António Nobre

António Nobre

António Pereira Nobre, mais conhecido como António Nobre, foi um poeta português cuja obra se insere nas correntes ultra-romântica, simbolista, decadentista e saudosista da geração finissecular do século XIX português.

1867-08-16 Porto, Portugal
1900-03-18 Porto
51536
0
18


Prémios e Movimentos

Simbolismo

Alguns Poemas

Viagens na Minha Terra

Às vezes, passo horas inteiras
Olhos fitos nestas braseiras,
Sonhando o tempo que lá vai;
E jornadeio em fantasia
Essas jornadas que eu fazia
Ao velho Douro, mais meu Pai.

Que pitoresca era a jornada!
Logo, ao subir da madrugada,
Prontos os dois para partir:
- Adeus! adeus! é curta a ausência,
Adeus! - rodava a diligência
Com campainhas a tinir!

E, dia e noite, aurora a aurora,
Por essa doida terra fora,
Cheia de Cor, de Luz, de Som,
Habituado à minha alcova
Em tudo eu via coisa nova,
Que bom era, meu Deus! que bom!

Moinhos ao vento! Eiras! Solares!
Antepassados! Rios! Luares!
Tudo isso eu guardo, aqui ficou:
ó paisagem etérea e doce,
Depois do Ventre que me trouxe
A ti devo eu tudo que soul

No arame oscilante do Fio,
Amavam (era o mês do cio)
Lavandiscas e tentilhões...
Águas do rio vão passando
Muito mansinhas, mas, chegando
Ao Mar, transformam-se em leões!

Ao Sol, fulgura o Oiro dos milhos!
Os lavradores mai-los filhos
A terra estrumam, e depois
Os bois atrelam ao arado
E ouve-se além, no descampado
Num ímpeto, aos berros: - Eh! bois!

E, enquanto a velha mala-posta,
A custo vai subindo a encosta
Em mira ao lar dos meus Avós,
Os aldeãos, de longe, alerta,
Olham pasmados, boca aberta...
A gente segue e deixa-os sós.

Que pena faz ver os que ficam!
Pobres, humildes, não implicam,
Tiram com respeito o chapéu:
Outros, passando a nosso lado,
Diziam: "Deus seja louvado!"
"Louvado sejal" dizia eu.

E, meiga, tombava a tardinha...
No chão, jogando a vermelhinha,
Outros vejo a discutir.
Carpiam, místicas, as fontes...
Água fria de Trás-os-Montes
Que faz sede só de se ouvir!

E, na subida de Novelas,
O rubro e gordo Cabanelas
Dava-me as guias para a mão:
Isso... queriam os cavalos!
Que eu não podia chicoteá-los...
Era uma dor de coração.

Depois, cansados da viagem,
Repoisávamos na estalagem
(Que era em Casais, mesmo ao dobrar... )
Vinha a Sra Ana das Dores
"Que hão de querer os meus Senhores?
Há pão e carne para assar..."

Oh! ingênuas mesas, honradas!
Toalhas brancas, marmeladas,
Vinho virgem no copo a rir...
O cuco da sala, cantando. . .
(Mas o Cabanelas, entrando,
Vendo a hora: "É preciso partir").

Caía a noite. Eu ia fora,
Vendo uma estrela que lá mora,
No Firmamento português:
E ela traçava-me o meu fado
"Serás Poeta e desgraçado!"
Assim se disse, assim se fez.

Meu pobre Infante, em que cismavas,
Por que é que os olhos profundavas
No Céu sem-par do teu País?
Ias, talvez, moço troveiro,
A cismar num amor primeiro:
Por primeiro, logo infeliz...

E o carro ia aos solavancos.
Os passageiros, todos brancos,
Ressonavam nos seus gabões:
E eu ia alerta, olhando a estrada,
Que em certo sítio, na Trovoada,
Costumavam sair ladrões.

Ladrões! Ó sonho! Ó maravilha!
Fazer parte duma quadrilha,
Rondar, à Lua, entre pinhais!
Ser Capitão! trazer pistolas,
Mas não roubando, - dando esmolas
Dependuradas dos punhais ...

