterna para melhor fazer a leitura, Um outro policial desse da viatura e pergunta: Tudo bem ai Sargento? Sim, está tudo bem. Só vou conferir os documentos desse crioulo. A gente bem que podia dar uma ciranda com ele né não?
Deixa esse preto ir embora, é só mais um vagabundo vagando pela rua.
Alberto continua imóvel e sem que eles percebam aciona o celular, como se fizesse uma comunicação em secreto.
O debochado policial rir e acha até interessante a ideia da CIRANDA.
Mas é aconselhado a apenas fazer a revista. Aquilo não era uma revista, era na verdade uma humilhação, pela qual o Sr. Alberto passava naquele momento

Ao analisar a documentação, o Sargento fica estarrecido, olha para a sua PRESA, ali imóvel á sua frente sem lhe dizer uma palavra sequer. Ele olha para o colega, e ao fazer a leitura, da identificação onde se lia:
“República Federativa do Brasil – Ministério da Defesa, EXERCITO BRASILEIRO (Serviço de Identificação do Exército)
Carteira de Identidade numero (xxxxx) Lei 3069 de 08 de Janeiro – e Lei 2136 de 29 de agosto de 1983
Nome ALBERTO DE JESUS DOS SANTOS
TENENTE CORONEL R1”.
Afasta-se , faz continência e começa pedir desculpas. Nisso um carro preto com 5 oficiais do Exercito, chega naquele exato momento, um helicóptero faz a varredura do local com possante holofote.
Eles rendem os policiais da viatura, e perguntam ao TENENTE CORONEL ALBERTO: Está tudo bem Senhor?
Sim. Quero que prendam esses marginais fardados imediatamente, comunique aos seus superiores que tratem da expulsão imediata da corporação e prisão desses mal servidores.
O Arrogante policial ia falar algo, mas o Tenente ordenou: CALE A SUA BOCA SEU IDIOTA. Eu tinha deixado o meu carro a poucos metros daqui porque tinha furado o pneu e a garoa foi aumentando e eu tive que aumentar os passos para chegar em casa quando você de forma irresponsável me fez perder o bolo de aniversário da minha filha.
Você terá tempo para pensar na merda que você fez, achando-se superior a outra pessoa por conta da sua pele.
As providencias foram tomadas, conduziram os policiais para a sua respectiva corporação onde foi lavrado o BO, onde os ocupantes da viatura tiveram suas prisões efetuadas para procedimentos futuros regido pela legislação.
Lição:
Não se olha, não se mede e nem tampouco se condena alguém pela cor, pelas vestes, pela aparência, pela forma de falar, de andar, de comer, ou pelo local onde mora, pelo partido que vota, pelo time que torce, pela cidade ou estado que vive. Cada cidadão tem o direito de ir e vir, pois este direito lhe é assegurado pela Constituição Nacional Brasileira , conforme art. 5º, XV, que prevê:
24 Carlos Silva

PELE PRETA

---------------------
Negro tens a pele preta,
Os teus ossos são branquinhos
e teu sangue é vermelho.
Só não enxerga,
quem não tem um lado humano,
onde a alma não reflete, sua imagem num espelho.

Negro tua liberdade,
não vem lá de um engenho
dos ditos canaviais
Vem da mãe Africa
pátria chão amada terra,
linhagem que não emperra, teus saberes naturais.

A cor da tua pele preta,
por espíritos destrutivos
aqui te castigou demais
Em louvação
Evocou os deuses de longe trazidos
Com as bençãos dos ancestrais.
----------------------

