Sousândrade

Sousândrade

1833-07-09 Vila dos Guimarães [Guimarães] MA
1902-04-20 São Luís
59303
1
20


Prémios e Movimentos

Romantismo

Alguns Poemas

Canto Primeiro

Eia, imaginação divina!
Os Andes
Vulcânicos elevam cumes calvos,
Circundados de gelos, mudos, alvos,
Nuvens flutuando — que espetac'los grandes!

Lá, onde o ponto do condor negreja,
Cintilando no espaço como brilhos
D'olhos, e cai a prumo sobre os filhos
Do lhama descuidado; onde lampeja

Da tempestade o raio; onde deserto,
O azul sertão, formoso e deslumbrante,
Arde do sol o incêndio, delirante
Coração vivo em céu profundo aberto!

.............................................

"Nos áureos tempos, nos jardins da América
Infante adoração dobrando a crença
Ante o belo sinal, nuvem ibérica
Em sua noite a envolveu ruidosa e densa.

"Cândidos Incas! Quando já campeiam
Os heróis vencedores do inocente
Índio nu; quando os templos s'incendeiam,
Já sem virgens, sem ouro reluzente,

"Sem as sombras dos reis filhos de Manco,
Viu-se... (que tinham feito? e pouco havia
A fazer-se...) num leito puro e branco
A corrupção, que os braços estendia!

"E da existência meiga, afortunada,
O róseo fio nesse albor ameno
Foi destruído. Como ensanguentada
A terra fez sorrir ao céu sereno!

"Foi tal a maldição dos que caídos
Morderam dessa mãe querida o seio,
A contrair-se aos beijos, denegridos,
O desespero se imprimi-los veio, —

"Que ressentiu-se, verdejante e válido,
O floripôndio em flor; e quando o vento
Mugindo estorce-o doloroso, pálido,
Gemidos se ouvem no amplo firmamento!

"E o Sol, que resplandece na montanha
As noivas não encontra, não se abraçam
No puro amor; e os fanfarrões d'Espanha,
Em sangue edêneo os pés lavando, passam.

"Caiu a noite da nação formosa;
Cervais romperam por nevado armento,
Quando com a ave a corte deliciosa
Festejava o purpúreo nascimento."

Assim volvia o olhar o Guesa Errante
Às meneadas cimas qual altares
Do gênio pátrio, que a ficar distante
S`eleva a alma beijando-o além dos ares.

E enfraquecido coração, perdoa
Pungentes males que lhe estão dos seus —
Talvez feridas setas abençoa
Na hora saudosa, murmurando adeus.

* * *

Imagem - 00310001


Publicado no livro Impressos (1868/1869). Poema integrante da série Guesa Errante.

In: SOUSÂNDRADE. O Guesa. Londres: Cooke e Halsted, The Moorfields Press, 1888

NOTA: Poema inacabado, composto de 13 canto

Harpa XXXV - Visões

..........................................
Mas, o rio que passa azul, vermelho,
Conforme a cor do céu, quem foi que o fez?
Quem é que do despenho alcantilado
Leva-o saudar os campos e esses vales?
E este vento que me açoita as faces
De condenado e arranca-me os cabelos?
E este coro florestal da terra,
Solene e cheio, como dos altares,
Vozes, órgãos, incenso todo o templo?
Este meu pensamento pressuroso
Rolando dentro em mim? este meu corpo
Ninho dessa ave de tão vastas asas?...
Quanto é sublime todo este universo!
Quem te negara o ser? — quando houve tempo
Quando nada existiu, que tudo fez-se!
Mas, o infinito compreender não posso.
Donde saíste, Deus, onde vivias,
Rodeado do espaço? ele gerou-te
Por dominá-lo sol onipotente?
Mais ele fora. Não. Acaso o caos,
Revolvido incessante às tempestades,
Estalado em lascões, lavas brilhantes
Outras térreas, librando-se embaladas
Nas asas da atração fraterna entre elas,
Qual presas pelas mãos por não perderem-se,
Ordenou-se por si? ou fora acaso
A criação fatal, tudo se erguendo
Segundo as circunstâncias? Oh, inferno
Da obscura razão — mofa, ludíbrio
Com que Deus pisa o homem! Um Deus fez tudo!
Um Deus... palavra abstrata, incompreensível...
Mas a sinto tão ampla, que me perde!
— E então, quem aos mares suspendidos
A verdura defende, e que se atirem
Uns astros sobre os outros? Deus...um Deus
Ao sol dá cetro e luz, asas ao vento,
Leito às águas dormir, delírio ao homem
Quando queira abraçá-lo. Dorme o infante
Sob os pés de sua mãe, que ama e não sabe:
A natureza ao Criador se humilhe.
Não tenho alma infinita, porque é cega
À verdade imortal: visse ela o eterno —
Quanto eu amara! quanto — Eu sou bastardo,
Não sei quem são meus pais... se amar não posso,
A existência me enfada: enjeito-a, e morro!