E a mala-posta ia indo, ia indo.
o luar, cada vez mais lindo,
Caía em lágrimas, - e, enfim,
Tão pontual, às onze e meia,
Entrava, soberba, na aldeia
Cheia de guizos, tlim, tlim, tlim!

Lá vejo ainda a nossa Casa
Toda de lume, cor de brasa,
Altiva, entre árvores, tão só!
Lá se abrem os portões gradeados,
Lá vêm com velas os criados,
Lá vem, sorrindo, a minha Avó.

E então, Jesus! quantos abraços!
- Qué dos teus olhos, dos teus braços,
Valha-me Deus! como ele vem!
E admirada, com as mãos juntas,
Toda me enchia de perguntas,
Como se eu viesse de Betlém!

- E os teus estudos, tens-me andado?
Tomara eu ver-te formado!
Livre de Coimbra, minha flor!
Mas vens tão magro, tão sumido...
Trazes tu no peito escondido,
E que eu não saiba, algum amor?

No entanto entrava no meu quarto:
Tudo tão bom, tudo tão farto!
Que leito aquele! e a água, Jesus!
E os lençóis! rico cheiro a linho!
- Vá, dorme, que vens cansadinho.
Não adormeças com a luz!

E eu deitava-me, mudo e triste.
(- Reza também o Terço, ouviste?)
Versos, bailando dentro em mim...
Não tinha tempo de ir na sala,
De novo: - Apaga a luz! - Que rala!
Descansa, minha Avó, que sim!

Ora, às ocultas, eu trazia
No seio, um livro e lia, lia,
Garrett da minha paixão...
Daí a pouco a mesma reza:
- Não vás dormir de luz acesa,
Apaga a luz! ... (E eu ainda... não!)

E continuava, lendo, lendo...
O dia vinha já rompendo,
De novo: - Já dormes, diz?
- Bff!... e dormia com a idéia
Naquela tia Dorotéia,
De que fala Júlio Dinis.

Ó Portugal da minha infância,
Não sei que é, amo-te a distância,
Amo-te mais, quando estou só...
Qual de vós não teve na Vida
Uma jornada parecida,
Ou assim, como eu, uma Avó?

Paris, 1892.

Pobre tísica

Quando ela passa à minha porta,
Magra, lívida, quase morta,
E vai até à beira-mar,
Lábios brancos, olhos pisados:
Meu coração dobra a finados,
Meu coração põe-se a chorar.

Perpassa leve como a folha,
E, suspirando, às vezes olha
Para as gaivotas, para o Ar:
E, assim, as suas pupilas negras
Parecem duas toutinegras,
Tentando as asas para voar!

Veste um hábito cor de leite,
Saiinha lisa, sem enfeite,
Boina maruja, toda luar:
Por isso, mal na praia alveja,
As mais suspiram com inveja:
«Noiva feliz, que vais casar...»

Triste, acompanha-a um "Terra Nova"
Que, dentro em pouco, à fria cova
A irá de vez acompanhar...
O chão desnuda com cautela,
Que "Boy" conhece o estado dela:
Qunado ela tosse, põe-se a uivar!

E, assim, sozinha com a aia,
Ao Sol, se assenta sobre a praia,
Entre os bebés, que é o seu lugar.
E o Oceano, trémulo avozinho,
Cofiando as barbas cor de linho,
Vai ter com ela a conversar.

Falam de sonhos, de anjos, e ele
Fala damor, fala daquele
Que tanto e tanto a faz penar...
E o coração parte-se todo,
Quando a sorrir, com tão bom modo,
O Mar lhe diz: «Há-de sarar...»

Sarar? Misérrima esperança!
Padres! ungi essa criança,
Podeis sua alma encomendar:
Corpinho danjo, casto e inerme,
Vai ser amada pelo verme,
Os bichos vão-na desfrutar.

Sarar? Da cor dos alvos linhos,
Parecem fusos seus dedinhos,
Seu corpo é roca de fiar...
E, ao ouvir-lhe a tosse seca e fina,
Eu julgo ouvir numa oficina
Tábuas do seu caixão pregar!

