Wisława Szymborska

Wisława Szymborska

Wisława Szymborska, Maria Wisława Anna Szymborska foi uma escritora polaca galardoada com o Prémio Nobel na área de literatura (1996). Poetisa, crítica literária e tradutora, viveu em Cracóvia, onde se formou em Filologia Polaca e Sociologia pela Universidade Jaguellonica. A sua extensa obra, traduzida em 36 línguas, foi caracterizada pela Academia de Estocolmo como «uma poesia que, com precisão irónica, permite que o contexto histórico e biológico se manifeste em fragmentos da realidade humana», tendo sido a poetisa definida, como «o Mozart da poesia»

1923-07-02 Kórnik
2012-02-01 Cracóvia
40736
2
25


Prémios e Movimentos

Nobel 1996

Alguns Poemas

A mulher de Lot

Dizem que olhei para trás curiosa.
Mas quem sabe eu também tinha outras razões.
Olhei para trás de pena pela tigela de prata.
Por distração – amarrando a tira da sandália.
Para não olhar mais para a nuca virtuosa
do meu marido Lot.
Pela súbita certeza de que se eu morresse
ele nem diminuiria o passo.
Pela desobediência dos mansos.
Alerta à perseguição.
Afetada pelo silêncio, na esperança de Deus ter mudado de ideia.
Nossas duas filhas já sumiam para lá do cimo do morro.
Senti em mim a velhice. O afastamento.
A futilidade da errância. Sonolência.
Olhei para trás enquanto punha a trouxa no chão.
Olhei para trás por receio de onde pisar.
No meu caminho surgiram serpentes,
aranhas, ratos silvestres e filhotes de abutres.
Já não eram bons nem maus –simplesmente tudo o que vivia
serpenteava ou pulava em pânico consorte.
Olhei para trás de solidão.
De vergonha de fugir às escondidas.
De vontade de gritar, de voltar.
Ou foi só quando um vento me bateu,
despenteou o meu cabelo e levantou meu vestido.
Tive a impressão de que me viam dos muros de Sodoma
e caíam na risada, uma vez, outra vez.
Olhei para trás de raiva.
Para me saciar de sua enorme ruína.
Olhei para trás por todas as razões mencionadas acima.
Olhei para trás sem querer.
Foi somente uma rocha que virou, roncando sob meus pés.
Foi uma fenda que de súbito me podou o passo.
Na beira trotava um hamster apoiado nas duas patas.
E foi então que ambos olhamos para trás.
Não, não. Eu continuava correndo,
me arrastava e levantava,
enquanto a escuridão não caiu do céu
e com ela o cascalho ardente e as aves mortas.
Sem poder respirar, rodopiei várias vezes.
Se alguém me visse, por certo acharia que eu dançava.
É concebível que meus olhos estivessem abertos.
É possível que ao cair meu rosto fitasse a cidade.


(tradução de Regina Przybycien)


Gente na ponte

Estranho planeta e nele estranha gente.
Cedem ao tempo e não o querem reconhecer.
Têm maneiras de mostrar como se opõem.
Fazem desenhos como o que se segue:

Nada de especial à primeira vista.
Vê-se a água.
Vê-se uma de suas margens.
Uma canoa que com dificuldade avança na corrente.
Sobre a água uma ponte e gente nessa ponte.
Gente que nitidamente acelera o passo
porque de uma nuvem negra
a chuva desatou forte a fustigar.

O que há nisto de especial é que isto é tudo.
A nuvem não muda de forma nem de cor.
A chuva não cai mais forte nem se interrompe.
A canoa navega imobilizada.
Essa gente na ponte vai correndo
no exacto lugar de há um bocado.

É difícil deixar de comentar:
Não é de modo algum um desenho inocente.
Aqui o tempo foi suspenso.
Deixaram de contar com os seus direitos.
Privaram-no de influência sobre os acontecimentos.
Menosprezam-no e insultaram-no.

Por conta de um rebelde,
um tal de Hiroshige Utagawy
(ser este que de resto
já há muito e como devia ser se foi)
o tempo tropeçou e caiu.

