Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade foi um poeta, contista e cronista brasileiro, considerado por muitos o mais influente poeta brasileiro do século XX.

1902-10-31 Itabira do Mato Dentro, Minas Gerais, Brasil
1987-08-17 Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
2201865
135
4080


Alguns Poemas

Carlos Drummond de Andrade (Itabira do Mato Dentro [Itabira] MG, 1902 - Rio de Janeiro RJ, 1987) formou-se em Farmácia, em 1925; no mesmo ano, fundava, com Emílio Moura e outros escritores mineiros, o periódico modernista A Revista.

Em 1934 mudou-se para o Rio de Janeiro, onde assumiu o cargo de chefe de gabinete de Gustavo Capanema, Ministro da Educação e Saúde, que ocuparia até 1945. Durante esse período, colaborou, como jornalista literário, para vários periódicos, principalmente o Correio da Manhã.

Nos anos de 1950, passaria a dedicar-se cada vez mais integralmente à produção literária, publicando poesia, contos, crônicas, literatura infantil e traduções. Entre suas principais obras poéticas estão os livros Alguma Poesia (1930), Sentimento do Mundo (1940), A Rosa do Povo (1945), Claro Enigma (1951), Poemas (1959), Lição de Coisas (1962), Boitempo (1968), Corpo (1984), além dos póstumos Poesia Errante (1988), Poesia e Prosa (1992) e Farewell (1996).

Drummond produziu uma das obras mais significativas da poesia brasileira do século XX. Forte criador de imagens, sua obra tematiza a vida e os acontecimentos do mundo a partir dos problemas pessoais, em versos que ora focalizam o indivíduo, a terra natal, a família e os amigos, ora os embates sociais, o questionamento da existência, e a própria poesia.
1902 Nasce Carlos Drummond de Andrade, em 31 de outubro, na cidade de Itabira do Mato Dentro (mg), nono filho de Carlos de Paula Andrade, fazendeiro, e Julieta Augusta Drummond de Andrade.
 
1910 Inicia o curso primário no Grupo Escolar Dr. Carvalho Brito.
 
1916 É matriculado como aluno interno no Colégio Arnaldo, em Belo Horizonte. Conhece Gustavo Capanema e Afonso Arinos de Melo Franco. Interrompe os estudos por motivo de saúde.
 
1917 De volta a Itabira, toma aulas particulares com o professor Emílio Magalhães.
 
1918 Aluno interno do Colégio Anchieta da Companhia de Jesus, em Nova Friburgo, colabora na Aurora Colegial. No único exemplar do jornalzinho Maio…, de Itabira, o irmão Altivo publica o seu poema em prosa “Onda”.
 
1919 É expulso do colégio em consequência de incidente com o professor de português. Motivo: “insubordinação mental”.
 
1920 Acompanha sua família em mudança para Belo Horizonte.
 
1921 Publica seus primeiros trabalhos no Diário de Minas. Frequenta a vida literária de Belo Horizonte. Amizade com Milton Campos, Abgar Renault, Emílio Moura, Alberto Campos, Mário Casassanta, João Alphonsus, Batista Santiago, Aníbal Machado, Pedro Nava, Gabriel Passos, Heitor de Sousa e João Pinheiro Filho, habitués da Livraria Alves e do Café Estrela.
 
1922 Seu conto “Joaquim do Telhado” vence o concurso da Novela Mineira. Trava contato com Álvaro Moreyra, diretor de Para Todos… e Ilustração Brasileira, no Rio de Janeiro, que publica seus trabalhos.
 
1923 Ingressa na Escola de Odontologia e Farmácia de Belo Horizonte.
 
1924 Conhece, no Grande Hotel de Belo Horizonte, Blaise Cendrars, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral, que regressam de excursão às cidades históricas de Minas Gerais.
 
1925 Casa-se com Dolores Dutra de Morais. Participa — juntamente com Martins de Almeida, Emílio Moura e Gregoriano Canedo — do lançamento de A Revista.
 