Sarar? Magrita como o junco,
O seu nariz (que é grego e adunco)
Começa aos poucos de afilar,
Seus olhos lançam ígneas chamas:
Ó pobre mãe, que tanto a amas,
Cautela! O Outono está a chegar...

Poeta português, natural do Porto. Após uma passagem pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, entre 1888 e 1890, seguiu para Paris, onde concluiu os estudos de Ciências Políticas em 1895. Aí, contactou com Eça de Queirós, que era, na altura, cônsul de Portugal e escreveu a maior parte dos poemas que viriam a constituir o Só. Publicado em Paris, em 1892, num período em que o simbolismo era a corrente dominante, o Só pouco tem a ver com esta corrente, o que poderá explicar as críticas geralmente negativas com que a obra foi recebida em Portugal. O ingresso na carreira diplomática, que pretendia, não lhe foi possível, por, na altura, já sofrer de tuberculose. Efectuou viagens à Suíça, Madeira e Nova Iorque, procurando a cura para a doença que viria a vitimá-lo. O exílio de Nobre em Paris e as circunstâncias críticas do seu estado de saúde contribuíram em muito para as características da sua obra, que não deixa de reflectir algumas influências simbolistas e decadentistas. Marcado por uma infância feliz no norte provinciano, entretanto perdida, desenraizado da sua pátria (ou, dentro dela, sentindo com amargura a sua estagnação – como se percebe em Carta a Manuel), procurou recuperar um pitoresco português ligado à vida dos simples, ao seu vigor e à sua tragédia. Por eles, sentia uma ternura ingénua, pueril, numa atitude romântica e saudosista que marcou profundamente a posterior literatura portuguesa e o aproximou de figuras literárias como Guerra Junqueiro e, sobretudo, Garrett, por quem o autor confessou a sua admiração no poema sintomaticamente intitulado Viagens na minha terra («Ora, às ocultas, eu trazia / No seio, um livro e lia, lia / Garrett da minha paixão») e a quem se refere igualmente no poema Saudade («Saudade, saudade! Palavra tão triste, / E ouvi-la faz bem: / Meu caro Garrett, tu bem na sentiste, / Melhor que ninguém!»). O regresso a um passado feliz, que transfigura a realidade, poetizando-a e aproximando-a da intimidade do poeta, foi acompanhado de alguma ironia amarga perante o que achava ser a agonia de Portugal e a sua própria, num sentimentalismo aparentemente simples que reflecte uma dimensão mítica, por vezes um certo visionarismo, da sua vivência da saudade, do exílio, da pátria e da poesia, temas recorrentes da sua obra. Marcantes, ainda, na sua obra são o seu pessimismo e a obsessão da morte (como em Balada do Caixão, Ca(ro) Da(ta) Ver(mibus), Males de Anto ou Meses depois, num cemitério), o fatalismo com a sua predestinação para a infelicidade (como em Memória, Lusitânia No Bairro Latino ou D. Enguiço) e o apreço pela paisagem e pelos tipos pitorescos portugueses (como na segunda e terceira partes de António, Viagens na Minha Terra ou no soneto Poveirinhos! Meus velhos pescadores). António Nobre, recusando a elaboração convencional, oratória e elevada da linguagem, libertou-a, procurando um tom de coloquialidade, sensível mais que reflexivo, cheio de ritmos livres e musicais, afectivo, oral, precursor de muitos aspectos da modernidade e acompanhado de uma imagística rica e original. O seu único livro publicado em vida, Só (1892), «que é o livro mais triste que há em Portugal», segundo palavras do próprio autor, foi um dos grandes marcos da poesia do século XIX. Na reedição de 1898, Nobre dividiu o livro em secções, construindo o percurso de vida de uma personagem. «Memória» abre