Murilo Mendes

Murilo Mendes
Murilo Monteiro Mendes foi um poeta e prosador brasileiro, expoente do surrealismo brasileiro.
Surrealismo
Nasceu a 13 Maio 1901 (Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil)
Morreu em 13 Agosto 1975 (Lisboa)
Comentários
Murilo Mendes (Juiz de Fora MG, 1901 - Lisboa Portugal, 1972) estudou no Colégio Salesiano, em Niterói RJ, no final da década de 1920. Iniciou o curso de Direito, mas não o concluiu. Na década de 1920, foi arquivista no Ministério da Fazenda e empregado do Banco Mercantil. Publicou seu primeiro livro, Poemas, em 1930; no ano seguinte recebeu o prêmio de Poesia Graça Aranha. Em 1934, converteu-se ao catolicismo; a religiosidade é um dos temas mais marcantes de sua obra. Em 1935, foi secretário da Comissão de Literatura para a Infância do Ministério da Educação e inspetor federal de ensino médio. Entre 1957 e 1975 lecionou Cultura Brasileira na Universidade de Roma (Itália). Publicou, em 1968, o livro de memórias A Idade do Serrote. Em 1977 ocorreu a publicação póstuma de Ipotesi, livro de poesia escrito originalmente em italiano, organizado por Luciana Stegagno Picchio, em Roma. Sua obra poética inclui os livros Tempo e Eternidade (1935), escrito com Jorge de Lima, A Poesia em Pânico (1938), Visionário (1941), Mundo Enigma (1944), Tempo Espanhol (1964), Poliedro (1972), entre outros. Murilo Mendes é um dos principais nomes da segunda geração do Modernismo. O poeta Carlos Drummond de Andrade escreveu, sobre ele: "Peregrino europeu de Juiz de Fora,/ telemissor de murilogramas e grafitos,/ instaura na palavra o seu império.".