1926 Sem interesse pela profissão de farmacêutico, cujo curso concluíra no ano anterior, e não se adaptando à vida rural, passa a lecionar geografia e português em Itabira. Volta a Belo Horizonte e, por iniciativa de Alberto Campos, ocupa o posto de redator e depois redator-chefe do Diário de Minas. Villa-Lobos compõe uma seresta sobre o poema “Cantiga de viúvo” (que iria integrar Alguma poesia, seu livro de estreia).
 
1927 Nasce em 22 de março seu filho, Carlos Flávio, que morre meia hora depois de vir ao mundo.
 
1928 Nascimento de sua filha, Maria Julieta. Publica “No meio do caminho” na Revista de Antropofagia, de São Paulo, dando início à carreira escandalosa do poema. Torna-se auxiliar na redação da Revista do Ensino, da Secretaria de Educação.
 
1929 Deixa o Diário de Minas e passa a trabalhar no Minas Gerais, órgão oficial do estado, como auxiliar de redação e, pouco depois, redator.
 
1930 Alguma poesia, seu livro de estreia, sai com quinhentos exemplares sob o selo imaginário de Edições Pindorama, de Eduardo Frieiro. Assume o cargo de auxiliar de gabinete de Cristiano Machado, secretário do Interior. Passa a oficial de gabinete quando seu amigo Gustavo Capanema assume o cargo.
 
1931 Morre seu pai.
 
1933 Redator de A Tribuna. Acompanha Gustavo Capanema durante os três meses em que este foi interventor federal em Minas.
 
1934 Volta às redações: Minas Gerais, Estado de Minas, Diário da Tarde, simultaneamente. Publica Brejo das almas (duzentos exemplares) pela cooperativa Os Amigos do Livro. Transfere-se para o Rio de Janeiro como chefe de gabinete de Gustavo Capanema, novo ministro da Educação e Saúde Pública.
 
1935 Responde pelo expediente da Diretoria-Geral de Educação e é membro da Comissão de Eficiência do Ministério da Educação.
 
1937 Colabora na Revista Acadêmica, de Murilo Miranda.
 
1940 Publica Sentimento do mundo, distribuindo entre amigos e escritores os 150 exemplares da tiragem.
 
1941 Mantém na revista Euclides, de Simões dos Reis, a seção “Conversa de Livraria”, assinada por “O Observador Literário”. Colabora no suplemento literário de A Manhã.
 
1942 Publica Poesias, na prestigiosa Editora José Olympio.
 
1943 Sua tradução de Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac, vem a lume sob o título Uma gota de veneno.
 
1944 Publica Confissões de Minas.
 
1945 Publica A rosa do povo e O gerente. Colabora no suplemento literário do Correio da Manhã e na Folha Carioca. Deixa a chefia do gabinete de Capanema e, a convite de Luís Carlos Prestes, figura como codiretor do diário comunista Tribuna Popular. Afasta-se meses depois por discordar da orientação do jornal. Trabalha na Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (dphan), onde mais tarde se tornará chefe da Seção de História, na Divisão de Estudos e Tombamento.
 
1946 Recebe o Prêmio de Conjunto de Obra, da Sociedade Felipe d’Oliveira.
 
1947 É publicada a sua tradução de Les liaisons dangereuses, de Laclos.
 
1948 Publica Poesia até agora. Colabora em Política e Letras. Acompanha o enterro de sua mãe, em Itabira. Na mesma hora, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, é executado o “Poema de Itabira”, de Villa-Lobos, a partir do seu poema “Viagem na família”.
 
1949 Volta a escrever no Minas Gerais. Sua filha, Maria Julieta, casa-se com o escritor e advogado argentino Manuel Graña Etcheverry e vai morar em Buenos Aires. Participa do movimento pela escolha de uma diretoria apolítica na Associação Brasileira de Escritores. Contudo, juntamente com outros companheiros, desliga-se da sociedade por causa de atritos com o grupo esquerdista.
 
