Mário Faustino

Mário Faustino

Mário Faustino dos Santos e Silva foi um jornalista, tradutor, crítico literário e poeta brasileiro. Morreu com apenas 32 anos de idade num desastre aéreo no Peru.

1930-10-22 Teresina PI
1962-11-27 Lima
16800
0
8


Alguns Poemas

Sextina: Altaforte

Loquitur: En Bertrans de Born
Dante Alighieri pôs este homem no inferno por
tratar-se de um provocador de desordens.

Eccovi!
Julgai-o vós!
Será que o desenterrei de novo?

A cena é em seu castelo, Altaforte. "Papiols" é seu jongleur.
"O Leopardo", a device de Ricardo Coeur de Lion.


I

Tudo prós diabos! Todo este Sul já fede a paz.
Anda cachorro bastardo, Papiols! À música!
Só sei que vivo se ouço espadas que ressoam.
Mas ah! Com os estandartes ouro e roxo e vair se opondo
Por cima de amplos campos encharcados de carmim
— Uiva meu peito então doido de júbilo.

II

Se é verão quente, encho-me então de júbilo
Quando a tormenta mata a horrenda paz,
E do negro os relâmpagos reboam seu carmim,
E os tremendos trovões rugindo-me, que música!
Doidos ventos e nuvens ululando e se opondo
Céu rachando e teus gládios, Deus, ressoam.

III

Praza aos diabos de novo que ressoem!
E os corcéis na batalha relinchando de júbilo,
De espigão na peitarra às peitarras se opondo:
Melhor o tremor de uma hora do que meses de paz
Mesa gorda, fêmeas, vinho, débil música!
Não há vinho como o sangue e seu carmim!

IV

E adoro ver o sol subir sangue-e-carmim.
E contemplo-lhe as lanças que no escuro ressoam
E transborda meu peito, dilatado de júbilo,
E rasgo minha boca de ágil música
Quando o vejo zombar, desafiando a paz,
Seu poder solitário contra o escuro se opondo.

V

Esse que teme a guerra e se acocora opondo-
Se ao que digo, não tem sangue carmim,
Só serve pra feder em feminina paz
Longe donde as aspadas trazem glória e ressoam
— Vossa morte, cadelas, recrudesce-me o júbilo
E por isso encho o ar com minha música.

VI

Papiols! papiols! Música, música!
Não há som como espadas às espadas se opondo,
Não há grito como na batalha o júbilo,
Cotovelos e espadas gotejando carmim,
Quando contra "O Leopardo" nossas cargas ressoam.
Deus maldiga quem quer que grite "Paz!"

VII

Que a música da espada os cubra de carmim!
Praza ao diabo, de novo, espadas que ressoam!
Praza ao diabo apagar o pensamento "Paz!"

Imagem - 00950001


Poema integrante da série Fontes e Correntes da Poesia Contemporânea: 13. Ezra Pound.

In: FAUSTINO, Mário. Poesia-experiência. Introd. Benedito Nunes. São Paulo: Perspectiva, 1977. (Debates, 136).

NOTA: Tradução de poema de Ezra Poun

Cino

Campagna italiana 1309, em plena estrada


Arre! já celebrei mulheres em três cidades,
Mas é tudo a mesma coisa;
E cantarei do sol.

Lábios, palavras, e lhes armamos armadilhas,
Sonhos, palavras, e são como jóias,
Estranhos bruxedos de velha divindade,
Corvos, noites, carícia:
E eis que não o são;
Já se tornaram almas de canção.
Olhos, sonhos, lábios, e a noite vai-se.
Em plena estrada, uma vez mais,
Elas não são.
Esquecidas, em suas torres, de nossa toada,
Uma vez por causa do vento, da revoada
Sonham rumo de nós e
Suspirando dizem, "Ah, se Cino,
Apaixonado Cino, o de olhos enrugados,
Alegre Cino, de riso rápido.
Cino ousado, Cino zombeteiro,
Frágil Cino, o mais forte de seu clã bandoleiro
Que bate as velhas vias sob o sol,
Se Cino do alaúde aqui voltasse!"

Uma vez, duas vezes, um ano —
E vagamente assim se exprimem:
"Cino?" "Oh, eh, Cino Polnesi
O cantor, não é dele que se trata?"
"Ah, sim, passou uma vez por aqui,
Sujeito atrevido, mas...
"São todos a mesma coisa, esses vagabundos
Peste! As canções eram dele?
Ou cantava as dos outros?
Mas e o senhor, Meu Senhor, como vai sua cidade?"

Mas e o senhor, "Meu Senhor", bá! por piedade!
E todos os que eu conhecia estavam fora, Meu Senhor, e tu
Eras Cino SemTerra, tal como eu sou,
O Sinistro.
Já celebrei mulheres em três cidades.
Mas é tudo a mesma coisa.
E cantarei o sol.
... eh?... a maioria delas tinha olhos cinzentos,
Mas é tudo a mesma coisa, e cantarei o sol.

'Pollo Phoibeu, panela velha, tu,
Glória da égide do Zeus do dia,
Escudo d'azul aço, o céu lá em cima
Tem por chefe tua rútila alegria!

'Pollo Phoibeu, ao longo do caminho,
Faze de teu riso nossa chanson;
Que teu fulgor ofusque nossa dor,
E que o choro da chuva tombe sem nós!

Buscando sempre o rastro recente
Rumo aos jardins do sol...
...................................
Já celebrei mulheres em três cidades
Mas é tudo a mesma coisa.

