António Gedeão

António Gedeão

Rómulo Vasco da Gama de Carvalho, português, foi um químico, professor de físico-química do ensino secundário no Liceu Pedro Nunes e Liceu Camões, pedagogo, investigador de História da ciência.

1906-11-24 Lisboa, Portugal
1997-02-19 Lisboa
350257
14
194


Alguns Poemas

Poeta, professor e historiador da ciência portuguesa. António Gedeão, pseudónimo de Rómulo de Carvalho, concluiu, no Porto, o curso de Ciências Físico-Químicas, exercendo depois a actividade de docente. Teve um papel importante na divulgação de temas científicos, colaborando em revistas da especialidade e organizando obras no campo da história das ciências e das instituições, como A Actividade Pedagógica da Academia das Ciências de Lisboa nos Séculos XVIII e XIX. Publicou ainda outros estudos, como História da Fundação do Colégio Real dos Nobres de Lisboa (1959), O Sentido Científico em Bocage (1965) e Relações entre Portugal e a Rússia no Século XVIII (1979). Revelou-se como poeta apenas em 1956, com a obra Movimento Perpétuo. A esta viriam juntar-se outras obras, como Teatro do Mundo (1958), Máquina de Fogo (1961), Poema para Galileu (1964), Linhas de Força (1967) e ainda Poemas Póstumos (1983) e Novos Poemas Póstumos (1990). Na sua poesia, reunida também em Poesias Completas (1964), as fontes de inspiração são heterogéneas e equilibradas de modo original pelo homem que, com um rigor científico, nos comunica o sofrimento alheio, ou a constatação da solidão humana, muitas vezes com surpreendente ironia. Alguns dos seus textos poéticos foram aproveitados para músicas de intervenção. Em 1963 publicou a peça de teatro RTX 78/24 (1963) e dez anos depois a sua primeira obra de ficção, A Poltrona e Outras Novelas (1973). Na data do seu nonagésimo aniversário, António Gedeão foi alvo de uma homenagem nacional, tendo sido condecorado com a Grã-Cruz da Ordem de Sant'iago de Espada.
- - - - -
Rómulo de Carvalho e seu o amigo António Gedeão
MÃEZINHA, António Gedeão - Rute Miranda
PEDRA FILOSOFAL .wmv
Tempo de Poesia (António Gedeão)
Poema para Galileu de António Gedeão
Mário Viegas diz António Gedeão Poema para Galileo
Luísa - baseado na obra de António Gedeão
AURORA BOREAL de António Gedeão diz Luís Vinagre
António Gedeão - Poema do Alegre Desespero
Luís Cilia - António Gedeão Dez Reis de Esperança
Nuno Miguel Henriques diz poema «Amor Sem Tréguas» de António Gedeão
Amador sem coisa amada. (letra, António Gedeão-música, Valente Jorge).
Lágrima de Preta - Manuel Freire
Fala do Homem Nascido (1972) Calçada de Carriche (versão original) canta Carlos Mendes
35 investigadores lêem Poema para Galileo
Fala do Homem Nascido (1972) Poema do fecho éclair canta Carlos Mendes
Tonicha - Poema da Autoestrada
Manuel Freire - Poema da Malta das Naus (com ilustrações de biombos Namban)
Rómulo de Carvalho
Rómulo de Carvalho - Documentário 1-7
Rómulo de Carvalho - Documentário 2-7
Rómulo de Carvalho - Documentário 3-7
Rómulo de Carvalho - Documentário 4-7
Rómulo de Carvalho - Documentário 5-7
Rómulo de Carvalho - Documentário 6-7
Rómulo de Carvalho - Documentário 7-7
Rómulo De Carvalho .mp4
Pedra filosofal - António Gedeão (Com Letra)
Pensar Em Ti è Coisa Delicada | Poema de António Gedeão com narração de Mundo Dos Poemas
Fala Do Homem Nascido | Poema de António Gedeão com narração de Mundo Dos Poemas
Poema Do Afinal | Poema de António Gedeão com narração de Mundo Dos Poemas
MÃEZINHA, António Gedeão - Vitor D' Andrade
António Gedeão | Biografia
Antonio Gedão - Pedra filosofal.wmv
Poemas Das Flores | Poema de António Gedeão com narração de Mundo Dos Poemas
Arma Secreta | Poema de António Gedeão com narração de Mundo Dos Poemas
Amostra Sem Valor | Poema de António Gedeão com narração de Mundo Dos Poemas
Lágrima de Preta | António Gedeão
António Gedeão - "Poema para Galileu" dito por Mário Viegas
MÃEZINHA, António Gedeão - Rute Miranda
António Gedeão - Poema do Alegre Desespero
Pastoral | Poema de António Gedeão com narração de Mundo Dos Poemas
Mário Viegas diz António Gedeão Poema para Galileo
Poema para Galileu . António Gedeão
MÃEZINHA, António Gedeão - Rute Pimenta
Todo O Tempo É De Poesia | Poema de António Gedeão com narração de Mundo Dos Poemas
MÃEZINHA, António Gedeão - Leandro Morgado
Tenho Quarenta Janelas | Poema de António Gedeão com narração de Mundo Dos Poemas
CALÇADA DE CARRICHE, António Gedeão - Soares Teixeira
Carta Aberta | Poema de António Gedeão, com narração de Mundo Dos Poemas
Poema das árvores (António Gedeão) e Dia Mundial da Árvore
António Gedeão - Dez Réis de Esperança @semeandopoesia #poesia #shorts #portugal #poetaportugues
António Gedeão - Amador sem coisa amada @semeandopoesia #poesia #poema #shorts #poemadeclamado
MÃEZINHA, António Gedeão - Tiago Martins
Nuno Miguel Henriques diz poema «Amor Sem Tréguas» de António Gedeão
Pedra Filosofal- Manuel Freire canta António Gedeão
Poema de António Gedeão
António Gedeão - Calçada de Carriche
Biografia e Bibliografia de Antonio Gedeão
Manuel Freire - pedra filosofal / Pedro Barroso - menina dos olhos d´água (letra)
Poema do Coração
Manuel Freire - Pedra filosofal
António Gedeão - Poema da palavra exacta
Poema Do Alegre Desespero | Poema De António Gedeão Narrado Por Mundo Dos Poemas
"POEMA DO FECHO ÉCLAIR", António Gedeão - Soares Teixeira
"A UM TI QUE EU INVENTEI " - Poema de António Gedeão
Manuel Freire - "Poema da Morte na Estrada de Antonio Gedeão"
Manuel Freire - Pedra Filosofal
Arma Secreta - António Gedeão
nariz vermelho António Gedeão
António Gedeão - MÃEZINHA | Rute Pimenta
"Poema do Gato", de António Gedeão, ao som de "Lundu Carioca", de Maria de Mattos Priolli , ao piano
António Gedeão, "Poema dos Passarinhos Antigos"
"Calçada de Carriche" – António Gedeão.
Pedra Filosofal - António Gedeão (declamado)
Amostra sem valor - (António Gedeão) poema narrado por Ema Machado
166 - Poema do gato - António Gedeão
Sara
Poema inspirador
28/novembro/2023
ilfr
POETA, homem com muita lucidez.. Além do seu tempo. Intemporal. Com um saber do sofrimento e consciência das fragilidades pessoais. A interpretação da "Pedra Filosofal" foi um dos trabalhos impostos pela minha professora de Português em 1972. Depois descobri a sua obra. Ainda adolescente. E até hoje com mais de 60 anos , há um poema perturbante. Não é a "lagrima de preta". Essa actualmente é banal, na altura não era. È a "aguazinha": Já não me lembro da letra toda.
" OH minha aguazinha, faz com que eu não sinta, faz com que eu não minta , com que não odeie"
Àguazinha querida, compromisso antigo, dissolve-me a vida, leva-me contigo, no berço das algas; que o sal com que salgas, seja o meu vestido."