(...)

Imagem - 00310003


Poema integrante da série Noites.

In: SOUSÂNDRADE. Harpas selvagens. Rio de Janeiro: Laemmert, 1857

Harpa XXXIV - Visões

(...) Eu despertava em meu delírio
Ante a realidade! a virgem morta,
Pálida e fria a reconheço, eu rujo!
E de homem ver-me, comecei chorar.
— Quis seu corpo aquecer sobre o meu corpo;
Uni sua boca à minha, a voz lhe dando,
Que o túmulo não guarda. Em verdes folhas
Nua deitei-a, as mãos postas, e as tranças
Escorreram-lhe em torno. Dias, dias
Preso a seus pés levei a contemplá-la!
Grandes e abertos sobre mim ficaram
Seus olhos fixos e vidrados, longos
Como a meditação de uma sentença!

(...)
Eu vi! — seu corpo transparente inchando;
Perderem-se os seus olhos nas suas faces;
Humor fétido escoa-se da carne,
Tão pura e fresca, tão cheirosa inda ontem,
Que ela amou apertar em mim, d'insonte
Frenética de amor, nervosa e trêmula!
Formosa ondulação das castas ancas,
Dos seios virginais, da alva cintura
Bela voluptuosa... disformou-se
Em repugnante, (quem a vira e amara!)
Em nojenta, esverdeada, monstruosa
Onda de podridão! Zumbiam moscas,
Famintos corvos sobre mim se atiram,
Recurvas unhas regaçando e abrindo
Negras asas e o bico, triunfantes
Soltando agouros! Eu a defendia
Da ave e do inseto, que irritados vêem-me.

(...)

(...) Eu quis limpá-la
Desses monstros horríveis, que a comiam
Diante mim! porém, tudo era imundícia,
Oh! quantas vezes me lancei sobre ela,
Julgando tudo amores, tudo encantos
Dela emanando em límpidos arroios!
Fujo de nojo... de piedade eu volto...
Depois, como as enchentes pluviais
Escoando, que os troncos já se amostram,
Seus ossos vão ficando descobertos.
Oh! mirrado eu fiquei do sofrimento,
De tanta dor curtir! E tu, ó Deus,
Que tudo acabas, sofrerás também?
Porque tão miseráveis nos fizeste,
Deus d'escárnio? teus filhos nós não somos...
Que sorte de alimento ou de deleite
Encontras na desgraça desumana?

Belo horror da existência — formosura,
Filha da natureza engrandecida
No seu pecado e morte, meteoro
Enganoso da noite, flor vermelha
Em veneno banhada, mulher bela!
— Tudo ali 'stá! — ó mundo! mundo... mundo...

(...)
Embalde interroguei mudo cadáver,
E os ossos amarelos nem respondem!
Mas, aqui a mulher não é perjura:
Só lembrança de amor santo evapora —
A beleza se forma ao pensamento,
À saudade suas véstias se derramam.

(...)

Imagem - 00310001


Poema integrante da série Noites.

