Marina Colasanti

Marina Colasanti

Marina Colasanti é uma escritora e jornalista ítalo-brasileira nascida na então colônia italiana da Eritreia.Viveu sua infância na Líbia e então voltou à Itália onde viveu onze anos.

1937-09-26 Asmara, Eritreia
455847
63
726

Eu sei, mas não devia

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.

A gente se acostuma a morar em apartamento de fundos e a não ter outra vista que não seja as janelas ao redor.
E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora.
E porque não olha para fora logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.
E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma acender mais cedo a luz.
E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora.
A tomar café correndo porque está atrasado.
A ler jornal no ônibus porque não pode perder tempo da viagem.
A comer sanduíche porque não dá pra almoçar.
A sair do trabalho porque já é noite.
A cochilar no ônibus porque está cansado.
A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.

A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra.
E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja número para os mortos.
E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração.

A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir.
A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta.
A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.

A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita.
E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar.
E a ganhar menos do que precisa.
E a fazer filas para pagar.
E a pagar mais do que as coisas valem.
E a saber que cada vez pagará mais.
E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra.

A gente se acostuma a andar na rua e a ver cartazes.
A abrir as revistas e a ver anúncios.
A ligar a televisão e a ver comerciais.
A ir ao cinema e engolir publicidade.
A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.

A gente se acostuma à poluição.
As salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro.
À luz artificial de ligeiro tremor.
Ao choque que os olhos levam na luz natural.
Às bactérias da água potável.
À contaminação da água do mar.
À lenta morte dos rios.
Se acostuma a não ouvir o passarinho, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta.

A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer.
Em doses pequenas, tentando não perceber, vai se afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá.
Se o cinema está cheio a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço.
Se a praia está contaminada a gente só molha os pés e sua no resto do corpo.
Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana.
E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado.

A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele.
Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se da faca e da baioneta, para poupar o peito.
A gente se acostuma para poupar a vida que aos poucos se gasta e, que gasta, de tanto acostumar, se perde de si mesma.

1972
167172
325
Sandro
A gente se acostumou a se acostumar com os costumes alheios para evitar conflito de costumes. Texto bem cotidiano da Marina, como sempre uma pessoa de brilho na alma e com escrita apurada.
02/agosto/2022
Davi
Genial esse poema te faz enxergar a vida com outros olhos , mesmo tendo dias difíceis ou frustante temos que nos acostumar mos e encarar como um obstáculo e persistir em nossa luta sensacional !!!
05/abril/2022
Mel Garcia
Kralho eu to td arrepiada. Amei dms
30/março/2022
Severino Gomes
Como sempre, a Marina arrasando nas suas escritas. Amo seus poemas.
17/julho/2021
Iverson Carneiro
É preciso rebelar-se contra o que é hábito, o que aprisiona.
17/julho/2021
Iverson Carneiro
O que é um poema?
17/julho/2021
KÁTIA Barbosa
Belíssima crítica! Parabéns precisamos LER mais para descostruir este mal costume.
24/setembro/2020
Dani
Resumo das nossas vidas, mas felizmente temos poemas como estes que nos fazem ter um olhar diferente para o cenário da vida.. Adorei!
05/maio/2020
Emmanuel Nazareno Costa Lima
Irretocável e comovente. Sem mais.
18/abril/2020
Letícia Nunes
São agora uma da manhã de um sábado qualquer e eu estou lendo esse poema e chorando por perceber que durante anos eu me forcei a me acostumar com diversas coisas que tiraram o gosto e as cores da minha vida, e eu terei um longo e dificílimo trabalho para reverter tudo isso. Voltar a comer, dormir, escrever, sair e aproveitar o sol, conhecer gente e querer conversar, tocar as pessoas, ser tocada... Eu sinto muito, por tudo que fiz comigo mesma nesses últimos anos, já não sei se era mesmo preciso, espero que eu me perdoe com o tempo
16/novembro/2019
Iverson Carneiro
Lindo e corajoso depoimento. Não se perdoe, apenas desacostume-se.
17/julho/2021
euclides nhantumbo
Ola amei amei
23/maio/2019
Vitória Sampaio
Eu adorei este poema é verdade temos que se acostumar com cada coisa da vida.
07/agosto/2015
anonymous
q texto perfeito
05/janeiro/2015
Rafael--1!
VOCÊ MARINA COLASANTI,VAI NA MINHA ESCOLA E  EU TE MEU PARABÉNS
09/junho/2011
biamacedo8@yahoo.com.br
Eu estava procurando este texto,para enviar a uma amigaque me falou pela manhã:não abro mais a janela da sala,por que lá fora tem uma casa de marimbondo.Não sei como enviar para ela,visto que ainda não domino o computador(ainda) Adoro a Marina Colassanti.Parabéns  para nós todos, por podermos nos  alimentar,saborear ,degustar dos textos da escritora ( eu acho que minha fillha mora no prédio dela).Será?
26/fevereiro/2011

Quem Gosta

Quem Gosta

Seguidores