Nuno Júdice

Nuno Júdice

Nuno Júdice é um ensaísta, poeta, ficcionista e professor universitário português. Licenciou-se em Filologia Românica pela Universidade de Lisboa e obteve o grau de Doutor pela Universidade Nova.

1949-04-29 Mexilhoeira Grande
2024-03-17
381302
15
310


Alguns Poemas

Escritor, poeta e ensaísta português, natural de Mexilhoeira Grande, Portimão. Estudou Filologia Românica na Universidade de Lisboa, vindo depois a ser professor do ensino secundário. Actualmente, é professor da Universidade Nova de Lisboa, onde se doutorou em 1989 com uma tese sobre Literatura Medieval. Colaborou ainda nas publicações O Tempo e o Modo e Jornal de Letras. A partir de 1997, passou a desempenhar, em Paris, os cargos de conselheiro cultural da embaixada portuguesa e delegado do Instituto Camões. Publicou um livro de divulgação da literatura portuguesa do séc. XX em França: Voyage dans un siècle de littérature portugaise (1993) reeditado e revisto na edição portuguesa Viagem por um século de literatura (1997). Tem livros traduzidos em Espanha, Itália, Venezuela, Inglaterra e em França, onde está publicado na colecção Poésie/Gallimard com Un chant dans l'epaisseur du temps. Foi nomeado Conselheiro Cultural da Embaixada de Portugal e Director do Instituto Camões, em Paris É o comissário para a área da Literatura de «Portugal como país-tema da 49.ª Feira do Livro de Frankfurt». Tem escrito obras de ficção, como Plâncton (1981), A Manta Religiosa (1982), O Tesouro da Rainha de Sabá (1984), Vésperas de Sombras (1999) e Por Todos os Séculos (1999); Publicou o primeiro livro de poesia em 1972: A Noção do Poema. Seguiram-se Crítica Doméstica dos Paralelipípedos (1973), O Mecanismo Romântico da Fragmentação (1975), O Voo de Igitur Num Copo de Dados (1981), A Partilha dos Mitos (1982), Lira de Líquen (1985, Prémio Pen Club Português), A Condescendência do Ser (1988), Enumeração de Sombras (1989), As Regras da Perspectiva (1990), Um Canto na Espessura do Tempo (1992), Meditação sobre Ruínas (1994, Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores, 1995), O Movimento do Mundo (1996), A Fonte da Vida (1997), Raptos/Enlévements/Kidnappings (1998, poemas escolhidos, com ilustrações de Jorge Martins), Teoria Geral do Sentimento (1999), Linhas de Água (2000) e A Árvore dos Milagres (2000). De entre as suas obras de ensaio destacam-se A Era do «Orpheu» (1986), O Espaço do Conto no Texto Medieval (1991), O Processo Poético (1992) e As Máscaras do Poema (1998), sendo esta última obra uma recolha de muitos dos seus textos de ensaio e crítica. Em 1996, foram lançadas as revistas Tabacarias dirigidas pelo escritor. Recebeu os mais importantes prémios de poesia portugueses: Pen Clube (em 1985), D. Dinis da Fundação Casa de Mateus (1990) e da Associação Portuguesa de Escritores (1994), este último com o livro Meditação sobre Ruínas que foi finalista do Prémio Europeu de Literatura, Aristeion. Nuno Júdice recebeu ainda o Prémio de Poesia Pablo Neruda e o Prémio da Fundação da Casa de Mateus. Em 2001, publicou Pedro, Lembrando Inês e Cartografia de Emoções, um livro de poesia. No mesmo ano, Rimas e Contas, integrada na colectânea Poesia Reunida 1976/2000, foi reconhecida com o Prémio Crítica 2000, pelo Centro Português da Associação Internacional dos Críticos Literários (AICL)
- - - -
Génesis (Nuno Júdice, Portugal)
A Forma Que Tens De Me Olhar | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
Por Isso Te Encontro | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
É Isto O Amor | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
