Sá de Miranda

Sá de Miranda

Francisco de Sá de Miranda foi um poeta português, introdutor do soneto e do Dolce Stil Nuovo em nossa língua. Francisco de Sá de Miranda nasceu em Coimbra: /da antiga e nobre cidade som natural, som amigo/, possivelmente em 28 de Agosto de 1481.

1481-08-28 Coimbra
1558-05-17 Amares
33451
0
16


Prémios e Movimentos

Classicismo

Alguns Poemas

Carta

Rei de muitos reis, se um dia,
Se uma hora só mal me atrevo
Ocupar-vos, mal faria,
E ao bem comum não teria
Os respeitos que ter devo.

Que em outras partes da esfera,
Em outros céus diferentes,
Que Deus até agora escondera,
Tanta multidão de gentes
Vossos mandados espera.

Que sois vós tal, que eles sós,
justo e poderoso rei,
Ou lhe desdais os seus nós,
Ou cortais; porque entre nós
Vós sois nossa viva lei.

Onde há homens há cobiça,
Cá e lá, tudo ela empeça,
Se a santa, se a igual justiça
Não corta, ou não desempena
O que a má malícia enliça.

Senhor, que é muito atrevida,
E onde ela nós cegos deu,
Cortar é coisa devida;
Exemplo o justo de Mida,
Que el-rei vosso avô fez seu.

Ora eu, que respeito havendo
Ao tempo, mais que ao estilo,
Irei fugindo ao que entendo;
Farei como os cães do Nilo,
Que correm, e vão bebendo.

A dignidade real,
Que o mundo a direito tem,
Sem ela ter-se-ia mal,
É sagrada, e não leal
quem limpo ante ela não vem.

Não falemos nos tiranos,
Falemos nos reis ungidos;
Remedeiam nossos danos;
Socorrem os afligidos;
Cortam pelos maus enganos.

As vossas velas, que vão,
Dando quase ó mundo volta,
Raramente contarão
Gente doutro algum rei solta;
Sem cabeça o corpo é vão.

Dignidade alta e suprema,
Que há que a não reconheça?
Viu-se em Marco Antônio tema
De pôr real diadema
A César sobre a cabeça.

Que nome de imperador
Dantes a César se dera
Sem suspeita, e sem temor;
Que inda então muito mais era
Ser cônsul, ser ditador.

Um rei ao reino convém;
Vemos que alumia o mundo;
Um sol, um Deus o sustém:
Certa a queda, e o fim tem
O reino onde há rei segundo.

Não ao sabor das orelhas,
Arenga estudada e branda;
Abastam as razões velhas:
A cabeça os membros manda;
Seu rei seguem as abelhas.

A tempo o bom rei perdoa;
A tempo o ferro é mezinha:
Forças e condição boa
Deram ao leão coroa
De sua grei montezinha.

Às aves, tamanho bando
Doutra liga, e doutra lei,
Por vencer todas voando,
A águia foi dada por rei,
Que o sol claro atura olhando.

Quanto que sempre guardou
David lealdade e fé
A Saul, quanto o chorou!
Quanta maldição lançou
Aos montes de Gelboé!

Onde caíra o escudo
De seu rei, inda que inimigo,
Inda que já mal sisudo
Saindo de tal perigo,
E subindo a mandar tudo.

O senhor da natureza,
De quem céu e terra é cheia,
Vindo a esta nossa baixeza,
Do real sangue se preza:
Por rei na cruz se nomeia.

Sobre obrigações tamanhas
Velem-se contudo os reis
Dos rostos falsos, das manhas
Com que lhe querem das leis,
Fazer teias das aranhas.

Oue se não pode fazer
Por arte, por força ou graça,
Salvo o que a justiça quer;
Senhor, não chamam valer,
Salvo ao que lhes val na praça.

E por muito que os reis olhem,
Vão por fora mil inchaços,
Que ante vós, senhor, se encolhem
Duns gigantes de cem braços
Com que dão, e com que tolhem.

Quem graça ante el-rei alcança,
E lhe fala o que não deve,
Mal grande da má privança,
Peçonha na fonte lança,
De que toda a terra breve.

Quem joga, onde engano vai,
Em vão corre e torna atrás;
Em vão sobre a face cai:
Mal hajam as manhas más
Donde tanto dano sai!

Homem de um só parecer,
Dum só rosto, uma só fé,
Dantes quebrar que torcer,
Ele tudo pode ser,
Mas de corte homem não é.

Gracejar ouço de cá
De quem vai inteiro e são,
Nem se contrafaz mais lá;
Como este vem aldeão,
Que cortesão tornará?

As santidades da praça,
Aqueles rostos tristonhos,
Cos quais este, e aquele caça;
Para Deus, senhor, é graça;
Para nós tudo são sonhos.

E os discursos que fazemos,
Pode ser, não pode ser,
Mais diante o entenderemos:
Agora mortos por ver;
Então todos nós veremos.

Senhor, hei-vos de falar
(Vossa mansidão me esforça)
Claro o que posso alcançar;
Andam para vos tomar
Por manhas, que não por força.