1950 Viaja a Buenos Aires para acompanhar o nascimento do primeiro neto, Carlos Manuel.
 
1951 Publica Claro enigma, Contos de aprendiz e A mesa. O volume Poemas é publicado em Madri.
 
1952 Publica Passeios na ilha e Viola de bolso.
 
1953 Exonera-se do cargo de redator do Minas Gerais ao ser estabilizada sua situação de funcionário da dphan. Vai a Buenos Aires para o nascimento do seu neto Luis Mauricio. Na capital argentina aparece o volume Dos poemas.
 
1954 Publica Fazendeiro do ar & Poesia até agora. É publicada sua tradução de Les paysans, de Balzac. A série de palestras “Quase memórias”, em diálogo com Lia Cavalcanti, é veiculada pela Rádio Ministério da Educação. Dá início à série de crônicas “Imagens”, no Correio da Manhã, mantida até 1969.
 
1955 Publica Viola de bolso novamente encordoada. O livreiro Carlos Ribeiro publica edição fora de comércio do Soneto da buquinagem.
 
1956 Publica Cinquenta poemas escolhidos pelo autor. Sai sua tradução de Albertine disparue, ou La fugitive, de Marcel Proust.
 
1957 Publica Fala, amendoeira e Ciclo.
 
1958 Uma pequena seleção de seus poemas é publicada na Argentina.
 
1959 Publica Poemas. Ganha os palcos a sua tradução de Dona Rosita la Soltera, de García Lorca, pela qual recebe o Prêmio Padre Ventura.
 
1960 É publicada a sua tradução de Oiseaux-Mouches Ornithorynques du Brésil, de Descourtilz. Colabora em Mundo Ilustrado. Nasce em Buenos Aires seu neto Pedro Augusto.
 
1961 Colabora no programa Quadrante, da Rádio Ministério da Educação. Morre seu irmão Altivo.
 
1962 Publica Lição de coisas, Antologia poética e A bolsa & a vida. Aparecem as traduções de L’oiseau bleu, de Maeterlinck, e Les fourberies de Scapin, de Molière, recebendo por esta novamente o Prêmio Padre Ventura. Aposenta-se como chefe de seção da dphan, após 35 anos de serviço público.
 
1963 Aparece a sua tradução de Sult (Fome), de Knut Hamsun. Recebe, pelo livro Lição de coisas, os prêmios Fernando Chinaglia, da União Brasileira de Escritores, e Luísa Cláudio de Sousa, do pen Clube do Brasil. Inicia o programa Cadeira de Balanço, na Rádio Ministério da Educação.
 
1964 Publicação da Obra completa, pela Aguilar. Início das visitas, aos sábados, à biblioteca de Plínio Doyle, evento mais tarde batizado de “Sabadoyle”.
 
1965 Publicação de Antologia poética (Portugal); In the middle of the road (Estados Unidos); Poesie (Alemanha). Com Manuel Bandeira, edita Rio de Janeiro em prosa & verso. Colabora em Pulso.
 
1966 Publicação de Cadeira de balanço e de Natten och Rosen (Suécia).
 
1967 Publica Versiprosa, José & outros, Uma pedra no meio do caminho, Minas Gerais (Brasil, terra e alma), Mundo, vasto mundo (Buenos Aires) e Fyzika Strachu (Praga).
 
1968 Publica Boitempo & A falta que ama.
 
1969 Passa a colaborar no Jornal do Brasil. Publica Reunião (dez livros de poesia).
 
1970 Publica Caminhos de João Brandão.
 
1971 Publica Seleta em prosa e verso. Sai em Cuba a edição de Poemas.
 
1972 Publica O poder ultrajovem. Suas sete décadas de vida são celebradas em suplementos pelos maiores jornais brasileiros.
 
