228 online
Clara
Escura
Português
Español
English

Sirlânio Jorge Dias Gomes (R)

Sirlânio Jorge Dias Gomes (R)
Ver Perfil - sirlanio2017
Nasceu a 14 Abril 1972
(Minas Gerais)
Abre a mente ao que eu te revelo e retém bem o que eu te digo, pois não é ciência ouvir sem reter o que se escuta.(Dante Alighieri) Um homem apaixonado por poesia. Tento traduzir os pensamentos na fidelidade que estes me concebem.Não tenho a pretensão de ser poeta,e se por acaso as palavras me metamorfosear em algo parecido,não me culpe;apenas me perdoe.(Sirlânio Jorge Dias Gomes)
85436 visualizações
17 2 2
 

Senzala


Fastio de horrores, 
Palcos silencioso de dores, 
Corações ensanguentados, 
Estirados em desonra; 
Caos de almas sofridas, 
Zombaria de seres empedernidos. 
Quem te feriu? 
Filhos adotivos da cobiça! 
Cordões umbilicais dilacerados, 
Povo em ódio encarcerado,
Não há rima neste poema, 
Dilema dos desesperados. 
Não há beleza, 
Nesta inocência de raízes cortadas,
Estes versos escarlate, 
Disparate em corpos mutilados, 
Passado e  presente descontente, 
Preconceitos envolventes, 
De razões incoerentes. 
Pastos de gentes sem pudores, 
Sem alma que os sustente, 
Ignorâncias pertinentes, 
Vomitando insanidades, 
Senzalas dos povos, 
De todos os dias, 
Gentilezas disfarçadas em covardia. 
Choros eloquentes ecoam, 
Sem ter quem os escute, 
Morrendo sem causa e direitos, 
Em sepulturas vazias, 
Profanadas do amor em suas vidas.