Talvez se trate só de uma partida insignificante,
um cisco apenas à escala das galáxias,
pelo sim, contudo, e pelo não
acrescentemos o que segue:

Revela-se aqui ser de bom-tom
apreciar devidamente este desenho,
fascinar-se a gente com ele e comover-se há gerações.

Há aqueles para os quais nem isto basta.
Chegam até a ouvir a chuva murmurar,
sentem-lhe o frio nas costas e pescoços,
olham a gente e a ponte
como se também se vissem nela,
no mesmo correr para o que nunca é mais que isso,
uma estrada sem fim, a vencer pelos séculos,
e crêem na sua desfaçatez
que é isso na realidade o que acontece.



Traduções de Júlio Sousa Gomes, publicadas no livro Paisagem com Grão de Areia, Lisboa: Relógio d’água, 1996.
Wislawa Szymborska nasceu em 1923, na cidade de Kórnik, na Polônia. Quando ainda criança, sua família mudou-se para Cracóvia, um dos mais ativos centros culturais da Polônia, e a poeta cresceria e permaneceria toda a sua vida nesta cidade. Sua vida literária e artística inicia-se durante a Segunda Guerra Mundial, enquanto segue com sua educação nos anos subterrâneos da resistência cultural polonesa contra a ocupação nazista. Com o fim da guerra, passa a estudar sociologia, além de língua e literatura polonesas, na Universidade de Cracóvia.
 
 
 Seu primeiro livro é proibido pela censura do regime comunista por não estar de acordo com os regulamentos da literatura socialista. Tenta conformar-se às regras para conseguir publicar, rejeitando mais tarde, a partir da década de 50, a ideologia político-estética socialista. Nega seus dois primeiros livros e “reinicia” sua obra com o volumeWolanie do Yeti (Chamando Yeti), de 1957. Em 1962, chama a atenção da comunidade poética polonesa com o pequeno volumeSól (Sal). Desde então, seu trabalho espraia-se por pouco mais de 10 volumes de poemas, o último tendo sido publicado em 2009, com o títuloTutaj (Aqui). Wislawa Szymborska era uma discreta poeta polonesa até tornar-se mundialmente conhecida em 1996, ao vencer o Prêmio Nobel de Literatura.
 
 
 
 Para contextualizarmos o trabalho de Wislawa Szymborska em seu momento histórico-poético, teríamos que compreender que este surge em um período confuso e de classificação ainda polêmica quando, no pós-guerra, muitos poetas modernistas ainda estavam vivos e produzindo suas maiores obras, e uma nova geração começava a formar-se, alguns buscando ser ainda "altos modernistas", outros seguindo tendências menos conhecidas dos movimentos de vanguarda e retaguarda do início do século XX. Wislawa Szymborska é contemporânea de poetas como João Cabral de Melo Neto, Paul Celan, Frank O´Hara, Robert Creeley e Ingeborg Bachmann, que retomam o trabalho literário dos primeiros modernistas. Ao mesmo tempo, é contemporânea de poetas experimentais como Henri Chopin e Bob Cobbing, mostrando a pluralidade poética do pós-guerra como algo muito mais complexo do que nossa tentativa de abarcá-la sob a sombrinha do conceito de "pós-modernismo".
 
 
 Talvez seja uma das últimas representantes de algumas das tendências do que geralmente chamamos, no singular, de Alto Modernismo. Com um humor muitas vezes autodepreciativo, a ironia é uma de suas ferramentas favoritas. Há um texto interessante de W.H. Auden em que ele discute traduções do trabalho de Konstantínos Kaváfis para o inglês, comentando o módulo de pensamento do poeta grego que, segundo Auden, permitia reconhecermos um poema de Kaváfis em qualquer língua, não por um estilo específico do que nós hoje chamaríamos de materialidade sígnica de sua linguagem poética, mas por certo tom e forma de pensamento que tornavam seus poemas únicos e ao mesmo tempo compreensíveis em outras culturas e línguas. Sem conhecer polonês, torna-se impossível julgar a materialidade sígnica da poesia de Wislawa Szymborska. Pergunto-me, porém, se poderíamos falar de seu trabalho em termos parecidos aos de Auden sobre Kaváfis. Tendo lido traduções para poemas da polonesa em português, inglês, espanhol e alemão, e reconhecendo sempre este "módulo de pensamento", este "tom" inconfundível, poderia dizer que Szymborska é um belíssimo exemplo do "verso livre" que depende de um talento poético invulgar em seus mais sutis artifícios.
 