A MINHA (A SUA E A NOSSA) CONSCIÊNCIA É NEGRA.
---------------------------------------------------------------------

Não!
Eu não sou filho de navio negreiro, pois nem por ele e nem por seus senhores perversos fui convidado com cortesia para atravessar os mares. Fui tratado assim: Sem se importarem com as minhas crenças, nas terras onde eu era rei, onde haviam príncipes, princesas, súditos, onde entoávamos nossos cantos, fazíamos nossas oferendas e brincávamos felizes ensinando aos menores as nossas tradições, que como eles, aprendíamos desde cedo para termos um respeito e um contato maior com o criador do universo, da natureza, das estrelas, e de tudo que nossas crenças contemplavam em reverência ao Ser supremo.
NÃO! Não me deram a chance de lhes apresentar o que éramos lá no nosso continente, onde vivíamos para servir aqueles que de algum tipo de proteção careciam. Tiraram-nos das nossas terras sem nos apresentar e tampouco sem medir essas tais irmandades que tanto ouvi falar desde criança, e nenhum tipo de religiosidades, daquelas que dizem que unem os seres habitantes na terra através do amor ao próximo.
Eu fui arrancado do seio da minha tão adorada terra, e trazido como se bicho (eu e tantos outros corpos de almas já quase perdidas) fossemos.
Vi corpos dos meus irmãos ao mar lançados, como se nada fossem, por estarem fracos e doentes devidos aos maus tratos recebidos na travessia das águas que a cada instante, arremessavam-nos para outros horizontes, deixando em nós o rufar de uma saudade como se fosse um sagrado tambor a pulsar nos nossos corações.
Foram estes uteis aos peixes, pois desconheceram o sofrimento pelo quais passamos ao chegar em terra firme, numa terra estranha, de gente estranha, que media a sua desumanidade pela cor da nossa pele.
Expostos, feito mercadorias. Apalpavam-nos, abriam nossas bocas, examinavam os nossos corpos como se vissem em nós suas mulas humanas para um trabalho desumano. Vendidos em lotes, separados por compradores, víamos o que tínhamos como parentes e membros de nossa família, sendo levados já acorrentados sofrendo os maus tratos pelo corpo, já que o sofrer da alma, era bem maior que os castigos físicos que estariam por vir.
Não! Os verdes prados da minha terra não seriam mais avistados, pois deixamos para trás com a certeza de nunca mais receber nos olhos, o brilho do nosso sol da mãe África.

Até nunca... até nunca mais meu chão sagrado. Creio que este era o maior lamento do nosso povo, preso em correntes pelas mãos e pés. Adeus liberdade, pois a partir daquele momento, seríamos usados para servidão dos mais cruéis tratamentos dispensados a um ser humano.
Um dia, apresentaram-nos a Lei do ventre livre, também chamada de Lei Rio Branco, (Lei número 2040) datada de 12 de maio de 1871, promulgada em 28 de setembro daquele ano. Os filhos dos escravos nasceriam livres da servidão. (LIVRES?) Que já se arrastava por anos e anos.
De certa forma uma conquista que teria sim, um avanço para o começo do fim da escravidão.
Assim, uma nova Lei seria apresentada, de número 3.353 datada de 13 de maio de 1888, que assinada por uma Princesa por nome Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bourbon Orleans de Bragança que extinguia de vez a escravidão no Brasil, país ao qual meu povo servia com lágrimas suores e sangue exaustivos nas labutas.
Pedaços de nós, ficaram nos pelourinhos após receber os açoites cruéis das chibatas que cortavam nossas carnes.
LIBERDADE... O NEGRO ESTÁ LIVRE... EU SOU LIVRE...LIVRE...LIVRE...LIVRE?
LIVRE? Como livre? Não tínhamos casas, nem terras, nem para onde ir, pois nada conhecíamos (ALÉM CERCAS) um pedaço de papel dizia que éramos livres, mas as nossas identidades estavam perdidas nos canaviais. Nossos sonhos, nossos desejos, nossas famílias, nossos irmãos, nossos parentes. Onde estavam todos?
Como recomeçar? Continuávamos sendo pretos, e só sabíamos obedecer.
Chegamos (Sabendo lidar com toda indiferença) ao avanço dos anos que vieram. Nossas senzalas, agora eram as favelas nos centros urbanos, enfiados lá numa periferia onde almas não residiam, e assim, fomos criando nossos quilombos, ajuntando aos poucos os nossos parentes e irmãos de peles de alma, de sangue de África, de Brasil de Banto, de orixás, de candomblés, de feijoadas, de crenças de gestos e costumes dos nossos ancestrais.
Superamos alguns sofrimentos, mas um outro nos acompanharia por onde quer que fossemos: ERAMOS NEGROS – ALFORRIADOS, MAS NEGROS, PESSOAS DE PELES PRETAS, que contrário aos brancos, residiam melhores, comiam melhor, dormiam melhor, viviam melhor e quando remunerados, éramos os de menores valores.
Estudamos, aprendemos outras profissões, erguemos junto a tantos discriminados, as maiores cidades do país.
Em cada canto de parede erguida, tem a marca do suor dos negros, dos menos abastados, dos aventureiros, de outros imigrantes, e de brasileiros sem muita escolaridade vindos do Nordeste, do Norte e de várias partes do mundo.
Recebemos Quotas, chegamos a faculdade, formamo-nos, ocupamos espaços onde BRANCOS X NEGROS travaram juntos as batalhas para vencermos nossas diferenças.
Está tudo ás mil maravilhas? NÃO! Mas algo mudou e tomara quem mude para melhor. Até o final do nosso existir, iremos sempre acreditar que somando, superaremos nossas diferenças e dificuldades pelas quais a vida e a má informação fizeram-nos passar.
Fim
Da narrativa, desejando que também seja o FIM de todo preconceito que nos desumaniza.


