Manuel Alegre

Manuel Alegre

Manuel Alegre de Melo Duarte é um escritor e político português.

1936-05-12 Águeda
117571
2
72


Prémios e Movimentos

Camões 2017APE 1998

Alguns Poemas

Trova do vento que passa

Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz.

Pergunto aos rios que levam
tanto sonho à flor das águas
e os rios não me sossegam
levam sonhos deixam mágoas.

Levam sonhos deixam mágoas
ai rios do meu país
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz.

Se o verde trevo desfolhas
pede notícias e diz
ao trevo de quatro folhas
que morro por meu país.

Pergunto à gente que passa
por que vai de olhos no chão.
Silêncio - é tudo o que tem
quem vive na servidão.

Vi florir os verdes ramos
direitos e ao céu voltados.
E a quem gosta de ter amos
vi sempre os ombros curvados.

E o vento não me diz nada
ninguém diz nada de novo.
Vi minha pátria pregada
nos braços em cruz do povo.

Vi minha pátria na margem
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar.

Vi navios a partir
(minha pátria à flor das águas)
vi minha pátria florir
(verdes folhas verdes mágoas).

Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Eu vi-te crucificada
nos braços negros da fome.

E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste.

Ninguém diz nada de novo
se notícias vou pedindo
nas mãos vazias do povo
vi minha pátria florindo.

E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.

Quatro folhas tem o trevo
liberdade quatro sílabas.
Não sabem ler é verdade
aqueles pra quem eu escrevo.

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa.

Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

Poeta e político português, natural de Águeda. Frequentou a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, onde fundou o CITAC (Centro de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra) e participou no TEUC (Teatro de Estudantes da Universidade de Coimbra). Em 1962, alvo de mobilização pelo exército português, foi enviado para Angola. Aí, dirigiu uma tentativa de revolta militar contra a guerra colonial, pelo que foi preso pela PIDE e encarcerado em Luanda. Regressou a Portugal em 1964, sendo-lhe fixada residência em Coimbra e proibida a actividade política, que prosseguiu na clandestinidade e dentro do movimento estudantil. Partiu para o exílio em Paris e, em seguida, dirigiu em Argel a FPLN e a Rádio Voz da Liberdade. Regressou a Portugal após a revolução de 25 de Abril de 1974, época a partir da qual se envolveu na actividade política partidária, aderindo ao Partido Socialista. Eleito deputado em todas as eleições legislativas, é vice-presidente da Assembleia da República. Ocupou ainda os cargos de secretário de estado adjunto do primeiro-ministro, secretário de Estado da Comunicação Social e presidente da Comissão Parlamentar dos Negócios Estrangeiros, entre outros. Foi ainda director dos Serviços Criativos e Culturais da RDP e fundador dos Centros Populares 25 de Abril. No campo literário, colaborou na revista Vértice (Coimbra, 1963-1965). Na sua poesia estão presentes esforços de contestação e luta, as memórias do exílio e a temática da guerra colonial. A sua obra poética engloba Praça da Canção (1965, a sua primeira obra), O Canto e as Armas (1967), Rua de Baixo (1990), Com que Pena — Vinte Poemas Para Camões (1992), Sonetos do Obscuro Quê (1993), Coimbra Nunca Vista (1995), Trinta Anos de Poesia (1995), Senhora das Tempestades (1998, Prémio da Crítica, atribuído pelo Centro Português da Associação Internacional dos Críticos Literários e Grande Prémio de Poesia APE-CTT) e Obra Poética (1999, colectânea de poesia). As suas obras de ficção e memórias são Jornada de África (1989), O Homem do País Azul (1989), Alma (1995) e A Terceira Rosa (1998). Em 1997, foi ainda editado Contra a Corrente. Discursos e Textos Políticos. O seu primeiro livro para crianças, intitulado As Naus de Verde Pinho (1997), foi distinguido com o Prémio António Botto 97 de Literatura Infantil. Muitos dos poemas de Manuel Alegre foram musicados e cantados por figuras da música portuguesa, com destaque para Trova do Vento que Passa, que se tornou um hino da resistência anti-fascista. Em 1999, o escritor foi distinguido, em Veneza, com a medalha da cidade italiana. A homenagem coincidiu com o lançamento, em Itália, de L'Uomo del Paese Azzuro ( O Homem do País Azul). Ainda em 1999 recebeu o Prémio Pessoa 99, o maior prémio nacional destinado à área da ciência e da cultura e o Prémio Fernando Namora pela obra A Terceira Rosa. Manuel Alegre foi condecorado por Mário Soares com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, com a comenda da Ordem de Isabel a Católica e foi o primeiro a receber o Diploma de Membro Honorário do Conselho da Europa. Em Junho de 2000, Manuel Alegre abandonou Partido Socialista. Em Fevereiro de 2001, Alegre lançou o Livro do Português Errante, uma obra que manifesta o inconformismo e a luta por ideais que dignifiquem o ser
- - -
Manuel Alegre recita poema oferecido a Amália Rodrigues | Você na TV!
Manuel Alegre veio ao 5 defender as touradas e a caça | 5 Para a Meia-Noite | RTP
MANUEL ALEGRE - TEMPO DE ANTENA2
Letra Para Um Hino | Poema de Manuel Alegre com narração de Mundo Dos Poemas
Manuel Alegre - Trova Ao Vento Que Passa
E Alegre Se Fez Triste | Poema de Manuel Alegre com narração de Mundo Dos Poemas
Manuel Freire - "Pedro Soldado" poema de Manuel Alegre
Manuel Alegre | Prémio Vida e Obra 2019
Cerro Alegre / Pasaje San Agustín / Montralegre
Trova do Vento que Passa
Conversas Improváveis - José Cid e Manuel Alegre
Uma Flor De Verde Pinho | Poema de Manuel Alegre com narração de Mundo Dos Poemas
Trova Do Emigrante | Poema De Manuel Alegre com Narração De Mundo Dos Poemas
Direto | Intervenções de Stefan Löfven, Manuel Alegre, António Costa nas comemorações dos 50 Anos…
Prémio Autores 2019 Manuel Alegre
Abril De Abril | Poema de Manuel Alegre com narração de Mundo Dos Poemas
Manuel Alegre fala da prisão em Luanda
Manuel Alegre e Carlos Paredes - "Trova do vento que passa" do disco "É preciso um país" (1974)
Manuel Alegre e Carlos Paredes - "*No meu país ..." do disco "É preciso um país" (1974)
As Naus de Verde Pinho - Manuel Alegre (áudio)
Manuel Alegre e Carlos Paredes - "Lusíada exilado"do disco "É preciso um país" (1974)
TROVA DO VENTO QUE PASSA - Manuel Alegre com Carlos Paredes, e Amália Rodrigues
Manuel Alegre e Carlos Paredes - "Poemarma" do disco "É preciso um país" (1974)
Manuel Alegre e Carlos Paredes - "Abaixo El Rei Sebastião" do disco "É preciso um país" (1974)
Manuel Alegre e Carlos Paredes - "As mãos" do disco "É preciso um país" (1974)
Homenagem a Manuel Alegre no FIC 2017
Manuel Alegre e Carlos Paredes - "É preciso um país" do disco com o mesmo titulo (1974)
Tem A Palavra... Manuel Alegre
A Poesiu subiu ao Povo - Manuel Alegre e Paula Morão | Parte I
As mãos
Manuel Alegre :: Estou triste / Por Mário Viegas
Trova do Vento que passa Manuel Alegre
«Agora mesmo», Manuel Alegre
Poema Do Português Errante | Poema de Manuel Alegre com narração de Mundo Dos Poemas
Manuel Alegre e Carlos Paredes - "Peregrinação" do disco "É preciso um país" (1974)
Manuel Alegre e Carlos Paredes - "E o bosque se fez barco" do disco "É preciso um país" (1974)
Vai-se o canto vão-se as armas - Manuel Alegre
Manuel Alegre - Abril de abril
Manuel Alegre e as Touradas
Carlos do Carmo - "Uma flor de verde pinho" (Manuel Alegre e José Niza) 1976
MANUEL ALEGRE DESPEDE SE DO PARLAMENTO APOS 34 ANOS!
Recado a Manuel Alegre
Amália Rodrigues - Meu Amor é Marinheiro Letra: Manuel Alegre Música: Alain Oulman Teatro Record
Manuel Alegre - "Lisboa perto e longe" dito por Mário Viegas
Manuel Alegre - Cão Como Nós (booktrailer)
"As Naus de Verde Pinho", de Manuel Alegre, por Alexandre Chorão
TROVA AO VENTO QUE PASSA - Poesia de Manuel Alegre
Do Amor fica sempre uma canção | Um Poema de Manuel Alegre
Fado da promessa - Luiz Goes, Manuel Alegre
Manuel Alegre: "BPN mostra onde pode levar a promiscuidade entre política e negócios"
Salvador
Amigo de infância,um abraço te mando do teu grande amigo Salvador. Ainda me lembro das festa que davas ate as 5 da manha. Abraço
15/novembro/2022
The beard
Só queria também escrever poemas com este senhor, é um ídolo!
28/maio/2021
André Bôto
Sou fã e acompanho o trabalho. Um forte abraço!
28/maio/2021
Balbino
Um senhor estegrande Homem!
28/maio/2021
raiane silva cruz
lindo poema
08/maio/2020
Ana Luísa
Amigo meu de infância, bons tempos passados juntos. O teu amor de infância
12/março/2020
Pedro Albricoque
Este senhor era meu vizinho . Muito mal criado, festas até longas horas e tinha 5 mulheres ao mesmo tempo . Invejo .
12/março/2020
Julia Pinheiro
é mentira
09/fevereiro/2023

Quem Gosta

Seguidores