08/setembro/2021
i love you
estou a fazer copi pass para um trabalho de portugues . corona
02/março/2021
-
euskadia
... eles sabem que a actividade onírica é intrínseca de cada Ser, que, vigilante e sonhador, o Ser nunca pode ser destronado do seu carácter pensante, uno e crítico
06/agosto/2020
-
mgenthbjpafa21
Quando era novo sorria com o poema da auto estrada, e o meu eu antigo evitava ler o que sabia estar ao nosso redor, tudo aquilo que em todo o tempo se sofreu, e carregamos, cada um a sua parcela. Atlas. O mundo pesa e as costas vergam, e nâo só as minhas...
24/maio/2020
Hahaha
Adorei
20/janeiro/2020
Guilherme
Que poema lindoq
20/janeiro/2020
MELO
ESTOU FAZENDO UMA APRESENTAÇÃO ORAL ESTA INFORMAÇÃO VAI DAR CÁ UM JEITO
29/agosto/2019
MC BRUNINHO
Que legal tou pensando fazer um funk com isso daqui!
31/outubro/2018
Natalia ferreira
adoro te tóninho és o meu amor meto os dedos só a ouvir os teus poemas
10/outubro/2018
lol
ta fixe
24/novembro/2017
Maria Melita
Belo, simplesmente belo
24/novembro/2016
bia louripan
gostoso
03/novembro/2015
Miguel Cabeceiras de Basto
Adoro os poemas de Antonio Gedeão
21/maio/2011
miguel cabeceiras de basto
gostei do poema "lagrima de preta
21/maio/2011
VR24
"A lagrima da Preta" e um poema giro
09/maio/2011
Oriana 7c nº20 eb 2/3 de agrela
adorei os textos e poemas principalmente o poema "A Lágrima de Preta"
11/fevereiro/2011

Quem Gosta

Seguidores