Carlos Silva (75) 99838 -5777
cscantador@gmail.com
25 Carlos Silva

O DESPERTAR DE UM NOVO DIA


“O MUNDO DEU UMA REVIRAVOLTA”
Acumulamos muitas perdas, e por vezes choramos, até por aqueles que nunca vimos, mas que tomamos ciência do seu existir, após as suas respectivas partidas. 
Sim, eles se foram. Dentre eles, elas também.
Vidas interrompidas, sonhos diluídos como num sopro leve, numa angustia onde o ar, fez muita falta.
Ultrapassamos em nosso globo terrestre mais de um milhão de vidas ceifadas pelo corona vírus.
A cada 100 anos (como com um pretexto de diminuir a raça humana) uma onda de infecções, invade o planeta.
Quando não por guerras, bombas, misseis, e as contaminações ou fabricadas em laboratórios, ou oriundas de quem sabe de onde.
Mas o que mais (também de forma desumana, e que acredito ser pior do que a Bomba atômica), é a fome.
Silenciosa, Lenta e implacável, mas que só atinge os miseráveis criados pelo sistema de desperdícios, abandono, descaso e desumanidade.
O Coronavírus, veio desestabilizar o mundo, quebrar poderes de dominações, implantar outros interesses em quem tem mais, e muito mais crescer com a visível devastação causada por um vírus que está se mostrando mais forte que a ciência,pois está, ainda não encontrou a vacina NAO PARA COMBATE-LO, MAS ELIMINA-LO DE VEZ.
Afastou pessoas, distanciou sentimentos e excluiu muitos da sociedade que viviam alheios ou sem acreditar que tal INVASÃO pudesse acontecer e devastar com tamanha rapidez, tanta gente pelo mundo afora.
Vale ressaltar, que antes dessa pandemia, tivemos outros CONTRIBUINTES DEVASTADORES DA HUMANIDADE:
• Aids
• Ebola
• Febre Amarela
• Gripe Espanhola
• Malária
• Poliomielite
• Sarampo 
• Tifo
• Tuberculose
• Varíola 

Os estudiosos sei que tem o número exato de mortes causadas por estas doenças, e devem ser assustadores.


PERGUNTEMO-NOS:
• Qual o aprendizado, em que melhoramos ou em que pioramos, quais as perspectivas para o futuro, como encarar tudo daqui por diante, o acumulo de fortunas ainda é necessário, uma nova onda E MAIS DEVASTADORA cairá sobre a terra, E DEPOIS DO CORONAVIRUS O QUE TEREMOS QUE ENFRENTAR MAIS ADIANTE, Haverá alimento para suprir a demanda no mundo, as nossas produções agrícolas no Brasil, serão suficientes para consumo ou a exportação far-se-á mais necessária para capitalizarmos e equilibrar o PIB da nação enquanto abastecemos o mercado externo e corremos o risco de inflacionar nossos produtos aqui para o nosso consumo?

• Qual a nossa visão religiosa, como estaremos vendo, Deus, Cristo e a religião, o que teremos de bom em nós, que possa agradar a Deus, será que já estamos de fato vivendo os momentos finais do planeta, e as pessoas que não acreditam nessa probabilidade, como estão se preparando para o seu viver futuro?
Será que tudo que vivemos até aqui, acabar-se-á em breve sem que sejamos contemplados com a recompensa da vida eterna como o Cristo prometeu, quando afirmou: NA CASA DO MEU PAI EXISTEM MUITAS MORADAS, Muitas moradas para quem e para quantos?.

No que nos tornaremos após essa epidêmica situação que trancou em casa pais e mães de famílias, que teve que se sujeitar a um auxílio emergencial do governo e que viu os produtos mais essenciais para alimentação aumentarem exorbitantemente, fazendo a quantia valer menos da metade recebida?
Que mundo estaremos vivendo, já que (Muitos acreditam baseados na fé e eu me incluo nisso) que em breve, E MUITO BREVE, tudo isso aqui vai passar e uma nova terra será refeita e haverá um paraíso na terra, em que somente os bons de coração caráter e alma nele habitarão?
Deve haver sim, uma maneira de recuperar a nossa vida, de forma mais aproximada de Deus e dos seres que realmente merecem estar guardados e protegidos num reduto onde a paz o amor e a vida plena e abundante, esteja sendo preparada para cada um, desde que, merecedores sejam, desse usufruir.
Assim, teremos uma terra repovoada onde o mal, não existirá, onde o medo, não nos atormentará, onde a morte, jamais possa nos encontrar, pois o Senhor da vida, é quem tomará conta de cada um desses merecedores.

Vivamos, com a farta e abençoada esperança de que um dia, estaremos livres de tudo que causou tanta tristeza e que por ser tão forte, jamais lembraremos das agruras por aqui vividas.
Paz a todos o tempo todo todo e a todo tempo.


Carlos Silva.
05 de Outubro do ano de 2020
26 Carlos Silva