1973 Publica As impurezas do branco, Menino antigo, La bolsa y la vida (Buenos Aires) e Réunion (Paris).
 
1974 Recebe o Prêmio de Poesia da Associação Paulista de Críticos Literários.
 
1975 Publica Amor, amores. Recebe o Prêmio Nacional Walmap de Literatura. Recusa por motivo de consciência o Prêmio Brasília de Literatura, da Fundação Cultural do Distrito Federal.
 
1977 Publica A visita, Discurso de primavera e Os dias lindos. É publicada na Bulgária uma antologia intitulada Sentimento do mundo. Grava 42 poemas em dois lps lançados pela PolyGram.
 
1978 A Editora José Olympio publica a segunda edição (corrigida e aumentada) de Discurso de primavera e algumas sombras. Publica O marginal Clorindo Gato e 70 historinhas, reunião de pequenas histórias selecionadas em seus livros de crônicas. Amar-Amargo e El poder ultrajoven saem na Argentina.
 
1979 Publica Poesia e prosa, revista e atualizada, pela Editora Nova Aguilar. Sai também seu livro Esquecer para lembrar.
 
1980 Recebe os prêmios Estácio de Sá, de jornalismo, e Morgado Mateus (Portugal), de poesia. Publicação de A paixão medida, En Rost at Folket (Suécia), The minus sign (eua), Poemas (Holanda) e Fleur, téléphone et jeune fille… (França).
 
1981 Publica, em edição fora de comércio, Contos plausíveis. Com Ziraldo, lança O pipoqueiro da esquina. Sai a edição inglesa de The minus sign.
 
1982 Aniversário de oitenta anos. A Biblioteca Nacional e a Casa de Rui Barbosa promovem exposições comemorativas. Recebe o título de doutor honoris causa pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Publica A lição do amigo. Sai no México a edição de Poemas.
 
1983 Declina do Troféu Juca Pato. Publica Nova reunião e o infantil O elefante.
 
1984 Publica Boca de luar e Corpo. Encerra sua carreira de cronista regular após 64 anos dedicados ao jornalismo.
 
1985 Publica Amar se aprende amando, O observador no escritório, História de dois amores (infantil) e Amor, sinal estranho (edição de arte). Lançamento comercial de Contos plausíveis. Publicação de Fran Oxen Tid (Suécia).
 
1986 Publica Tempo, vida, poesia. Sofrendo de insuficiência cardíaca, passa catorze dias hospitalizado. Edição inglesa de Travelling in the family.
 
