Sofiarocha

Sofiarocha

Se os olhos são o espelho da alma, os poemas são o ser a nú. Ficará a saber mais de mim lendo-os do que em meia dúzia de linhas autobiográficas que aqui possa escrever. Obras Publicadas: "Um Poeta nas Trincheiras"; " A Conspiração Das Criaturas".

1980-07-28 Lisboa
5896
3
10

COISA ESTRANHA

Coisa estranha esta de escrever poesia 
Quando eu não me sinto poeta
Coisa estranha escrever por entrelinhas
Quando por norma sou mais directa 

Sinto-me, mas não sei que sinto 
Escrevo, mas não sei bem qual o nervo 
Que se toca com as palavras em que toco 

Não entendo esta biologia do ser 
Que não assenta nas coisas práticas 
Nas químicas básicas do corpo e das moléculas 
Não entendo esta necessidade  
De beber e suar palavras 
Este equilibrio desequilibrado 
Entre o receber e o doar 
Daquilo que nem sei que seja 

Coisa estranha esta de escrever assim 
Quando não me sinto uma coisa concreta 
Delineada e definida, de formas e com formas 
Daquelas que se podem cravar na pedra 

Tenho ângulos e vértices por todo o lado esbatidos 
Onde está a científica ciência  
Para medir e identificar a antítese desta forma de estar 
E não sendo científico o existencialismo da consciência 
Será que realmente existo? 

Escrevo apenas porque a minha essência 
Seja ela o que for, gosta de o fazer 
Porque nisso e disso retira um certo prazer 
E recebe algum alívio, 
Para qualquer soçobro do ser 
 
Que forma de escrita esta que me sai convulsa 
Estarei doente   
Serei apenas e sem sabê-lo, uma dócil paciente? 

Padecente de sonhos distendidos 

Dilatados, inflamados, 
De coceira atiçados 
E meio perdidos, meio achados ?! 
197
2

Mais como isto



Quem Gosta

Quem Gosta

Seguidores