Elisa Lucinda

Elisa Lucinda

Elisa Lucinda dos Campos Gomes é uma poetisa, jornalista, escritora, cantora e atriz brasileira. A artista foi um dos galardoados com o Troféu Raça Negra 2010 em sua oitava edição, na categoria Teatro. Também foi premiada no cinema pelo filme A Última Estação, de Marcio Curi, no qual protagoniza o personagem Cissa. O filme abriu o Festival de Brasília de 2012.

1958-02-02 Cariacica
33693
3
47


Alguns Poemas

O Poema do Semelhante

O Deus da parecença
que nos costura em igualdade
que nos papel-carboniza
em sentimento
que nos pluraliza
que nos banaliza
por baixo e por dentro,
foi este Deus que deu
destino aos meus versos,

Foi Ele quem arrancou deles
a roupa de indivíduo
e deu-lhes outra de indivíduo
ainda maior, embora mais justa.

Me assusta e acalma
ser portadora de várias almas
de um só som comum eco
ser reverberante
espelho, semelhante
ser a boca
ser a dona da palavra sem dono
de tanto dono que tem.

Esse Deus sabe que alguém é apenas
o singular da palavra multidão
Eh mundão
todo mundo beija
todo mundo almeja
todo mundo deseja
todo mundo chora
alguns por dentro
alguns por fora
alguém sempre chega
alguém sempre demora.

O Deus que cuida do
não-desperdício dos poetas
deu-me essa festa
de similitude
bateu-me no peito do meu amigo
encostou-me a ele
em atitude de verso beijo e umbigos,
extirpou de mim o exclusivo:
a solidão da bravura
a solidão do medo
a solidão da usura
a solidão da coragem
a solidão da bobagem
a solidão da virtude
a solidão da viagem
a solidão do erro
a solidão do sexo
a solidão do zelo
a solidão do nexo.

O Deus soprador de carmas
deu de eu ser parecida
Aparecida
santa
puta
criança
deu de me fazer
diferente
pra que eu provasse
da alegria
de ser igual a toda gente

Esse Deus deu coletivo
ao meu particular
sem eu nem reclamar
Foi Ele, o Deus da par-essência
O Deus da essência par.

Não fosse a inteligência
da semelhança
seria só o meu amor
seria só a minha dor
bobinha e sem bonança
seria sozinha minha esperança

(madrugada onde fui acordada pelo poema no Rio de Janeiro, 10 de julho de 1994)

Aviso da Lua que Menstrua

Moço, cuidado com ela!
Há que se ter cautela com esta gente que menstrua...
Imagine uma cachoeira às avessas:
cada ato que faz, o corpo confessa.
Cuidado, moço
às vezes parece erva, parece hera
cuidado com essa gente que gera
essa gente que se metamorfoseia
metade legível, metade sereia
Barriga cresce, explode humanidades
e ainda volta pro lugar que é o mesmo lugar
mas é outro lugar, aí é que está:
cada palavra dita, antes de dizer, homem, reflita...
Sua boca maldita não sabe que cada palavra é ingrediente
que vai cair no mesmo planeta panela.
Cuidado com cada letra que manda pra ela!
Tá acostumada a viver por dentro,
transforma fato em elemento
a tudo refoga, ferve, frita
ainda sangra tudo no próximo mês.
Cuidado moço, quando cê pensa que escapou
é que chegou a sua vez!
Porque sou muito sua amiga
é que tô falando na "vera"
conheço cada uma, além de ser uma delas.
Você que saiu da fresta dela
delicada força quando voltar a ela.
Não vá sem ser convidado
ou sem os devidos cortejos...
Às vezes pela ponte de um beijo
já se alcança a "cidade secreta"
a Atlântida perdida.
Outras vezes várias metidas e mais se afasta dela.
Cuidado, moço, por você ter uma cobra entre as pernas
cai na condição de ser displicente
diante da própria serpente.
Ela é uma cobra de avental.
Não despreze a meditação doméstica.
É da poeira do cotidiano
que a mulher extrai filosofia
cozinhando, costurando
e você chega com a mão no bolso
julgando a arte do almoço: Eca!...
Você que não sabe onde está sua cueca?
Ah, meu cão desejado
tão preocupado em rosnar, ladrar e latir
então esquece de morder devagar
esquece de saber curtir, dividir.
E aí quando quer agredir
chama de vaca e galinha.
São duas dignas vizinhas do mundo daqui!
O que você tem pra falar de vaca?
O que você tem eu vou dizer e não se queixe:
VACA é sua mãe. De leite.
Vaca e galinha...
ora, não ofende. Enaltece, elogia:
comparando rainha com rainha
óvulo, ovo e leite
pensando que está agredindo
que tá falando palavrão imundo.
Tá, não, homem.
Tá citando o princípio do mundo!