1987 É homenageado com o samba-enredo “O reino das palavras”, pela Estação Primeira de Mangueira, que se sagra campeã do Carnaval. No dia 5 de agosto morre sua filha, Maria Julieta, vítima de câncer. Muito abalado, morre em 17 de agosto.
- - - - - - -
Carlos Drummond de Andrade - Brasil Escola
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE: AQUELE RESUMÃO PARA O ENEM | QUER QUE DESENHE
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE: o autor que mais cai em provas | RESUMO DE LITERATURA ENEM
Carlos Drummond de Andrade por ele mesmo (Poemas)
Quando Encontrar Alguém | Poema atribuído a Drummond de Andrade mas é de Selma Soares Albuquerque
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE - entrevista a Leda Nagle (1982)
Quem foi Carlos Drummond de Andrade?
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade – O Poeta de 7 faces
O Tempo Carlos Drumond de Andrade
E AGORA, JOSÉ? ANÁLISE LÓGICA (CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE) | Ledo Vaccaro
Carlos Drummond de Andrade
POEMA: E Agora Jose - Na voz de Carlos Drummond de Andrade
Ausência | Poema de Carlos Drummond de Andrade com narração de Mundo Dos Poemas
E Agora, José | Poema de Carlos Drummond de Andrade com narração de Mundo Dos Poemas
Documentário sobre Carlos Drummond de Andrade.
Amar- Marília Pêra (Carlos Drummond de Andrade)
"O PRIMEIRO AMOR PASSOU" | CARLOS DRUMMOND por María Bethânia
ALGUMA POESIA | FUVEST | Carlos Drummond de Andrade | Resumo + Análise
"DORME MEU FILHO" | Maria Bethânia | Carlos Drummond
Leda Nagle entrevista Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond De Andrade
O amor bate na aorta - Drica Moraes (Carlos Drummond de Andrade)
Vida e verso de Carlos Drummond de Andrade - filme na íntegra | Dia Drummond 2020
Os Ombros Suportam O Mundo | Poema de Carlos Drummond de Andrade com narração de Mundo Dos Poemas
Leia comigo um poema: “Memória”, de Carlos Drummond de Andrade
CLARO ENIGMA | Carlos Drummond de Andrade | Resumo + Análise
"A INSPIRAÇÃO EXISTE" | Carlos Drummond de Andrade
Alguma Poesia, de Carlos Drummond de Andrade: resumo, análise e dicas
Autorretrato - Carlos Drummond de Andrade
O HOMEM; AS VIAGENS - Carlos Drummond de Andrade
QUADRILHA - Carlos Drummond de Andrade - INTERPRETAÇÃO
NO MEIO DO CAMINHO TINHA UMA PEDRA - Interpretação
Quando encontrar alguém, poema de Carlos Drummond de Andrade
Presépio, Carlos Drummond de Andrade | Resumo
Sentimento do Mundo - Carlos Drummond de Andrade
Quero | Poema de Carlos Drummond de Andrade com narração de Mundo Dos Poemas
Diálogo De Todo O Dia | Poema de Carlos Drummond de Andrade com narração de Mundo Dos Poemas
Antologia Poética, de Carlos Drummond de Andrade: resumo, análise e dicas
Não Se Mate | Poema de Carlos Drummond de Andrade com narração de Mundo Dos Poemas
"Eu, Etiqueta", de Carlos Drummond de Andrade | Isto não é Filosofia
Carlos Drummond | Modernismo | poesia de 30 | ENEM e vestibulares
Drummondiando #3 - "Morte do leiteiro", de Carlos Drummond de Andrade
Análise do Poema de Sete Faces (Carlos Drummond de Andrade) - Brasil Escola
Verdade | Poema de Carlos Drummond de Andrade com narração de Mundo Dos Poemas
[FUVEST | UNICAMP #6] Sentimento do Mundo (Carlos Drummond de Andrade) + áudio Sentimento do Mundo
Igor Guimarães | Verbo Ser | Carlos Drummond de Andrade
Filipe de Gaspari | Tarde de Maio | Carlos Drummond de Andrade
Não Se Mate - Carlos Drummond de Andrade
#450 Presépio - Carlos Drummond de Andrade - Conto um Conto
-
Jhone Ricardo Gonçalves Da Silva
Um pouco mais Drummond na vida.
15/maio/2024
Bruna de Castro Alves
Conheci este poema aos 12 anos e ele me tocou profundamente. Na época pensava sobre Hiroshima, mas sua sagacidade abriu minha consciência para o horror do poder e da perversidade humana. Viva Drumond!
28/outubro/2023
-
ademir domingos zanotelli
O eterno poeta... o maior , o mias belo... o imortal encantador.
27/agosto/2023
Wagner Moraes
Drummond, sempre Drummond!
13/março/2023
fofa
obrigada gostei
04/maio/2021
mateus
gostei
27/abril/2021
Infância
À infância de Carlos Drumond de Andrade tenho que admitir é bom
21/abril/2021
anchieta
simplesmente o melhor e maior poeta brasileiro! Itabirano de ferro!!
03/abril/2021
Maria Clara 2021
Só queria deixar marcado aqui, a primeira vez que li essa crônica.. Espero que quando estiver maior, me lembre de que passei aqui quando estava no sétimo ano.. ( 4 de março,2021)
05/março/2021
Rômulo Santos
visite o site fccda.com.br
25/fevereiro/2021
sentimental
amei
29/outubro/2020
-
euskadia
....quase uma quadrilha à moda portuguesa. A quadrilha daquela assembleia que nenhuma História quer ver entrar, de tanto entrarem e saírem dos bancos levam a população a crer que estamos a saque
11/agosto/2020
-
euskadia
.....sobre o que não se conhecia e, ébrio por conhecer vem porque o admira. Ele é muito reconhecido em Portugal e muito lido por uma vasta comunidade académica
06/agosto/2020
Darlan Torres
Recordo que li esse poema pela primeira vez quando ainda cursava a sétima série do ensino fundamental. Até usei quando fiz uma entrevista a uma vereadora, lendo-o para ela e pedindo que comentasse. Foi uma resenha (risos).
26/junho/2020
karinamac
Alguém importante pode estar longe, ausente agora, mas nunca em falta. Lindo poema.
02/junho/2020
Allice
Eu achei bem interessante, inspirador, ou relaxante!!! Alguma coisa do tipo!!!!
21/maio/2020
Brandão2401
rebunda ou reDunda?
13/maio/2020
Júliasolta11
MARAVILHOSO!!!!!!
05/maio/2020
biancardi
Poeta completo.
21/março/2020
escola
hummmmmmm que legalctfuygfyy
04/março/2020
Filho do drummond
orgulho! Amei D+
19/fevereiro/2020
Jamy Pombo
Cronista dos cronistas
21/junho/2019
Leonardo
Lindo demais! Muita sensibilidade, muita capacidade de se expressar com beleza.
18/maio/2019
Sócrates
Só sei q nada sei
25/abril/2019
Euclides Ernesto Campos
Admiro muito este poeta e contista. Sua poesia mais contundente para mim e, Os ombros suportam o Mundo e a Rosa do Povo.
11/outubro/2017
Maria Pereira
Adoro, fico extasiada quando leio os seus poemas
24/janeiro/2016
-
alexandre 3
adoro seus poemas pois alem de nao ser tao dificil compreensao 
fica lindo e direto o que eu sinto 
19/dezembro/2012
-
faser mais estrofes
13/agosto/2012
laura
amei você é d+ te amo nunca se encontra um brasileiro igual a você S2

