Hilda Hilst

Hilda Hilst
Hilda Hilst foi uma poeta, ficcionista, cronista e dramaturga brasileira. É considerada pela crítica especializada como uma das maiores escritoras em língua portuguesa do século XX.
Jabuti
Nasceu a 21 Abril 1930 (Jaú, São Paulo, Brasil)
Morreu em 04 Fevereiro 2004 (Campinas)
Comentários
Hilda Hilst (Jaú SP 1930) formou-se em direito na Universidade de São Paulo – USP, em 1948. Em 1950 foi lançado seu primeiro livro de poesia, Presságio. Na década de 1960 produziu oito textos para teatro; sua peça O Verdugo ganhou o Prêmio Anchieta de Teatro, em 1969. Entre 1970 e 1993 publicou dez livros de ficção, entre os quais Ficções, que ganhou o prêmio de melhor livro do ano (ficção) em 1977, concedido pela Associação Paulista dos Críticos de Arte. Na década de 1990 foi cronista do jornal Correio Popular, de Campinas SP. Em 1984 foi laureada com o Prêmio Jabuti de Poesia, para o livro Cantares de Perda e Predileção (1983). É autora de extensa obra poética, que inclui os livros Baladas de Alzira (1951), Sete Cantos do Poeta para o Anjo (1962), Da Morte. Odes Mínimas (1980), Bufólicas (1992) e Do Amor (1999). A poesia de Hilda Hilst geralmente é filiada à terceira geração do Modernismo. No entanto, segundo o crítico Léo Gilson Ribeiro, "Hilda Hilst mantém a singularidade de se ter mantido incólume a todos os modismos que marcaram a nossa poesia a partir de 1922".
Hilda Hilst nasceu em Jaú, São Paulo, em 1930. Estudou direito no Largo São Francisco, na Universidade de São Paulo e publicou o primeiro livro em 1950. Ainda que seus primeiros trabalhos tenham chamado a atenção de um crítico como Sérgio Buarque de Holanda, ela passaria a reunir sua obra poética a partir do volumeRoteiro do silêncio, de 1959. Entre seus trabalhos poéticos mais conhecidos, podemos mencionar os volumesTrovas de muito amor para um amado senhor (1961),Júbilo, memória, noviciado da paixão (1974),Da Morte. Odes mínimas (1980) eCantares do Sem Nome e de Partidas (1995).
 
 
 Foi ao fim da década de 60 e início da década de 70, no entanto, que Hilda Hilst transformou-se na escritora plural e versátil que faria dela uma das figuras mais produtivas da literatura brasileira das últimas décadas. Em dois anos, entre 1967 e 69, ela produz seus textos para o teatro. Em 1970, publica o primeiro trabalho em prosa, intituladoFluxo-Floema, que seria seguido por aquele que é um dos livros mais assombrosos do pós-guerra:Qadós (1973), além de A obscena senhora D (1982) eCom meus olhos de cão e outras novelas (1986).
 
 Já se escreveu algumas vezes sobre uma possível separação contraditória que alguns sentem entre sua prosa e sua poesia, cada qual apontando para tradições aparentemente distintas. Hilda Hilst costumava citar o senhor Caio ValérioCatulo (84 a.C. - 54 a.C.) como uma de suas principais referências poéticas. Quando se tratava da prosa, Hilst citava Samuel Beckett (1906 - 1989). Talvez os críticos que vêem esta aparente "contradição" entre sua poesia, muitas vezes classicizante, e sua prosa altamente experimental, deixem-se levar em demasiado pela "distância temporal" entre suas referências.
 
 
 Catulo, entre os chamados "poetas novos", privilegiava uma linguagem direta, e havia nele, a meu ver, uma alta consciência das limitações do ser humano, uma tentativa de aceitação de sua carnalidade e mortalidade, uma recusa da sublimação metafísica. Isto não estaria muito distante, talvez, do projeto de escritores "modernos" (o próprio Catulo foi assim chamado) como Samuel Beckett, milênios depois. Tanto Catulo como Beckett demonstravam suspeitar de grandiosidades metafísicas que, por ignorarem muitas vezes estas limitações carnais e mortais humanas, a eles pareciam falácias, ilusões que eles não se cansariam de satirizar.
 
 
 Gosto de pensar no trabalho de Hilda Hilst como um instante sutil de apagamento das fronteiras entre os gêneros literários. É claro que isso não ocorre em todos os seus textos. Mas seu trânsito entre gêneros nos romances é muito patente. Se o poeta é aquele que apresenta completa consciência da materialidade da linguagem, podemos sentir tal fator em todos os textos de Hilda Hilst, tanto os que apresentam quebras-de-linha (sendo assim chamados de poemas) ou os que se expandem em linhas até a margem direita da página, sendo chamados de textos em prosa. Ao mesmo tempo, se a poesia de Hilda Hilst apresenta uma limpidez sintática que a aproxima da prosa, sua prosa lança mão de uma densidade semântica que geralmente associamos à poesia. Em versos ou em sentenças, a textualidade em Hilda Hilst alcança um alto teor de materialidade linguística. São textos tesos e densos (talvez mais que concretos), como em Catulo e Beckett.
 
 
 E, como Catulo e Beckett, Hilst é uma escritora do riso angustiado. Pois é umaangst/angústia que perpassa toda a obra de Hilda Hilst, na qual a carnalidade e mortalidade humanas são reconhecidas, mas estão longe de serem aceitas.
 
--- Ricardo Domeneck