 
 No ano passado, a Companhia das Letras lançou uma antologia dos poemas da polonesa no Brasil, com traduções de Regina Przybycien.
 
 
 Wislawa Symborska morreu há dois dias, em sua Cracóvia de eleição, a 1° de fevereiro de 2012. AModo de Usar & Co. lamenta imensamente esta gigantesca perda.
 
 
--- Marília Garcia e Ricardo Domeneck.
 
 
Wisława Szymborska - Nic dwa razy się nie zdarza ( DJ AdiK Blend )
Wisława Szymborska- ,,Perspektywa"
Wisława Szymborska - Miłość szczęśliwa
Wisława Szymborska and Ewa Lipska (English subs)
Nic dwa razy się nie zdarza - Wisława Szymborska
Wisława Szymborska czyta wiersz "Kot w pustym mieszkaniu"
Wisława Szymborska- ,,Miłość od pierwszego wejrzenia"
Jaka była naprawdę Wisława Szymborska?
Wisława Szymborska | Trochę o duszy
sanah "Nic dwa razy" (W. Szymborska)
Wisława Szymborska - Miłość prawdziwa ( DJ AdiK Blend )
Wisława Szymborska. Niektórzy lubią poezję
Wisława Szymborska
Wisława Szymborska - Nienawiść
Nasza polska poetka Wisława Szymborska cytaty "Przepraszam dawną miłość, za.." piękne życiowe cytaty
WISŁAWA SZYMBORSKA. IL CAOS, I SOGNI E LE CIANFRUSAGLIE DELLA VITA
Leszek Żebrowski - pseudoautorytet Wisława Szymborska
Wisława Szymborska - Tutaj/Here
"Mała dziewczynka ściąga obrus" – czyta Wisława Szymborska
Cebula - Wisława Szymborska
Mieszkanie Wisławy Szymborskiej w Krakowie. Home tour z Michałem Rusinkiem
Wisława Szymborska - laureatka Nagrody Nobla
Wisława Szymborska "Rozwód", wyk. Marek Wysocki
Wislawa Szymborska leyendo su poema "Nada sucede dos veces" | MÁS LITERATURA
O Wisławie Szymborskiej
Wisława Szymborska - "Jacyś Ludzie"
Wisława Szymborska - "Negatyw"
Wisława Szymborska - Ludzie na moście
Ostatnie pożegnanie Wisławy Szymborskiej, "Chwilami życie bywa znośne"
Wisława Szymborska o twórczości Kornela Filipowicza
„UTOPIA” Wisława Szymborska #71 POLSKI Z PASJĄ
#45 prof. Piotr Śliwiński - "Wisława Szymborska - wielkość na ludzką miarę"
Portret kobiecy. Nowa kampania #BiżuteriaYES #JestemKobietą
Chwilami życie bywa znośne: Wisława Szymborska o Kornelu Filipowiczu
Wisława Szymborska, Właściwie każdy wiersz
WISŁAWA SZYMBORSKA - analiza twórczości - lektury, liceum - audiobook - @nauqa
Niektórzy lubią poezję, Wisława Szymborska
Wisława Szymborska - "Bal"
Złote Myśli. Cytaty Wisławy Szymborskiej.
Wisława Szymborska "Dłoń"
Odifreddi legge a "88 poetesse" la poesia "Pi Greco" di Wislawa Szymborska
The End and the Beginning by Wisława Szymborska
Małpa x Wisława Szymborska - Cisza (Prod by dennis7)
Licia Maglietta legge Wisława Szymborska al Festival Incontrarsi a Salsomaggiore
Wisława Szymborska- "Nic dwa razy"
Wisława Szymborska - Biografia
Portret kobiecy / Wisława Szymborska
Wisława Szymborska - Myśli nawiedzające mnie na ruchliwych ulicach
Wislawa Szymborska | Poeta do Mês
PBS NewsHour: "Hatred" by Wisława Szymborska

Quem Gosta

Seguidores