Um Bonde Chamado seu Beijo

Quem encobrirá meu sono?
Beijará quem minhas costas no cotidiano?
Quem, no meio do frio, me cobrirá com lindas orelhas
e me dirá palavras indecentes nos ouvidos?
Quem, atrevido, me acordará com o ponteiro em riste
como um pássaro que não quer tudo
apenas o céu, a gaiola, o alpiste?
Quem que, quando eu dormisse, por mim zelasse
e eu, quando acordasse, lhe fizesse iogurtes brejeiros
massagens nos pés, cumplicidades de enlace?
Quem me agarrará por trás quando eu sair cheirosa do banho
e terá orgulho de eu ser guerreira e perfumada ao mesmo tempo?
Quem em bom senso dirá que muito me assanho
quem orientará a guerrilha diária a que me proponho
quem será inteligente e gostoso a meu lado como está no meu sonho?
Quem, a quem me disponho a cozinhar e fazer versos
quem racional e perverso cochichará nos tímpanos da minha alma
a doce ordem, a venal palavra: Calma?
Quem com sua alma me mostrará um mar vertical?
Quem, meu igual, me apontará andores reais, sem excesso de glacê no bolo
Com determinação de touro e a nobreza de poder ser banal?
Quem, coisa e tal, me beijará a boca e me enfiará as mãos
por debaixo da barra do segredo do vestido
e um dia passeará comigo no segredo contido na Barra do Jucu?
Quem, senão tu que eu elejo, eu planejo, pode habitar o lugar
a suíte que há tanto tenho reservado?
Quem, encomendado, pode me manter na confiança dos edredons
enquanto não chega?
Quem, com certeza, me visitará num outubourbon no gume da lira
de eu ser égua, cadela, mulher e sua?
Quem sobre mim sua, pinga, chove?
Quem que com lucidez resolve o abismo simples de prever o risco de sonhar
pra nele mesmo cair, rir
e se embolar?
Quem me dará a idéia de conceber a saudade no sentido tático
quem, não estático, de longe me fará cometer poemas de meia-noite?
Quem, sem favor, me estende o braço com rosas na mão
com explicação pro meu calor?
Quem, senão meu doido bondinho
meus olhos acesinhos, meu comedor...
Meu triz, meu risco
meu cristo redentor?

