Álvares de Azevedo

Álvares de Azevedo

Manuel Antônio Álvares de Azevedo foi um escritor da segunda geração romântica, contista, dramaturgo, poeta e ensaísta brasileiro, autor de Noite na Taverna.

1831-09-12 São Paulo, Brasil
1852-04-25 Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
371120
16
167


Prémios e Movimentos

Romantismo

Alguns Poemas

LÁGRIMAS DA VIDA

Lira dos Vinte Anos
Segunda Parte

On pouvait à vingt ans le clouer dans la bière
- Cadavre sans illusions...
THÉOPH. GAUTIER

Je me suis assis en blasphémant sur le bord
du chemin. Et je me suis dit: - je n'irai pas plus
loin. Mais je suis bien jeune encore pour mourir,
n'est-ce pas, Jane?
GEORGE SAND, Aldo

Se tu souberas que lembrança amarga
Que pensamento desflorou meus dias,
Oh! tu não creras meu sorrir leviano,
Nem minhas insensatas alegrias!

Quando junto de ti eu sinto, às vezes,
Em doce enleio desvairar-me o siso,
Nos meus olhos incertos sinto lágrimas...
Mas da lágrima em troco eu temo um riso!

O meu peito era um templo - ergui nas aras
Tua imagem que a sombra perfumava...
Mas ah! emurcheceste as minhas flores!
Apagaste a ilusão que o aviventava!

E por te amar, por teu desdém, perdi-me...
Tresnoitei-me nas orgias macilento,
Brindei blasfemo ao vício e da minh'alma
Tentei me suicidar no esquecimento!

Como um corcel abate-se na sombra,
A minha crença agoniza e desespera...
O peito e lira se estalaram juntos...
E morro sem ter tido primavera!

Como o perfume de uma flor aberta
Da manhã entre as nuvens se mistura,
A minh'alma podia em teus amores
Como um anjo de Deus sonhar ventura!

Não peço o teu amor... eu quero apenas
A flor que beijas para a ter no seio...
E teus cabelos respirar medroso...
E a teus joelhos suspirar d'enleio!

E quando eu durmo... e o coração ainda
Procura na ilusão tua lembrança,
Anjo da vida passa nos meus sonhos
E meus lábios orvalha d'esperança!

Idéias Íntimas

FRAGMENTO.
La chaise ou je m'assieds, la natte ou je me couche,
La table ou je t'écris, ............................
....................................................
Mes gros souliers ferrés, mon bâton, mon chapeau,
Mes livres pêle-mêle entassés sur leur planche
.....................................................
De cet espace étroit sont tout l'ameublement.
LAMARTINE. Jocelyn.

I

Ossian o bardo é triste como a sombra
Que seus cantos povoa. O Lamartine
E' monótono e belo como a noite,
Como a lua no mar e o som da ondas...
Mas pranteia uma eterna monodia,
Tem na lira do gênio uma só corda,
Fibra de amor e Deus que um sopro agita:
Se desmaia de amor a Deus se volta,
Se pranteia por Deus de amor suspira.
Basta de Shakespeare. Vem tu agora,
Fantástico alemão, poeta ardente
Que ilumina o clarão das gotas pálidas
Do nobre Johannisberg! Nos teus romances
Meu coração deleita-se... Contudo
Parece-me que vou perdendo o gosto,
Vou ficando blasé, passeio os dias
Pelo meu corredor, sem companheiro,
Sem ler, nem poetar. Vivo fumando.
Minha casa não tem menores névoas
Que as deste céu d'inverno.... Solitário
Passo as noites aqui e os dias longos;
Dei-me agora ao charuto em corpo e alma;
Debalde ali de um canto um beijo implora,
Como a beleza que o Sultão despreza,
Meu cachimbo alemão abandonado!
Não passeio a cavalo e não namoro;
Odeio o lasquenet... Palavra d'honra!
Se asim me continuam por dois meses
Os diabos azuis nos frouxos membros,
Dou na Praia Vermelha ou no Parnaso.

