Junqueira Freire

Junqueira Freire

Luís José Junqueira Freire foi um poeta brasileiro. Sua obra lírica divide-se em religiosa, amorosa, filosófica, popular e alguma poesia social, de tom declamatório, precursora de Castro Alves. Participou da segunda geração romântica.

1832-12-31 Salvador, Bahia, Brasil
1855-06-24 Salvador, Bahia, Brasil
113053
3
44


Prémios e Movimentos

Romantismo

Alguns Poemas

O Jesuíta

Era longe — bem longe: e eu vim primeiro
Cindindo as ondas desse mar profundo.
E por amor da Cruz vaguei sozinho
Nas ínvias matas desse novo mundo.

O tamoio gentil ervava as setas,
Quando pelos vergéis, tão seus, me via:
E co'os olhos fosfóricos ardendo
A taquara fatal a mim tendia.

E tendia a taquara, — mas ao ver-me
Quão sem temor e quão inerme estava,
Trocando em doce o seu olhar fogoso,
O arco e a seta pelo chão rojava.

De mim as tribos bárbaras, indômitas,
De mim o verbo do evangelho ouviram.
E ergui a cruz nos píncaros dos montes,
E após o verbo os povos me seguiram!

Eu disse às tribos: — Todas vós sois ricas,
— Que o ouro e a prata o solo vosso esmalta.
Sois ricas tribos, — mas não sois felizes,
Porque uma crença de um só Deus vos falta.

E eu dei às tribos uma crença doce,
Qual uma chuva de maná celeste:
E as tribos foram desde então felizes,
Qual flor pomposa que os jardins reveste.

E quando os reis da terra se esqueceram
Das tribos dadas a seu cetro forte,
Eu levantei-me, e disse aos reis da terra,
— O povo geme: Transmudai-lhe a sorte. —

Eternos templos eu ergui sozinho,
Eternos como a duração da terra.
E sozinho sagrei altares tantos
Ao Deus que aos ímpios c'o trovão aterra.

Eu dei às tribos uma crença doce,
Eu levantei alcáceres eternos.
Deram-me os homens proscrição e morte,
Deram-me em prêmio as fezes dos infernos.


Publicado no livro Inspirações do Claustro (1855).

In: GRANDES poetas românticos do Brasil. Pref. e notas biogr. Antônio Soares Amora. Introd. Frederico José da Silva Ramos. São Paulo: LEP, 1959. v.2, p.1
Junqueira Freire (Salvador BA 1832 - idem 1855) entrou para o Mosteiro de São Bento da Bahia, da Ordem Beneditina, em 1851, passando a se chamar Frei Luís de Santa Escolástica Junqueira Freire após a ordenação. Em 1854 afastou-se do monastério, permanecendo sacerdote. No ano seguinte publicou Inspirações do Claustro, seu primeiro livro de poesia, em Salvador BA. Em 1869 ocorreu a publicação póstuma do livro Elementos de Retórica Nacional, no Rio de Janeiro RJ. A poesia de Junqueira Freire pertence à segunda geração do Romantismo, e foi escrita no Monastério; seus versos projetam a angústia e as dúvidas sobre a vocação monástica que o autor sentiu enquanto lá esteve. Para o crítico Antonio Candido, o poeta "desejou confessar-se através do verso, desvendando ao leitor uma sensibilidade tumultuosa e um doloroso drama íntimo quase em estado bruto - propósito incompatível com a poética por ele adotada".
AULA 22 | ROMANTISMO: ÁLVARES DE AZEVEDO e JUNQUEIRA FREIRE (Estilo de Época) | PROF. JORGE MIGUEL
Sei Rir-me | Poema de Junqueira Freire com narração de Mundo Dos Poemas
Junqueira Freire
Junqueira Freire - Louco (Hora de Delírio)
Romantismo-Junqueira Freire
Junqueira Freire
JUNQUEIRA FREIRE - SONHO - POR CID MOREIRA
JUNQUEIRA FREIRE - ULTRARROMANTISMO
Segunda Geração Romântica - Junqueira Freire
MORTE | POEMA DE JUNQUEIRA FREIRE
Junqueira Freire
Teus olhos: Junqueira Freire
JUNQUEIRA FREIRE - Martírio (poema recitado)
Louco (Hora do delírio) - Junqueira Freire
JUNQUEIRA FREIRE - Soneto (poema recitado)
Poesia Brasileira Declamada | Junqueira Freire: Arda de Raiva | Recitar Poema Declamação Poeta Bahia
Vida e Obra de Junqueira Freire - Trabalho de Português
Junqueira Freire - Literatura 2C
Morte - Junqueira Freire
JOSÉ MARIA ALVES - JUNQUEIRA FREIRE - DESEJO (HORA DE DELÍRIO)
Junqueira Freire - Só a poesia nos Salvará
Junqueira Freire - Apresentação de portugues 2ºB
A órfã na costura (Junqueira Freire) - Rev. Humberto Aragão
Vide e Obra - Junqueira Freire
Junqueira Freire - Soneto
que lindos olhos - junqueira freire
Junqueira freire trabalho de portugues
Louco (Poema), de Junqueira Freire
Junqueira Freire
Junqueira Freire - Nem sempre - Leitor da noite
Junqueira Freire - 2º H
Teus olhos - Junqueira Freire
PGM 630 - Não, não! Não é louco... - 17/09/2013
Junqueira Freire -Trabalho de Português 2ªV01
Junqueira Freire
o louco junqueira freire
Martírio (Poema), de Junqueira Freire
Junqueira Freire por Alunos do CEAP Ijuí/RS
A órfã na costura - poesia de Junqueira Freire
Desejo (Poema), de Junqueira Freire
Casal de motociclista colidem em cavalo na Avenida Junqueira Freire no Sonho Meu
Declamação de MARTÍRIO de Junqueira Freire (Salvador, Bahia, 1832-1855) por Leandro Monteiro
Joyce Carnassale, Riane Junqueira e Marcel Freire - Maranata (Vídeo Oficial)
Teus olhos de Junqueira Freire.
Todos os Santos - Esquina das Ruas Piauí e Junqueira Freire - 11.10.2023
Trabalho Junqueira Freire
"Teus olhos" de Junqueira Freire
Junqueira freire
Martírio de Junqueira Freire (por:Moisés Felipe)
Não é louco Junqueira Freire por Abujamra

Quem Gosta

Seguidores