In: SOUSÂNDRADE. Harpas selvagens. Rio de Janeiro: Laemmert, 1857
Sousândrade (Vila dos Guimarães [Guimarães] MA, 1833 - São Luís MA, 1902) formou-se em Letras pela Sorbonne e em Engenharia de Minas, em Paris (França), entre 1853 e 1857. Publicou seu primeiro livro de poesia, Harpas Selvagens, em 1857. Viajou por vários países até fixar-se nos Estados Unidos, onde publicou a obra poética O Guesa, sucessivamente ampliada e corrigida nos anos seguintes. No período de 1871 a 1879 foi secretário e colaborador do periódico O Novo Mundo, dirigido por José Carlos Rodrigues em Nova York (EUA). Republicano, em 1890 foi presidente da Intendência Municipal de São Luís MA. Realizou a reforma do ensino, fundou escolas mistas e idealizou a bandeira do Estado. Foi candidato a senador, em 1890, mas desistiu antes da eleição. No mesmo ano foi presidente da Comissão de preparação do projeto da Constituição Maranhense. Lecionou Língua Grega no Liceu Maranhense, também em 1890. Sua obra poética inclui ainda Harpa de Oiro, 1889/1899, publicado postumamente, em 1969, e Inéditos, publicado em 1970. Sobre sua poesia, o poeta Augusto de Campos afirmou: "no quadro do Romantismo brasileiro, mais ou menos à altura da denominada 2ª geração romântica (conceito cronológico), passou clandestino um terremoto. Joaquim de Sousa Andrade, ou Sousândrade, como o poeta preferia que o chamassem, agitando assim, já na bizarria do nome, aglutinado e acentuado na esdrúxula, uma bandeira de guerra." Foi um poeta extremamente inovador para seu tempo, cuja obra apenas recentemente passou a ser estudada.
-
Banca Fundação Sousandrade | Questões Comentadas de Informática Básica para Concurso Público
Rumo à Posse #128 - SOUZÂNDRADE - Comentário + Questões - Português para Concursos
DICA 05 - Prova da Fundação Sousândrade - Língua Portuguesa - Yara Coeli
O GUESA - SOUSÂNDRADE - ANÁLISE - VESTIBULAR UNIOESTE 2023 2024 2025
Língua Portuguesa Sousândrade - Parte 1
#1 Questões de Português da banca FSADU - Concurso da Câmara de São Luís / MA
Dicas de Matemática para a FSADU - Com resolução
Lei 8.112/90 Questões comentadas da Fundação Sousandrade
Apresentação sobre o poeta brasileiro Sousândrade
Português em questões Sousândrade - Parte 3
Questões de Português da banca FSADU #2
SOUSANDRADE
Análise de questões FSADU- Organizadora do Concurso da Prefeitura Municipal do Itinga.
sousandrade
SOUSÂNDRADE
Sousandrade ever new (Augusto de Campos)
Romantismo no Brasil - Sousândrade
COPA AABB 2023 | ETFMA 110 vs 48 SOUSANDRADE
Aula sobre Sousândrade
sousandrade & untilde - bibimbap (#renoise #breakcore #idm)
DICA 04 - Noções de Informática - Gilson Fernandes
sousandrade Master
FSADU - Informática básica para concursos públicos
Questão Concurso - Matemática Básica - (banca fsadu).
sousandrade x CEFET 2 quarto
Questão de Concurso - Matemática. Banca FSADU.
AABB vs SOUSANDRADE | RESUMO DO 1° Quarto
Conheça a FSADU
Sousândrade - Eu Vi A Flor Do Céu
Língua Portuguesa em Questões Sousândrade - Parte 2
Fondo Editorial presentó el libro “Sousandrade y el Perú" del escritor Carlos Torres
FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE
3 Quarto sousandrade x CEFET
Agenda tuber AABB vs SOUSANDRADE 3 quarto
QUESTÕES MAIS COBRADAS EM CONCURSOS | INFORMÁTICA PARA CONCURSOS
O louco do sousandrade
Sousandrade
Sousândrade
ETFMA vs SOUSANDRADE
AMISTOSO | ETFMA vs SOUSANDRADE | 5 de setembro de 2023
SOUSÂNDRADE - Amo-te (poema recitado)
Harpa de ouro de Sousandrade ( por: Marina Letícia )
Informática Básica para Concurso Público | Questões Comentadas sobre Noções de Informática
CBMGO 2010 | Matemática - Fundação Sousandrade - Aspirante do Corpo de Bombeiros | Professor Bomfim
O Guesa de Sousândrade à luz da hermenêutica de Paul Ricoeur | Com Rita de Cássia Oliveira
Sousândrade | História Sociedade & Cidadania
VDR 24/10/18 | ESPETÁCULO " O GUESA ERRANTE - CANTO TERRA
A Tática que eu utilizei para ser APROVADO no Concursos de Prefeitura
Português para CONCURSOS - Fundação SOUSÂNDRADE
4 Q sousandrade master x cefet

Quem Gosta

Seguidores