II

Enchi o meu salão de mil figuras.
Aqui voa um cavalo no galope,
Um roxo dominó as costas volta
A um cavaleiro de alemães bigodes,
Um preto beberrão sobre uma pipa,
Aos grossos beiços a garrafa aperta...
Ao longo das paredes se derramam
Extintas inscrições de versos mortos,
E mortos ao nascer... Ali na alcova
Em águas negras se levanta a ilha
Romântica, sombria à flor das ondas
De um rio que se perde na floresta...
Um sonho de mancebo e de poeta,
El-Dorado de amor que a mente cria
Como um Édem de noites deleitosas...
Era ali que eu podia no silêncio
Junto de um anjo... Além o romantismo!
Borra adiante folgaz caricatura
Com tinta de escrever e pó vermelho
A gorda face, o volumoso abdômen,
E a grossa penca do nariz purpúreo
Do alegre vendilhão entre botelhas
Metido num tonel... Na minha cômoda
Meio encetado o copo inda verbera
As águas d'ouro do Cognac fogoso.
Negreja ao pé narcótica botelha
Que da essência de flores de laranja
Guarda o licor que nectariza os nervos.
Ali mistura-se o charuto Havano
Ao mesquinho cigarro e ao meu cachimbo.
A mesa escura cambaleia ao peso
Do titânio Digesto, e ao lado dele
Childe-Harold entreaberto ou Lamartine
Mostra que o romantismo se descuida
E que a poesia sobrenada sempre
Ao pesadelo clássico do estudo.

(...)

Imagem - 00280001


Publicado no livro Poesias de Manuel Antônio Álvares de Azevedo (1853). Poema integrante da série Segunda Parte.

In: GRANDES poetas românticos do Brasil. Pref. e notas biogr. Antônio Soares Amora. Introd. Frederico José da Silva Ramos. São Paulo: LEP, 1959. v.1

NOTA: Poema composto de 14 parte

TARDE DE VERÃO

Lira dos Vinte Anos
Primeira Parte

Viens!...
Que l'arbre pénétré de parfums et de chants,
.....................................................................
Et l'o,bre et le soleil, et l'onde et la verdure,
Et le rayonnement de toute la nature
Fassent épanouir comme une double fleur
La beauté sur ton front, et l'amour dans ton coeur!
V. HUGO

Como cheirosa e doce a tarde expira!
De amor e luz inunda a praia bela...
E o sol já roxo e trêmulo desdobra
Um íris furta-cor na fronte dela.

Deixai que eu morra só! enquanto o fogo
Da última febre dentro em mim vacila,
Não venham ilusões chamar-me à vida,
De saudades banhar a hora tranqüila!

Meu Deus! que eu morra em paz! não me coroem
De flores infecundas a agonia!
Oh! não doire o sonhar do moribundo
Lisonjeiro pincel da fantasia!

Exaurido de dor e d'esperança
Posso aqui respirar mais livremente,
Sentir ao vento dilatar-se a vida,
Como a flor da lagoa transparente!

Se ela estivesse aqui! no vale agora
Cai doce a brisa morna desmaiando:
Nos murmúrios do mar fora tão doce
Da tarde no palor viver amando!

Uni-la ao peito meu - nos lábios dela
Respirar uma vez, cobrando alento;
A divina visão de seus amores
Acordar o meu peito inda um momento!

Fulgura a minha amante entre meus sonhos,
Como a estrela do mar nas águas brilha,
Bebe à noite o favônio em seus cabelos
Aroma mais suave que a baunilha.

Se ela estivesse aqui! jamais tão doce
O crepúsculo o céu embelecera...
E a tarde de verão fora mais bela,
Brilhando sobre a sua primavera!

Da lânguida pupila de seus olhos
Num olhar de desdém entorna amores,
Como à brisa vernal na relva mole
O pessegueiro em flor derrama flores.

Árvore florescente desta vida,
Que amor, beleza e mocidade encantam,
Derrama no meu seio as tuas flores
Onde as aves do céu à noite cantam!

Vem! a areia do mar cobri de flores,
Perfumei de jasmins teu doce leito;
Podes suave, ó noiva do poeta,
Suspirosa dormir sobre meu peito!

Não tardes, minha vida! no crepúsculo
Ave da noite me acompanha a lira...
É um canto de amor... Meu Deus! que sonhos!
Era ainda ilusão - era mentira!