Por minas trazem suas azes
Os rostos de tintureiros,
Falsas guerras, falsas pazes;
De fora mansos cordeiros;
De dentro lobos roazes.

Tudo seu remédio tem
E que assim bem o sabeis,
E ao remédio também;
Querei-los conhecer bem,
No fruto os conhecereis.

Obras, que palavras não:
Porém, senhor, somos muitos,
E entre tanta multidão
Tresmalham-se-vos os frutos,
Que não sabeis cujos são.

Um que por outro se vende,
Lança a pedra, e a mão esconde;
O dano longe se estende;
Aquele a quem dói e entende,
Com só suspiros responde.

A vida desaparece,
E entretanto geme e jaz
O que caiu: e acontece,
Que dum mal, que se lhe faz,
Outro mor se lhe recresce.

Pena e galardão igual
O mundo a direito tem,
A uma regra geral;
Que a pena se deve ao mal,
E o galardão ao bem.

Se alguma hora aconteceu
Na paz, muito mais na guerra,
Que a balança mais pendeu,
Faz-se engano às leis da terra;
Nunca se faz às do céu.

Entre os lombardos havia
Lei escrita, e lei usada,
Como se sabe hoje em dia;
Que onde a prova falecia,
Que o provasse a espada.

Ali no campo às singelas,
Enfim morrer ou vencer,
Fosse qual quisesse delas:
Não era melhor morrer
A ferro, que de cautelas?

Ao nosso alto e excelente
Dom Dinis, rei tão louvado,
Tão justo, a Deus tão temente,
Falsa e maliciosamente,
Foi grande aleive assacado.

Ele posto em tal perigo,
Rei que rei fez e desfez;
Contra o malicioso inimigo,
Foi-lhe forçado esta vez
Chamar-se a esta lei que digo.

E juntamente às cidades
A quem cumpriu de acudir,
Pelas suas lealdades:
Que tão más são as verdades
Às vezes de descobrir!

Neste tempo quem mal cai,
Mal jaz; e dizem que à luz
Por tempo a verdade sai;
Entretanto põem na cruz
O justo, o ladrão se vai.

Da mesma casa real,
Em verdade um grande infante
Tratado às escuras mal,
Bradava por campo igual,
E inimigos claros diante.

Enfim vendo a indústria e arte
Quanto que podem, chamou
Um leal conde de parte;
Só com ele se apartou;
Foi viver a melhor parte.

Onde tudo é certo e claro,
Onde são sempre umas leis;
Príncipe no mundo raro,
Sobre tanto desamparo
Foram três seus filhos reis.

Ó senhor! quantos suores
Passa o corpo e alma em vão
Em poder de envolvedores!
Enfim, batalhas que são?
Salvo desafios mores.

Com a mão sobre um ouvido
Ouvia Alexandre as partes,
Como quem tinha entendido,
Por fazer certo o fingido,
Quantas que se buscam dartes.

Guardava ele o outro inteiro
A parte não inda ouvida:
Não vai nada em ser primeiro:
Quem muito sabe duvida;
Só Deus é o verdadeiro.