a obra, marcando, desde o início, a ascendência mítica dessa personagem que, fadada para ser um «Príncipe» e um poeta, simbolicamente fica órfão e erra em busca da sua identidade – individual, de «Anto», e colectiva, já que o eu simboliza Portugal e os portugueses na crise do fim do século. António Nobre colaborou em revistas como A Mocidade de Hoje (1883) e Boémia Nova (1889). Na sua obra póstuma, constam Despedidas 1895-1899 (1902, que inclui um fragmento de um poema sebastianista de intenção épica, O Desejado), Primeiros Versos 1882-1889 (1921) e alguns volumes de correspondência.
-
Antonio Donato Nobre no Selvagem ciclo 2019
There is a river above us | Antonio Donato Nobre | TEDxAmazonia
CICLO REGENERANTES DE GAIA - regenerando a partir dos sonhos - Antonio Nobre e Ailton Krenak
Aula 33 - Simbolismo: Antônio Nobre
Antonio Nobre cientista I A vida na terra e o ser humano
Córtex com Antonio Nobre. Mudança Climática e o Fim do Mundo Materialista
Módulo Terra Viva - Conversa Ailton Krenak e Antonio Nobre
Antonio Donato Nobre: The magic of the Amazon: A river that flows invisibly all around us
Antonio Donato Nobre
Aula 1 AM088 – Antropoceno: desafios da complexidade ambiental com Antonio Donato Nobre
Antonio Nobre - Os Fundamentos Belíssimos da Vida na Regulação Planetária
Quando Chegar A Hora | Poema de António Nobre com narração de Mundo Dos Poemas
Chegança - Antônio Nóbrega
Antonio Donato Nobre - Rios Voadores (Pesquisa FAPESP)
Galatasaray - Bayern Münih Maçının Hakemi Antonio Nobre'yi Şikayet Etti!
Antonio Nobre fala sobre o desmatamento na Amazônia - #62
Paz | Poema de António Nobre com narração de Mundo Dos Poemas
mesa 10 | Utopia e distopia, com Margaret Atwood e Antonio Nobre - tradução para o português
Antonio Nobre no evento #AmazôniaCentroDoMundo
Menino E Moço | Poema de António Nobre com narração de Mundo Dos Poemas
Entrevista Antonio Nobre (Crise civilizatória, insustentabilidade e mudanças climáticas)
Antonio Donato Nobre - The Mighty Amazon, maker of rain
"A floresta está chegando muito próximo do ponto de não retorno", diz cientista Antonio Nobre
Antônio Nobre y los 5 secretos de la Amazonía: Secreto 1
"Passo de Anjo"- Antonio Nóbrega - DVD Nove de Frevereiro
A Vida - António Nobre
Balada Do Caixão | Poema de António Pereira Nobre com narração de Mundo Dos Poemas
O Primeiro Filho | Poema de António Nobre com narração de Mundo Dos Poemas
Chegança
Conversa Selvagem - Nave Gaia - Ailton Krenak e Antonio Nobre
António Nobre | Biografia
Que Aborrecido | Poema de António Nobre com narração de Mundo Dos Poemas
[Na praia lá da Boa Nova, um dia], António Nobre - Carla Bolito
Professor Carlos Nobre: "Os extremos climáticos são cada vez mais frequentes"
TIIFlor 2012 - Antonio Nobre
Continua A Tempestade | Poema de António Nobre com narração de Mundo Dos Poemas
EB1 JI António Nobre
Antonio Nobre - Nunca me esqueceu
TEDxAmazônia - Antonio Donato Nobre mostra que tem um rio em cima de nós - Nov.2010
O QUE VOCÊ NÃO SABIA SOBRE A ÁGUA - Antônio Donato | FRUTO 2019
FÉ NO CLIMA 2017 ANTONIO NOBRE
Ler Mais Ler Melhor Vida e Obra de António Nobre
Bayern Münih Galatasaray Maçının Hakemi Antonio Nobre'nin Sözleri Ortaya Çıktı! Futbolculara Skand
#enduro : #16valvulasEntrevista António Nobre
Antônio Nóbrega - Lunário Perpétuo
Rios voadores tóxicos vindos da Amazônia. By Antonio Nobre
António Nobre Que Aborrecido!
Nave Gaia : A dialogue with Ailton Krenak & Antonio Nobre
Um Novo Olhar sobre a Vida na Terra - por Antonio Donato Nobre
Antônio Nobre y los 5 secretos de la Amazonía: Secreto 2

Quem Gosta

Seguidores