Elisa Lucinda – Diálogos Ausentes (2017)
Elisa Lucinda, JORNALISTA, CANTORA, ESCRITORA, POETISA, ATRIZ, trocando ideia no #PodPocar #14
Elisa Lucinda - Mulata exportação
Emicida - Milionário do Sonho part. Elisa Lucinda
Elisa Lucinda - Mulata Exportação
Eliana Alves Cruz recebe Elisa Lucinda no #TrilhaDeLetras
🎭 APÊ DE ELISA LUCINDA reúne artesanato, poesia, teatro e histórias encantadoras | Pode Entrar
Elisa Lucinda - Só de Sacanagem
ELISA LUCINDA LENDO COMENTÁRIOS
Elisa Lucinda ensina ações cotidianas de antirracismo
Poemeto de Amor ao Próximo por Elisa Lucinda
Mariene de Castro, Elisa Lucinda - Paiol de Ouro / Cabocla Jurema / Iansã / As Ayabás (Vídeo)
Última moda por Elisa Lucinda
Você é um abolicionista moderno ou um escravagista?
Elisa Lucinda - Câmara Rio Entrevista #112 - 21.12.2023
Amanhecimento | Poema de Elisa Lucinda com narração de Mundo Dos Poemas
Conrado Cereja | Só de Sacanagem | Elisa Lucinda
Mariene de Castro e Elisa Lucinda
Bate-papo com Elisa Lucinda
Elisa Lucinda interpreta: O navio negreiro, de Castro Alves
Elisa Lucinda fala "Credo"
Metrópolis: Elisa Lucinda
ELISA LUCINDA - PAPO RETO SOBRE A CONSCIÊNCIA NEGRA
Parem de Falar Mal da Rotina (cena) - Elisa Lucinda
A lua que menstrua
Palavra é poder | Palestra-Show com Elisa Lucinda | #AoVivo de Lisboa
ELISA LUCINDA RECITA POEMA DE CORA CORALINA
Elisa Lucinda, atriz, cantora, escritora, Marlene de Vai na Fé | Vale a Pena
30º Festival de Cinema de Vitória - Homenagem à Elisa Lucinda | 21 09 2023
ELISA LUCINDA FALA SOBRE O LIVRO 'QUEM ME LEVA PARA PASSEAR' | Arte1 Minuto
Wellington Rodrigues | Aviso da Lua que Menstrua | Elisa Lucinda
Elisa Lucinda declama "Ele"
Elisa Lucinda e Tatiana Nascimento – O negro na literatura – Diálogos Ausentes (2017)
Estação Sabiá - Elisa Lucinda, poesia e arte como resistência
Quarta Gloriosa: Vozes Femininas | Gloria Pires & Elisa Lucinda para a Bemglô
Elisa Lucinda fala do sucesso de 'Vai Na Fé' e da rotina de gravação! | Encontro Com Patrícia Poeta
Elisa Lucinda – Encontros de Interrogação (2017)
Jornal Rádio PT | Elisa Lucinda fala sobre os retrocessos do Brasil pós golpe
🔴Elisa Lucinda: “Nossa democracia está tomando um choque de verdade” | Bem Viver
Conservadorismo ou proteção? | Elisa Lucinda e Christian Dunker | Papo Rápido | Papo de Segunda
CURTA! POESIA - "BOCA A BOCA" DE ELISA LUCINDA
Arte e Resistência #9 - Jean Goldenbaum conversa com Elisa Lucinda
MP pede ao TCU bloqueio de bens de Moro; Elisa Lucinda e o massacre da negritude
“Se tem territorialidade, tem apartheid” Com a palavra a maravilhosa Elisa Lucinda.
Cantora Elisa Lucinda canta na cerimônia de posse do Ministério da Cultura Funk “A Cara do Crime”
Estação Sabiá - Elisa Lucinda, na telona e nas páginas encantadas
Elisa Lucinda traz a tona os reflexos da escravidão na sociedade atual. #famosos #racismo #cotas
ELISA LUCINDA - BLOCO 1
LIVE COM A ATRIZ ELISA LUCINDA
Frango com chutney de manga da Elisa Lucinda! | É de Casa
Comedor de veia
Quando e onde foi publicado o amor de Dudu nas águas?
21/setembro/2022
Jurema
Adorei o O amor de Dudu nas aguas
05/março/2021
IZABELLA BICALHO
esse poema é incrivel!!
11/agosto/2020
Thayany
são legais
03/junho/2020
Thayany
adorei os seus poemas
03/junho/2020
manu
isso é legal pro meu trabalho sobre ela I LOVE YOU sz
14/março/2018

Quem Gosta

Seguidores