A tudo dão novas cores
Com que enleiam os sentidos:
Ah maus! ah enliçadores!
Ante os reis vossos senhores,
Andais com rostos fingidos!
Escritor português, natural de Coimbra. De família fidalga, estudou nos Estudos Gerais de Alfama, onde terá eventualmente sido professor. A prová-lo está o título de Doutor com que surge designado no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende (1516), onde colaborou com poesias em português e em castelhano, como era habitual nos escritores da época, e segundo os moldes tradicionais. Assim se comprova igualmente que frequentou os meios palacianos e a corte, onde conheceu Bernardim Ribeiro. Em 1521, fez uma viagem a Itália, onde permaneceu até 1526. Contactou então com o Renascimento italiano e os novos cânones literários. Depois do seu regresso a Portugal, retirou-se para o Minho, onde se casou, em 1530. Afastou-se assim da corte, embora mantivesse convívio epistolar com grandes personalidades da época, entre as quais o próprio rei D. João III. Doente e atingido pelas mortes sucessivas de familiares — do filho primogénito em 1553, da mulher em 1555 — e de personalidades a quem estava ligado por fortes laços afectivos e culturais, como o príncipe D. João, falecido em 1554, e o Infante D. Luís, em 1557, pensa-se que terá morrido em 1558, pois de Maio desse ano data a última referência à sua vida. Como escritor, Sá de Miranda teve uma acção fundamental na introdução, em Portugal, dos géneros poéticos e do ideário do Renascimento. Após a viagem a Itália, o escritor passou a escrever, embora não exclusivamente, segundo os novos modelos. Sá de Miranda foi o introdutor, na literatura portuguesa, do soneto, do terceto, da oitava, de subgéneros poéticos como a canção, a carta, a écloga e a elegia, do metro decassilábico e da comédia clássica. Outro aspecto importante da sua obra, que se prende sobretudo com o seu ideário, é a intenção moralizante, expressa sobretudo nas Cartas (1626), na Écloga Basto e em alguns sonetos. Criticando a vida sua contemporânea, Sá de Miranda revelou-se nostálgico do Portugal antigo, anterior à decadência dos costumes que o poeta detectava na vida cortesã e citadina (opondo-lhe a autenticidade e liberdade da vida rústica, tema típico já da antiguidade clássica, particularmente na concepção horaciana da aurea mediocritas, como na carta que escreveu ao seu amigo António Pereira, senhor de Basto, quando se retirou da corte para o campo). A mesma decadência estava, para Sá de Miranda, subjacente ao espírito que animava a expansão ultramarina portuguesa: a ambição do comércio, a guerra que afasta o homem da natureza, a corrupção da corte (veja-se a Carta a seu irmão Mem de Sá). É também nas Cartas que aborda tópicos característicos da literatura renascentista: o desdém pela vulgaridade (Carta a El-Rei D. João III), a superioridade do culto das letras sobre o das armas (Carta a João Roiz de Sá Meneses), a necessidade de renovação pelo estudo dos modelos estrangeiros (Carta a João Roiz de Sá Meneses) e até o incitamento à composição de um poema heróico de assunto português (Carta a El-Rei D. João III). Sá de Miranda concebeu as primeiras comédias clássicas portuguesas (Estrangeiros e Vilhalpandos), cuja recepção pelo público, habituado aos autos (de Gil Vicente sobretudo), não foi das melhores. Se os aspectos criticados por Sá de Miranda e a sua intenção moralizadora o aproximam muito de Gil Vicente, o escritor afasta-se deste último pelas formas e o tom em que vaza as suas críticas. Sá de Miranda deixou uma importante obra epistolográfica e uma série de éclogas, entre outros textos. A sua obra foi publicada postumamente, em 1595. Influenciou decisivamente escritores seus contemporâneos e posteriores, como António Ferreira, Diogo Bernardes, Pero Andrade de Caminha, Luís de Camões, D. Francisco Manuel de Melo ou ainda, mais recentemente, Jorge de Sena, Gastão Cruz e Ruy Belo, entre outros, manifestando alguns textos destes autores nítida intertextualidade com textos mirandinos, sobretudo com o tão conhecido soneto «O Sol é grande, caem co'a calma as aves»
Comigo me Desavim, de Sá de Miranda
Artes Sá de Miranda
Sá de Miranda - Explicando sonetos
Renascimento - Sá de Miranda
Obra Rara - Saa de Miranda
[O sol é grande, caem co'a calma as aves,], Sá de Miranda - Inês Jacques
(Literatura) Classicismo em Portugal - Sá de Miranda (Aula 3)
Colégio Sá de Miranda
Conheça o Colégio Sá de Miranda
Pedro Barroso - "Homem de um só parecer" poema de Sá de Miranda* (1481-1558)
Sá de Miranda
Colégio Sá de Miranda | Reportagem TVI
sa de miranda
Masterclass Construções de Sá de Miranda
Olhos coloridos /Sá de Miranda
USF SÁ DE MIRANDA (VIDEO)
Comigo me desavim ,Sá de Miranda
DIA 4 - Blues Vai às Escolas @ Sá de Miranda
SÁ de Miranda "Comigo me desavim" D'ALMA
Há uns residentes especiais na Escola Secundária Sá de Miranda em Braga
Teatro Municipal Sá de Miranda
Sá de Miranda: Comigo Me Desavim | Poesia Portuguesa Declamada | Recitar Poemas | Poeta Portugal =P
Lista A- Sá de Miranda *-*
VÍDEO Natal Colégio Sá de Miranda
TEATRO MUNICIPAL SÁ DE MIRANDA - 135 ANOS DE EXISTÊNCIA | RÁDIO GEICE FM
Colégio Sá de Miranda - "Dias Felizes"
BAILE DE FINALISTAS - AE SÁ DE MIRANDA 2018
Francisco Sá de Miranda. 1481-1558
Sá de Miranda - Só a poesia nos Salvará
Arroios Informação: Educação Financeira | Colégio Sá de Miranda
Revista ao Sá de Miranda
Dasha Rush / experimental LIVE at Teatro Sa de Miranda
Madandza - Concerto Sá de Miranda 07_02_09
Video Colégio Sá de Miranda.wmv
Liceu Sá de Miranda
Lista A - Escola Secundária Sá de Miranda 2015/2016
Alunos do Colégio Sá de Miranda no III Congresso de Psicologia Positiva
Video 2 Sá de Miranda
sunday morning sa de miranda
Sá de Miranda - Comigo me desavim
1 Lista Sá de Miranda
Caminhada de conhecimento ao Francisco Sá de Miranda
PORTA XIII - A poesia de SÁ DE MIRANDA - 28 de Maio às 16:00
***Sá de Miranda***( trabalho)
Jornadas Sá de Miranda em Vila Verde
Chaminé cai na Escola Sá de Miranda em Braga
Chega Chegando: "Comigo me desavim", de Sá de Miranda
Casa da Tapada - Francisco de Sá de Miranda - Fiscal - Amares
Cantiga de Sá de Miranda
Sá de Miranda - Braga - After effects
SOMETO
Sa de Miranda
13/maio/2024
SOMETO
Sa de Miranda
13/maio/2024

Quem Gosta

Seguidores