E cantarei das aves alvas
Nas águas azuis do céu,
As nuvens, o borrifo de seu mar.

Imagem - 00950001


Poema integrante da série Fontes e Correntes da Poesia Contemporânea: 13. Ezra Pound.

In: FAUSTINO, Mário. Poesia-experiência. Introd. Benedito Nunes. São Paulo: Perspectiva, 1977. (Debates, 136).

NOTA: Tradução de poema de Ezra Poun
Mário Faustino (Teresina PI, 1930 - Cidade de Dios Peru, 1962) estudou Direito em Belém PA, entre 1949 e 1951, mas não chegou a concluir o curso. Na época, já trabalhava como redator dos jornais A Província do Pará e Folha da Noite. Em 1955 ocorreu, no Rio de Janeiro RJ, a publicação de O Homem e Sua Hora, seu único livro de poesia. No período de 1956 a 1958 criou e dirigiu a página "Poesia-Experiência" no Suplemento Literário do Jornal do Brasil, no Rio de Janeiro, época em que também lecionou na Escola de Administração Pública da Fundação Getúlio Vargas. Por volta de 1953 foi chefe da Seção de Divulgação da Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Amazônia. Em 1960, exerceu o cargo de diretor adjunto do Centro de Informação Pública da ONU. Em 1966 foi publicada a edição póstuma de Poesia de Mário Faustino, organizada por Benedito Nunes; entre 1977 e 1985 saíram Poesia-Experiência e Poesia Completa/Poesia Traduzida, também organizados por Nunes. Mário Faustino foi um dos grandes jornalistas literários de seu tempo. Sobre sua poesia, vinculada à terceira geração do Modernismo, afirmou Haroldo de Campos: "como poeta, aberto ao novo, dotado de um manuseio dúctil e sutil das técnicas do poema em verso, capaz do fragmento e da ruptura, mostrou-se sempre generosamente sensível aos experimentos mais radicais da poesia concreta, embora, na sua produção pessoal, conservasse ainda certos elos com a tradição discursiva.".
Reinaldo Azevedo: O papa, os homossexuais e um poema de Mário Faustino
#05 Persona - Mário Faustino | PODCAST CIDADE VERDE
Carpe Diem, de Mário Faustino, por Georgette Fadel
Materia Poeta Mário Faustino #ProgramaCircuito
Mário Faustino - Sinto que o mês presente me assassina
Mário Faustino - Haceldama
História do poeta teresinense Mário Faustino vai virar documentário
Palavra de Poeta I "Vida toda linguagem", de Mário Faustino
Poesia "Soneto", de Mário Faustino, declamada por Deusa Sofia
Em Teresina-PI, Escola Municipal Mário Faustino é aprovada na seleção do Programa Brasil na Escola
A escritora Heloisa Seixas lê trecho de Mario Faustino #LeituradeAutor
Seleção de Poemas de Mário Faustino
O que é Poesia, por Mário Faustino
Mário Faustino - Só a poesia nos Salvará
Prefácio (de O Homem e Sua Hora), de Mário Faustino
666 - Onde paira a canção recomeçada - Mário Faustino
Ezra Pound - Saudação - trad. de Mário Faustino
Divisamos assim o adolescente (Mário Faustino / Paulo Iumatti)
Canto da Literatura | Poesia | Mário Faustino
Poema "Alma que foste minha" de Mário Faustino #máriofaustino #poesias #poemanarrado #almapoética
Ezra Pound - Soirée - Trad. Mário Faustino
Mario Faustino
Vídeo # 184 - Vida Toda Linguagem - Mário Faustino
A poesia inovadora de Mário Faustino
Apelo de Teresópolis - poema de Mário Faustino
LIVROS DE CABECEIRA: MÁRIO FAUSTINO
8º Círculo Literário Virtual de Entretextos: Leituras Compartilhadas de Mário Faustino
SINTO QUE O MÊS PRESENTE ME ASSASSINA - Poema de MÁRIO FAUSTINO
Mário Faustino - Soneto
Mário Faustino: Soneto | Poesia Brasileira | Poeta do Piauí | Recitando Poema |Declamação Literatura
Rubeni Miranda e Josué Costa tocam "Romance" de Mário Faustino; confira
Onde paira a canção recomeçada (Letra: Mário Faustino/ Música: André Henrique)
O mundo que eu venci deu-me um Amor. Mário Faustino.
Poema de Mário Faustino (Sinto que o mês presente me assassina)
ESTAVA LÁ AQUILES, QUE ABRAÇAVA - Mário Faustino (1930-1962)
Mário Faustino
GANHANDO DINHEIRO | Poema de James Laughlin | Tradução de Mário Faustino
Projeto Esporte na escola: bola na mão, gol cidadão. E.M. Mário Faustino.
O mundo que eu venci deu me um amor de Mário Faustino em canção de Francy Monte
325 - A mis soledades voy - Mário Faustino
Fruições - Mário Faustino interiorano
Carpe Diem - Mário Faustino
Balada: Mario faustino
Reinaldo Azevedo indica Mario Faustino | Vida toda Linguagem | 159 | Sintonia do Amor
Mário Faustino na V Jornada de Letras pela Professora Mestra Jucimara Tarricone
Soneto de Mário Faustino.
Momento Poético #02 - Balatetta - Mario Faustino
Prelúdio, um poema de Mario Faustino
Sinto que o mês presente me assassina - Mário Faustino por Sergio Sal.
O mundo que venci (Poema), de Mário Faustino

Quem Gosta

Seguidores