09/agosto/2012
thalita albano
adoruu toda a historia dele!!!!!!
22/maio/2012
-
Adorei muito Legaaallllllll................
27/abril/2012
Elza
Um Genio apaixonante sabe oq é amar a vida e as pessoas e a nutureza!!!!!
17/abril/2012
Amanda
Bonita a historia dele adorei
15/abril/2012
-
Achei magnifica essa biografia parabéns ao autor
23/março/2012
-
amo as poesia de Drummond,e genial,,,e fica a dica e so pros'''que sabe apresia tudo o que foi escrito por esse grande altor...assm ;;Reane batista da silva....
13/janeiro/2012
-
tem gente q só qer saber quando nasceu e quando morreu
esses são os famosos enguinorantes eu nn curto muito poemas mais o desse cara é d+++
kkk '_'
04/novembro/2011
jady
Carlos Drummond de andrade um homem que transformava o cotidiano da vida em poesia  jamais me esquecerei que no meio do caminho tinha uma pedra

tinha uma pedra no meio do caminho......

22/outubro/2011
karozinha
gostei super legalllll !!!!!!!!!!
11/agosto/2011
-
me imprecionou,mas sou supeito por ser fã
07/agosto/2011
raquel

Amei sua historia......D+

 

12/junho/2011
-
Amei,Amei,Amei...d+!!!!
31/maio/2011
-
Adorei a história quero saber mais um
31/maio/2011
lara
adorei a historia desse cara e demas
10/maio/2011
Ledir
amo o poema José.
16/março/2011
carol
adorei a história dele muito interessante amei!!!!!!!!!
14/março/2011

Quem Gosta

Seguidores