Um Amor | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
O Lugar Das Coisas | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
Um amor | Nuno Júdice
Verbo | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
Levo Comigo Tudo O Que Recuso | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
Até Ao Fim | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
Traversée - Nuno Judice
E Tudo Recomeça | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
Charla con Nuno Júdice
Nunca São As Coisas Mais Simples | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
Nuno JÚDICE – Un anti-Pessoa ? (France Culture, 1999)
Pedro lembrando Inês | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
Um Encontro No Canto Da Memória | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
FLIQ 2019 | 2.º DIA | Homenagem a Nuno Júdice
Museu Infinito - Nuno Júdice
Nuno Júdice :: Epitáfio para uma Europa
Plano | Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
A Mulher Que Acorda Pede À Noite ...| Poema de Nuno Júdice com narração de Mundo Dos Poemas
Nuno Júdice lê poema Nocturno
Nuno Júdice; Sul
#leremqualquerlugar Sara Loureiro lê Nuno Júdice
Lettre d'automnne, Nuno Júdice
Lectura de poemas y entrevista con Nuno Júdice (Portugal)
El MICRO de la Feria, Nuno Júdice
Um amor - Nuno Júdice
Dor e Amor, nº3 Carlos Marecos, poema de Nuno Júdice.mp4
Congresso Internacional Mário Dionísio | Prof. Nuno Júdice
Le paon sonore, Nuno Júdice
Presentación Antología Nuno Júdice, “Devastación de las sílabas”
Exposicao A Imagem do Poema - 50 anos vida literária Nuno Júdice - parte I
Nuno Júdice - 3
Nuno Júdice - 1
Entrevista a Nuno Júdice | Puerta de la Cultura UC3M
À conversa com... Nuno Júdice
Nuno Júdice - 2
EUROPA IN VERSI 2016 - Premio alla carriera al poeta Nuno Judice
Momento de Leitura - "Ausência", de Nuno Júdice
Nuno Júdice: A recepção dos futuristas do Algarve
LISBON REVISITED - NUNO JÚDICE LÊ POEMA FÁBULA INDUSTRIAL
Encuentro con… Nuno Júdice
FOLIO 2018 - "Cartas Portuguesas", por Nuno Judice
Sinfonía de la noche y algunos perros (Nuno Júdice, Portugal)
Nuno Júdice | Dante, terzine from the world
A NOITE INÉDITA - NUNO JÚDICE
AUSÊNCIA de Nuno Júdice, in ‘Pedro lembrando Inês”
MESA 8: A Oriente do Oriente | Lídia Jorge, Nuno Júdice e José Mário Silva
Nalva
Eu sou apaixonada pela poesia de Nuno Júdice, magnífico!
11/fevereiro/2022
Pedro
Análise formal
23/novembro/2020
Isabel
Quais sao as caracteristicas da poesia de Nuno Júdice, necessito para um trabalho, no entanto nunca li muitas obras do mesmo.
18/maio/2020
Maria
Alguém me consegue fazer uma análise deste poema, como tema e assunto? Por favor, preciso muito
18/maio/2020
Diva Deli
adorei muito bom
18/maio/2020
Francisca
Bons almoços q partilhei com este senhor, eram reais banquetes.
12/março/2020
kj
alguem que diga as caracteristicas psicologicas dele
18/fevereiro/2020
João Baptista
alguem pode analisar o tema e o assunto deste poema, também oxímoro e outros?
25/fevereiro/2018
João_de_Castro_Nunes
ARS POETICA

Façamos poesia inteligível
e que tenha harmonia, por maeira
a ser literatura de alto nível,
ou seja, sinfonia de primeira!

Seus versos não precisam de rimar
nem terem todos comprimento igual,
pois isso é secundário, sem deixar
de ser de engenho e arte bom sinal.

O que interessa é que possua impacto
quer pela forma quer pelo sentido
em metro musical grato ao ouvido.

Não seja discursiva, interminável,
mas entre em nossa mente como um jacto
de ar puro em golpe de asa perdurável!

JCN
08/dezembro/2011

Quem Gosta

Seguidores