Álvares de Azevedo (São Paulo SP, 1831 - Rio de Janeiro RJ, 1852) cursou Letras no Imperial Colégio de D. Pedro II, no Rio de Janeiro, e em 1848 matriculou-se na Faculdade de Direito de São Paulo. Nos anos seguintes, redigiu os poemas do romance A Noite na Taverna, o drama Macário e ensaios literários sobre Bocage, George Sand e Musset. Em 1849, discursou na sessão acadêmica comemorativa do aniversário da criação dos cursos jurídicos no Brasil. Três anos depois faleceria, sem chegar a concluir a faculdade. Sua obra, que abrange também os poemas da Lira dos Vinte Anos e a prosa do Livro de Fra Gondicário, foi reunida e publicada em 1942. Álvares de Azevedo é um dos principais nomes da segunda geração do romantismo brasileiro. Seus poemas, impregnados do spleen de românticos como Byron e Musset, tratam principalmente da morte e do amor, este freqüentemente idealizado. Outro traço importante da poesia de Álvares de Azevedo, segundo o crítico Antônio Cândido, é “o gosto pelo prosaísmo e o humor, que formam a vertente para nós mais moderna do Romantismo”.
-
ÁLVARES DE AZEVEDO (ROMANTISMO) | Resumo de Literatura para o Enem
Lembrança De Morrer | Poema de Álvares de Azevedo com narração de Mundo Dos Poemas
ÁLVARES DE AZEVEDO - VIDA e OBRAS
Amor | Poema de Álvares de Azevedo com narração de Mundo Dos Poemas
Alvares de Azevedo
3º Ciclo de Conferências - "A poesia de Alvares de Azevedo: o drama na cena do cotidiano"
ÁLVARES DE AZEVEDO - É ELA! É ELA! - Por CID MOREIRA
Amor - Alvares de Azevedo
Álvares de Azevedo, O poeta Rock N' Roll com música de Pitty
A Minha Desgraça | Poema de Álvares De Azevedo com narração de Mundo Dos Poemas
NOITE NA TAVERNA, ÁLVARES DE AZEVEDO (#238)
Álvares de Azevedo - Meu Sonho
ÁLVARES DE AZEVEDO - LEMBRANÇAS DE MORRER - POR CID MOREIRA
Resumo de Melhores Poemas, de Álvares de Azevedo
Álvares de Azevedo - o poeta Rock N' Roll
Poema Minha desgraça - Alvares de Azevedo #Shorts
Biografia Álvares de Azevedo
O Lenço Dela | Poema de Álvares de Azevedo com narração de Mundo Dos Poemas
Biografia de ÁLVARES DE AZEVEDO: “A Poesia Sombria de um Jovem Gênio da Literatura Brasileira”!
AULA 22 | ROMANTISMO: ÁLVARES DE AZEVEDO e JUNQUEIRA FREIRE (Estilo de Época) | PROF. JORGE MIGUEL
Alvares de Azevedo, Por que mentias?
Álvares de Azevedo ao som de Placebo!
🌹Lira dos Vinte Anos, de Álvares de Azevedo (Soneto).
ÁLVARES DE AZEVEDO - ANJOS DO CÉU - Por CID MOREIRA
A obra de Álvares de Azevedo
ÁLVARES DE AZEVEDO - SONETO - POR CID MOREIRA
Adeus Meus Sonhos | Poema de Álvares de Azevedo com narração de Mundo Dos Poemas
Noites na Taverna - Álvares de Azevedo
JÁ DA MORTE O PALOR ME COBRE O ROSTO - ÁLVARES DE AZEVEDO - ANÁLISE - UNIOESTE 2023 2024 2025
Alvares de Azevedo.wmv
MELHORES POEMAS - ÁLVARES DE AZEVEDO (MAL DO SÉCULO)
Pálida à Luz Da Lâmpada | Poema de Álvares de Azevedo com narração de Mundo Dos Poemas
AulaDe Poesia - Álvares de Azevedo - Amor
#104 Noite na Taverna (Cap. 1 e 2) - Álvares de Azevedo - Conto um Conto
Lembranças de morrer | Alvares de Azevedo | Sonoridade Literária
Álvares de Azevedo
Álvares de Azevedo: "Pálida, à luz da lâmpada sombria, [...]"
ÁLVARES DE AZEVEDO - AMOR - POR CID MOREIRA
Documentário Álvares de Azevedo
Álvares de Azevedo - Lágrimas da vida - narração José Marcio Castro Alves
Lembrança de morrer é um belo poema de Álvares de Azevedo
Alvares de azevedo.avi
ÁLVARES DE AZEVEDO - DESANIMO - POR CID MOREIRA
ÁLVARES DE AZEVEDO - PÁLIDA INÔCENCIA - POR CID MOREIRA
Alvares de azevedo
Soneto...(Álvares de Azevedo)
Poemas de Álvares de Azevedo
Breve biografia de Álvares de Azevedo e Casimiro de Abreu - Literatura Romântica no Brasil
Álvares de Azevedo A&CW
Se Eu Morresse Amanhã (Poesia de Álvares de Azevedo)
thomas shelby skibidi
incrivel autor
27/março/2024
aleatorio
foi publicado em 1953 em um livro chamado poesias
04/abril/2021
gigachad69420
salvou muito sigma, ?????, obrigado pelo skibidi sigma pomni fortnite mewing rizz ronaldo jr
27/março/2024
virginwojak96024
savou nao buxa,?????, denada pelo toilet beta fodase free fire babidi reverse rizz messi velho
27/março/2024
carlinhos
2050 cavalos gozaram na minha bunda
27/março/2024
Lara
alguem sabe a data de publicação do poema não aqui no site quando o autor p publicou
11/março/2021
pomnigigachadrizz
1954
27/março/2024

Quem Gosta

Seguidores